Viagem ao Canadá – Montreal – 1º e 2º dias

Christ Church Cathedral – Centro de Montreal

Na sequência, deixamos Quebec, passamos pela bela Cachoeira de Montmorency e fomos para Montreal, onde entregamos o carro que havíamos alugado em Toronto. Ficamos 3 dias lá e foi o suficiente para conhecermos o que há de melhor e mais interessante na cidade. E digo pra vocês, sem dúvida alguma, o que mais me marcou em Montreal foram nossos queridos anfitriões Mario e Dominic, donos da pousada “Aubergell“, do tipo Bed & Breakfast. Em seu site, o albergue é assim apresentado: “Affordable and cozy, Aubergell Bed & Breakfast, formerly known as Auberge l’un et l’autre, is a renowned part of the heritage of the gay village of Montreal since 1990”. Nosso quarto era bem pequeno, até porque escolhemos pela internet o quarto mais em conta, porém muito bem equipado e de muuuito bom gosto. O Mario cuidava de cada detalhe. Até da trilha sonora!! 😉

Nossos anfitriões: Mario e Dominic

Nosso hotel (Aubergell) em Montreal era encantador

E o Dominic era um espetáculo na cozinha! Aaaahhh não esqueço nunca mais!! Primeiro café da manhã, servido na sala do apartamento onde eles moram (no andar abaixo do nosso quarto) foi um espetáculo e eu não me perdoei por não ter levado a minha câmera: taça de iogurte com frutas vermelhas, suco de laranja, muffins, chocolate quente e um sanduíche feito na hora, com presunto, ovos, salada. Demais! Fora que o apartamento deles é super bem decorado e a gente se sente em casa. No segundo dia, levei câmera para o café da manhã, claro, e avisei pra eles que iria colocar no meu blog, rsrsrs. Dominic nos serviu uma torrada especial e caseira, com iogurte e frutas vermelhas, chocolate quente, e um lindo prato de omelete com cogumelos frescos. E o prato era de se comer com os olhos!!!

Café da manhã delicioso do Aubergell

Mas vamos à Montreal, hehehe. Fizemos uma primeira caminhada pela Rue Sainte-Catherine, que corta toda a cidade, de leste a oeste, mas nesse primeiro momento não fomos muito além das proximidades de nosso hotel, queríamos fazer um reconhecimento, ver onde estavam os supermercados, restaurantes, etc. Ficou óbvio que estávamos realmente em área voltada ao público gay, pela decoração da rua e os diversos tipos de publicidade. Fizemos um tour, curtimos o “ar festivo”, descontraído e cheio de restaurantes e bares. Como já era final do dia, terminamos tomando um chopp e comendo uma pizza na “Piazzeta“, indicado inclusive pelos nossos anfitriões. Pizza bem fininha, com queijo blue, pinoles, linguiça e cebola caramelizada….

As diversas cores da Rue Sainte-Catherine, Montreal

Dia seguinte fomos conhecer a imperdível, realmente imperdível, Basilique de Notre-Dame, do séc. XVII, na “Vieux-Montreal”, parte mais antiga da cidade. Absolutamente linda. Por fora ninguém diz nada, mas por dentro… 😯 É mágica. Seu altar principal é belíssimo. O órgão, no alto, com o azul das paredes e do teto por trás, era maravilhoso. Recomendo demais.

Basilique de Notre-Dame

Caminhamos até Chinatown, bairro chinês. Costumo sempre dar uma xeretada nesses lugares, sempre vemos coisas incríveis. Entro naquelas lojas de bugigangas e sabe como é… tem sempre algo criativo pra levar pra casa. Mas o que nos chamou mais atenção foi uma “vitrine” de um restaurante, onde um chinês preparava na hora uns macarrões, em segundos, só usando as mãos, esticando, dobrando, esticando, dobrando, e depois cortando e tchum! dentro da panela fervente. Impressionante. Parecia desses ilusionistas que vemos na tv hehehe. Depois de muito andar pra lá e pra cá, escolhemos um restaurante que servisse pato laqueado (Restaurant Ethan), mas devido ao preço alto do prato, optamos por um mais simples, o “canard rôti” (pato assado) e uma entrada de rolinhos fritos de legumes. Nada excepcional.

Portal de entrada do bairro chinês e Restaurante Ethan

Por fim fomos conhecer a cidade subterrânea de Montreal, que eles chamam de “Réso” ou “La Ville Souterraine”, um verdadeiro labirinto de corredores, com muitas lojas e praças de alimentação. São mais de 30km de túneis, mais de 1.200 lojas e mais de 200 restaurantes, conectados também a outros prédios, como bancos, universidades, escritórios, etc. Uma cidade embaixo da outra. No inverno, mais de 500 mil pessoas circulam por lá diariamente. Incrível não é?!!

De volta pra casa, paradinha para comer um crepe “fantastique” de banana com Nutella. Fiquei assistindo o cara fazer, babando…. muito bom!

Depois foi só passar no supermercado e comprar nosso jantar: pão, queijo, salame, vinho, coca cola. Corremos pra varandinha de nossa pousada, ao lado de nosso quarto, reservada só pra gente, friozinho de 12°, não queríamos mais nada…

Nossa varandinha “particular” no Aubergell

Próximo post, 3º e último dia em Montreal! E depois, você vai se encantar com a impressionante região das Montanhas Rochosas!

Ah, e quem ainda não leu as minhas dicas do Canadá, explorem os posts anteriores nos links abaixo:

 

Anúncios

Viagem ao Canadá – Cidade de Quebec – 3º dia

Quebec – cidade baixa

Estou bem atrasada em meus relatos de viagem!! Perdoem-me, mas a vida no trabalho tem sido bem intensa… Em nosso terceiro e última dia em Quebec, o dia amanheceu chuvoso. Meu marido saiu pra correr, fiquei de castigo no quarto curtindo uma tendinite 😥 . Depois do café da manhã na pousada (ovos mexidos à moda da casa) tentamos sair pra rua, mas como estava chovendo, fomos forçados a esperar pelo menos uns 20 minutos.

Tiramos o dia para conhecer “La Citadelle de Québec” (Cidadela de Quebec), uma antiga fortaleza construída para proteger a cidade, entre os anos 1820 e 1850. Uma estrutura interessantíssima, em forma de estrela. Ela está ocupada pelo 22º Regimento Real, inclusive mantém, em uma de suas alas, um museu que conta a história militar desse regimento. A Cidadela também funciona como residência do Governador Geral do Canadá, desde 1872.

Foto aérea da Citadelle de Québec (extraída da internet)

Fizemos o tour oficial, com uma guia “quebequense” muito simpática! Demos um giro por todo o forte, vimos o museu, os canhões, curtimos as vistas para o rio São Lourenço, a residência do Governador Geral. Enquanto isto ela nos contava um pouco da história da cidade. Visita obrigatória para todo turista!

Entrada do Forte e vistas de suas muralhas

Saímos de lá já era hora do almoço. Fomos então num restaurante tradicionalíssimo, e o mais famoso da cidade: Aux Anciens Canadiens, na rue Saint-Louis. O menu promocional executivo estava saindo por $19,95 (dólares canadenses, o que dá hoje uns 50 reais), e nos dava direito ao menu completo e uma taça de vinho “maison” (da casa). De entrada pedi um creme de cenoura, que achei igual a todos que já tomei na vida. Claudinho foi mais feliz, pediu um patê de carne bovina que estava muito bom.

De principal, pedimos o prato do dia: vitela com champignons. Nota 6,0 pra resumir. Tempero suave, meio sem gracinha… Acompanhava um purê e uma salada agridoce, acho que era de repolho.

Em relação à sobremesa, gostei muito!! Era uma “tarte aux pomme”, ou torta de maçã, mas o diferencial era a cobertura: um creme feito com o Maple Syrup, produto queridinho dos canadenses que já falei aqui nos posts anteriores, um xarope extraído da árvore típica do Canadá (o plátano). Estava deliciosa. Claudinho pediu sorvete caseiro de morango.

À tarde, caminhamos outra vez pela graciosa Place Royale, na cidade baixa, e depois de muitas idas e vindas, resolvemos parar para comprar pipoca em uma loja especializada (Mary’s Popcorn), que só vende pipocas e dos mais diversos sabores. Pedimos de “caramel salée” (com caramelo e salgada), a $6,35 (em torno hoje de 16 reais), e era a  “petite”, ou seja, a menorzinha!!! Mas juro que valeu cada centavo!!! Imperdível!!

Dia seguinte deixamos Quebec, mas antes de pegarmos a estrada para Montreal, demos uma pequena esticada (7km além do centro da cidade de Quebec) para conhecermos a “Chute Montmorency“, uma imensa e encantadora cachoeira, com um volume impressionante de água. Ela é 30 metros mais alta que a do Niagara!! Tomamos depois um chocolate quente (estava frio e chovendo ainda…) e depois seguimos para Montreal, que será meu próximo post. Até lá!

“Chute Montmorency” –  a 7km de Quebec

Restaurante Dona Irene – Teresópolis

A 75 km do Rio, encontra-se a cidade serrana de Teresópolis, situada a mais de 800m de altitude, o que faz dela a mais alta do Rio de Janeiro e, consequentemente, uma das mais frias. Ao final da subida da serra, que aliás é uma estrada belíssima, é obrigatória a parada no Mirante do Soberbo, com vista incrível do Dedo de Deus (formação rochosa que lembra mesmo uma mão cujo dedo indicador está apontando para o céu) e, quando o dia está limpo, dá pra ver a Baía de Guanabara… incrível, gente… Tava assim quando subimos no sábado passado.

Eu e minha mãe no Mirante do Soberbo, na entrada de Teresópolis

Éramos um time de futebol completo: 11 pessoas, hahaha. E mais o motorista da van, que contratamos para nos levar até a Vila St Gallen – a casa da cerveja Therezópolis. Um lugar bem legal, com três diferentes ambientes gastronômicos. Tem inclusive uma reconstituição de uma vila germânica (com mesinhas, igrejinha, lojas, café, etc), muito simpática. Você pode fazer degustação e harmonização das diversas cervejas puro malte que eles produzem, ou mesmo fazer a visita guiada para conhecer a história e descobrir como são fabricadas as cervejas Therezópolis. Programão não é?! Eu já fiz isto em outra oportunidade, inclusive, com direito a anotações minuciosas sobre as “notas” de amargor, doçura e acidez de cada uma delas. Mas desta vez, fomos apenas degustar alguns chopes deliciosos, uns 4 tipos diferentes, apenas pra fazer uma horinha… É que nosso objetivo neste dia era maior: almoçar no Restaurante Dona Irene.

Villa St Gallen em Teresópolis, visita obrigatória

Dona Irene é o nome do tradicionalíssimo e antigo (de 1964) restaurante russo que fica em Teresópolis. Os fundadores (um casal) eram siberianos, conhecidos pelos nomes de “Miguel e Irene”. Hoje o restaurante é tocado pelo casal José Hisbello Campos (primo meu de 4º ou 5º grau, hehehe!) e Dona Maria Emília. Eles fazem parte da história do restaurante, pois eram vizinhos dos russos, em Teresópolis. Desde o início, Emília ajudou Irene na cozinha, foram muito amigas, aprendeu tudo com ela, inclusive a fabricar a tão aclamada vodca da casa (Nazdaróvia), feita com frutas e cereais (e que ela não revela a receita de jeito nenhuuuuummmm!!!!). Com a morte de Irene, há uns 15 anos, Emília e Hisbello assumiram naturalmente a administração do restaurante.

Restaurante Dona Irene e detalhes decorativos

Mas vamos ao que interessa… chegamos lá por volta das 14h. Já nos esperavam os anfitriões, uns queridos. Nossa mesa redonda de 11 lugares estava reservada, em nome das “primas”: Miryan (minha mãe) e eu. As refeições seguem o ritual tradicional (da época dos czares na Rússia) desde que foi fundado até hoje. Sempre divididas em 4 etapas. Junto com a primeira etapa vem a vodca Nazdaróvia, em garrafa pequena e envolvida em grossa camada de gelo, para você se servir à vontade. Para quem é amante dessa bebida destilada vai achar uma maravilha. Segundo o costume russo, existem três regras básicas para o consumo da vodca: 1º – nunca beber sozinho; 2º – nunca beber sem comer alguma coisa logo em seguida; 3º – nunca tomá-la em pequenos goles ou misturada com gelo ou tônica, mas de uma vez só (nossa!!! Eu confesso que tomar pura e de uma vez só não é o meu forte…  dei uns goles pra conhecer, mas depois preferi me resguardar no vinho tinto!).

A vodca de cereais é a estrela da casa

Então… vamos à primeira etapa, que acompanha a vodca: os “Zakuskis“, que significa “pequenos bocados”. Na verdade, uma imensa variedade de “tapas”, entre elas, o caviar (delícia), arenque, ovos recheados, salmão, patês, beterraba (delícia também) e rabanetes em conserva, etc. Uma fartura, gente, cada coisa mais gostosa que a outra. E tome vodca!!! kkkk.

Os “Zakuskis”, todos deliciosos

Na segunda etapa é servida a famosa sopa “Borscht“, cujo principal ingrediente é a beterraba. Bem interessante, eu achei, meio exótica. Servida morna e acompanhada de bolinhos fritos ótimos, chamados “Pirozhkis“, recheados com carne. Em seguida, serviram-nos asas de frango fritas, super crocantes, uma maravilha. Não estão acreditando né?! Quem imaginaria que asas de frango fritas poderiam ser uma “maravilha”?! Eu mesma não acreditaria… mas era! Serviram também berinjelas e abobrinhas gratinadas, uma no molho de tomate, a outra em molho branco. E isto tudo foi só a segunda etapa…

Entradas quentes no Dona Irene

A terceira etapa é constituída dos pratos principais, que podem ser escolhidos quando você fizer a reserva. Para nós, foram servidos alguns dos pratos, escolhidos pelos nossos anfitriões:

1. Frango à Kiev, crocante e com direito à esguicho de manteiga ao ser cortado, hehehe.

2.Varênique, típico da Ucrânia, que consiste nuns pastéis recheados de batatas e ervas, acompanhados de filé mignon grelhado. Adorei!

3. Pojarski, preparado com frango moído, queijo gorgonzola, em forma de almôndegas, recobertas de croutons dourados.

4. Podjarka, feito com escalopinhos de frango e filé mignon, champignon, molho de ervas, batatas noisettes, flambado e gratinado.

5. Beef Strogonoff, o mais famoso dos pratos russos, nem precisa apresentação! E se quiserem prepará-lo em casa, que aliás é um ótima sugestão pra receber a família, é só seguirem a minha receita. Não é igual ao da Dona Irene, mas é sucesso garantido também!!!

Pratos principais deliciosos do Dona Irene

E a comilança não acaboooooou!!!

As sobremesas não são muitas, mas todas são apetitosas, incluindo a “charlotte russa” (criada por um chef francês, para os czares russos). Mas escolhi uma sobremesa criada pela casa atual, com suspiro, creme chantilly, amoras em calda. Não me arrependi, estava ótima!

Sobremesa com suspiro e calda de amoras

Ao final do excelente almoço, nosso anfitrião ainda nos contou muitas histórias do passado, de sua juventude, mostrou-nos fotos de sua família, filhos e netos. Dona Emília também nos cumprimentou, apesar da casa estar cheia. Enfim, foi um sábado para guardar na memória. Abaixo, o time quase completo (eu estou tirando a foto!):

 

Viagem ao Canadá – Cidade de Quebec – 2º dia

Depois de dar uma pausa nos meus relatos do Canadá para contar do maravilhoso Feijão Tropeiro do Delícia, volto hoje à adorável Cidade de Quebec.

Em nosso segundo dia lá, fomos conhecer a “cidade baixa”. Saímos da pousada depois do nosso café da manhã especial: fatia de pão umedecida e frita (como nossas rabanadas), polvilhada de açúcar de confeiteiro e enfeitada de frutas vermelhas. Delícia canadense/francesa, e uma boa desculpa pra você encharcar seu prato com “maple syrup” ou “sirop d’érable”, paixão nacional. Adorei.

Caminhamos até a Cathédrale Notre-Dame de Québec, depois seguimos até o Montmorency Park, uma praça cujas vistas da cidade baixa são bem legais, vale ir até lá. Descendo depois pela “Côte de la Montagne” você chega numa escadaria de madeira conhecida por Escalier Casse-Cou (Quebra-pescoço), muito charmosa, com feirinha de artesanato na entrada, lojinha de arte e cafés. Ah! e ótima vista da “rue du Petit Champlain“, a mais aconchegante de Québec, repleta de lojas lindas e restaurantes charmosos. Imperdível, eu diria.

Vista do Montmorency Park, e embaixo à direita “Rue du Petit Champlain”

Foi nessa rua que ouvimos falar pela primeira vez em “cidre de glace“, um cidra feita de maçãs congeladas, o que produz uma bebida mais concentrada, mais licorosa. A fruta é prensada quando ainda está congelada, fazendo com que o sumo extraído não contenha praticamente nenhuma água. Depois o líquido é fermentado, e parte do açúcar vira álcool. Uma delícia. Claro que comprei uma garrafa…

Então fomos até a pequena e belíssima Place Royale, de aspecto bem medieval. No meio da praça, um busto de Luis XIV. Uma igrejinha de pedra ao fundo. Uma graça. Pena que o tempo estava bem chuvoso. Ainda assim, num momento que o sol deu o ar de sua graça, eu consegui captar uma boa foto.

 

Place Royale

Seguimos então pela rue Saint-Pierre, até a zona portuária, onde se encontra o Marché du Vieux-Port (Mercado do Porto Antigo). Parecia tudo, menos um mercado, kkk. Tudo tão limpo e silencioso… Com muitas flores, frutas, verduras, lojas de bebidas, charcuterias, docerias  e milhões de produtos feitos com “sirop d’érable”. Comprei outra cidra, mas dessa vez mais surpreendente ainda, pois além de ser feita com maçãs congeladas, era “fortificada”, ou seja, ela recebeu uma adição de álcool (alguma bebida destilada), para deixá-la com um teor alcoólico maior e mais doce. Quase um licor. Claro que enlouqueci né?! Comprei outra garrafa… 😉

Marché du Vieux Port

Então fizemos o mesmo percurso de volta e fomos almoçar lá na Rue du Petit Champlain, num restaurante que havíamos simpatizado, e também recomendado por nosso anfitrião, o “Cochon Dingue“, em português seria “Porco Louco”, hehehe. Pedi um frango “crispy” com arroz basmati e molho “oriental”, agridoce. Muito gostoso. Me senti novamente na Tailândia!!! Claudinho pediu fígado de vitelo, mas não aprovou muito… achou meio borrachento… também né?! pedir fígado longe de casa é sempre meio arriscado… eu mesma, só como fígado se tiver certeza que é bem fresquinho. A cerveja estava ótima, “Boreale“, canadense.

Por fim, voltamos para a cidade alta, saímos da área antiga, cruzamos as muralhas e caminhamos pela simpática “Grand Allée”, passamos pelo “Jardin Joanne D’Arc” e depois pegamos a Avenue Cartier, rua repleta de restaurantes e lojas também, mas num estilo bem mais moderno. Depois voltamos pela Rue Saint-Jean, também muito movimentada, muitos estabelecimentos comerciais, onde encontramos um excelente mercado e já compramos nosso “jantar”: pão, queijo e vinho. Sim!! vinho!! Não sei porque cargas d’água, mas nesse mercado tinha vinho pra vender, hahaha.

Antes de voltarmos para nossa pousada, ainda subimos a muralha, aliás, resto da muralha que contorna a cidade antiga e tiramos umas fotos. Nesse dia, eu já estava sofrendo bastante com uma tendinite no pé esquerdo, e não aguentava mais caminhar… 😦

Muralha antiga de Québec

Próximo post teremos outra pausa no Canadá, mas podem acreditar que é por um bom motivo!!

 

 

Feijão Tropeiro do Delícia

(Dando uma pausa no Canadá…). Acharam o título estranho?! rsrsrs. O “Delícia” é a forma carinhosa com que chamamos o Wagner, proprietário da Pousada Calçada São José, em Tiradentes. Já estivemos lá duas vezes, e até já fiz relato aqui no blog. Para relembrar o post, clique aqui.

Pousada Calçada São José em Tiradentes – MG

O casal Wagner e Du, são excelentes anfitriões e a pousada é daquelas que você se sente em casa. E que casa! Trata-se de uma imensa e bela propriedade, aos pés da Serra São José, muito espaço verde, pássaros, decoração rústica, café da manhã delicioso. Pelo menos uma vez por ano agora tô indo pra lá descansar… e comer, rsrsrs.

Naquela ocasião em que escrevi o post, não publiquei o fantástico Feijão Tropeiro do Delícia. Outros assuntos terminaram por atrapalhar os meus planos de passar a receita pra vocês. Mas desta vez, eu mesma quero “eternizá-la” aqui no blog. Porque vale a pena, porque é inesquecível e fantástica. Porque o Delícia prepara com todo carinho e dedicação que se pode esperar de um verdadeiro Chef!

Toda a “mise en place” é feita desde o dia anterior, de forma a não atropelar os trabalhos na hora de montar o prato. Todos os ingredientes são cuidadosamente encomendados e comprados com antecedência. A costela de porco (servida à parte) foi assada por 6 horas no forno, para ficar derretendo, literalmente, na boca…

Antes de descrever, já vou logo dizendo que não tenho as quantidades exatas da receita, mas assisti, com olhos atentíssimos, e gravei as partes mais importantes, para não esquecer nenhum detalhe. Então não posso afirmar que as quantidades estão exatamente iguais as que ele usou, mas estão bem próximas. O almoço que ele preparou domingo passado, foi para 15 pessoas.

Ingredientes:

  • 1,2 kg de feijão vermelho cozido (ele falou para calcular uns 80g por pessoa)
  • 8 cebolas picadas
  • 1 cabeça inteira de alho picado
  • 26 ovos
  • páprica doce e picante a gosto
  • 0,5 kg de lombinho de porco “confitado” (cozido bem lentamente)
  • linguiça de porco cortada em rodelas e fritas (uns 300 ou 400 g)
  • alho picado e tostado (para finalização)
  • couve mineira cortada bem fininha (umas 6 folhas grandes)
  • cebolinha picada (um maço)
  • torresmo (umas 2 xícaras)
  • 300 g (aproximadamente) de farofa de milho, torrada e temperada com alho e cebola (ele ensinou que de milho é melhor que de mandioca, nesse caso, para o prato não ficar ainda mais pesado)
  • azeite, sal e pimenta do reino a gosto

Vamos lá para o modo de preparar!!! Tem muito segredinho aqui…

Com tudo já preparado, picado, cozido, frito, etc, devemos “montar” o prato numa panela graaaande, tipo paellera (pode ser uma wok tb). Daí primeiro entra o alho no azeite, para dourar um pouco. Só depois entra a cebola.

Então vem a parte mais trabalhosa e delicada. Fogo tem que estar o tempo inteiro bem baixinho ok?!! Abrir os ovos, um por um, delicadamente (tentando não quebrar a gema), dentro de um potinho (para desprezar, caso o ovo esteja estragado), e ir distribuindo-os na panela inteira, com cuidado. Depois pode tampar um pouco para que eles cozinhem lentamente.

Depois que os ovos estão durinhos, e para dar um gostinho especial, ele acrescenta um molho consistente, retirado do assado do lombinho ou da costela, feita por fora, e que acompanha o tropeiro depois. Tempera com sal, pimenta do reino, páprica doce e picante. Isto feito, ele usa duas colheres de pau e corta os ovos em pedaços. Aliás, dica do Delícia: “não é pra colocar os ovos na panela e mexer como se fossem ovos mexidos não!! senão dá gosto de ovo no feijão!!”. Anotado?!!

Só depois de cortar os ovos fritos, você deve acrescentar o lombinho de porco, o feijão e a linguiça.

Então é hora de acrescentar a couve mineira. Depois que murchar, acrescentar a farofa de milho.

Para finalizar o prato, ele acrescenta a cebolinha fresca e tampa a panela. Na hora de ir pra mesa, não esquecer de acrescentar o alho frito e crocante, e os torresmos (este último pode ser deixado à parte, apenas para quem gosta, ou pode comer, rsrs).

De acompanhamento para o Tropeiro, ele preparou uma costela de porco assada e “pururucada” divinamente. Para quem não conhece o termo, pururucar é tostar a pele do porco de forma que fique crocante. O Delícia tem uma “arma infalível” e bem original. Um artefato movido à gás e que, segundo ele, atinge 700 graus!

Os outros acompanhamentos foram: o arroz de jiló (uma especialidade da casa), farofa de banana e molho de cebola roxa (tipo um vinagrete). Um espetáculo. Não há melhor Tropeiro na região, pelos motivos que falei lá em cima: este é feito com carinho, lentamente, num ritmo que combina com o lugar. É o que chamamos de “slow food”. Sua cozinha propriamente dita fica inclusive aberta, aprende quem quer. Eu fiquei ali do ladinho, gravando tudo, claro. Não perdi nenhum detalhe, eu acho…

Depois foi só abrir uma boa garrafa de vinho tinto e: estômago, pra quê te quero??!!!! 😛

Então, cariocas… Este é um programa maravilhoso para quem mora no Rio de Janeiro, pois a cidade de Tiradentes (Patrimônio Histórico Nacional) fica a apenas 370 km do Rio. Se você for passar um final de semana por lá, não deixe de visitar a Igreja Matriz, as lindas ruas de pedra do centro histórico com suas casas coloniais (observe as janelas coloridas), e vá a alguns de seus restaurantes maravilhosos (indico o Viradas do Largo). Ah! Se der tempo, aproveite para dar um pulinho em Bichinho, um pouquinho afastado do centro, mas com lojas de artesanatos e móveis bem diferenciados para a sua casa!

Tiradentes – MG e abaixo do lado direito, a “Casa Torta” em Bichinho

Em breve, mais posts do Canadá!!

Viagem ao Canadá – Cidade de Quebec – 1º dia

Deixamos Ottawa numa segunda-feira muito chuvosa. Na estrada para Quebec, a chuva ficou ainda mais forte. Depois melhorou um pouco, e ao chegarmos em Trois-Rivières – onde havíamos programado de almoçar – a chuva tinha finalmente dado uma trégua. A cidade estava meio “fantasma”, talvez por causa do mau tempo ou por ser uma segunda-feira, não sei…

Rue des Forges, centro de Trois-Rivières

Trois Rivières (que significa Três-Rios) fica às margens do Rio São Lourenço. A “Rue des Forges” no centro da cidade, é cheia de bares e restaurantes. Escolhemos O’ Centro, um restaurante-pub, justamente pelo fato de estar cheio de gente, rsrsrs. Só poderia ser bom né?! Além disso, vi uma placa na frente que dizia ter uma promoção de “Pichet” por 12$. Achei que fosse uma meia-garrafa de vinho (na França ééé!!!) e fui logo pedindo, assim que sentei na mesa. Deixa que não era vinho hahaha. Era uma jarra imeeeeensa de cerveja, de 1,5 litros. Aí era tarde, já estava na mesa. Mas confesso que eu neeeeeem queria!!!! 😀

“Pichet” de cerveja no pub O’Centro

Então comi meu segundo salmão da viagem, tão inesquecível quanto o primeiro. Era um “saumon à l’érable”, grelhado com o xarope extraído do plátano (maple syrup), produto típico canadense. De sabor adocicado por conta do syrup, vinha acompanhado de arroz e legumes grelhados. Excelente! Cláudio preferiu um frango ao molho de mostarda e batatas gratinadas. Muito bom também! E quanto à cerveja… nem consegui terminar, pois tínhamos que seguir viagem… muito triste por ter que desperdiçá-la, juro que isto não é do meu feitio 😥

Ao entrarmos em Quebec fiquei encantada com as lindas casas ao longo do caminho até nosso hotel. Ah, um detalhe, não confundam Ville de Québec (ou Quebec City, em inglês), com a província de Quebec, à qual a cidade pertence. É como o Estado do Rio de Janeiro e a cidade homônima. Quebec é a cidade mais antiga do país (fundada em 1608 pelo francês Samuel de Champlain), também localiza-se nas margens do Rio São Lourenço. A história dela é bem confusa. Era colônia francesa, depois passou a ser inglesa. Já foi atacada pelos americanos. Hoje o Canadá é um país independente e Quebec sonha em ser também um país independente, rsrs. A maior parte de seus habitantes é francesa, ou descendente de franceses. A língua falada também é o francês. Fora da província de Quebec a língua falada é o inglês.

Ville de Québec

Nossa pousada ficava na parte fortificada e mais antiga da cidade: o Bed & Breakfast Chez Marie Claire. Nosso anfitrião, M. Pascal, nos aguardava. E falando um francês de Marseille, nos deu muitas dicas gastronômicas e de passeios. Nos forneceu mapas e nos apresentou toda a pousada, que recomendo muito. Além de bem localizada, nosso quarto era enorme e maravilhoso, com duas camas de casal. Não tinha frigobar, mas havia um disponível para os hóspedes no salão compartilhado, bem em frente ao nosso quarto no 2º piso. No térreo, uma grande mesa comunitária para o café da manhã, que aliás, é servido de forma individual. Alguns itens ficam na mesa e disponíveis para todos, mas há sempre algum quitute típico preparado na hora para o hóspede.

B&B Chez Marie-Claire

Nesta tarde, andamos pelo “Terrasse Dufferin“, um largo calçadão, construído em frente ao “Le Château Frontenac“, um grande e centenário hotel, na posição mais privilegiada da cidade alta. Muitas vistas legais lá de cima! Tiramos algumas fotos e seguimos caminhando por ali por perto, observando praças, casas, pessoas…

Ville de Québec (Place d’Armes, Château Frontenac e vistas)

Para fechar o dia, optamos por uma pizza no Polina Pizzeria (44 Rue Saint Louis), queijo, tomate e peperoni. No estilo fininha e crocante. Acompanhei com uma taça de vinho italiano. Perdoem-me a falta da foto. Fomos dormir bem felizes neste dia 🙂

No próximo post, muitas dicas imperdíveis da cidade, não percam!!

 

Viagem ao Canadá – Ottawa

Algonquin Provincial Park – Canadá

Antes de chegarmos em Ottawa, declarada capital do Canadá em 1867, passamos 3 dias no Algonquin Provincial Park, curtindo natureza total, fazendo trilhas e explorando lagoas de canoa. Eu estava precisando de umas atividades desse tipo, pra desopilar. Ficamos num hotel (Lakewoods Cottage Resort), na beira de um lago (Oxtongue Lake), que oferecia ótimas cabanas, com bastante conforto, quarto, sala, banheiro e cozinha completa! Aproveitei pra cozinhar um pouquinho… ah vai… só pra relaxar… camarões gigantes, um vinho do lado… 🙂

Lakewoods Cottage Resort e passeio de canoa no Algonquin Park

Ao longo da estrada até Ottawa há diversas pequenas cidades. Paramos em uma delas para almoçar (Angsville) e foi meu primeiro e inesquecível salmão. Se há algo que irei lembrar pro resto da vida em termos de gastronomia no Canadá é o tal do salmão. O verdadeiro. De sabor completamente diferente do nosso. Delicioso. Imperdível… Comi outros durante a viagem, tão bons quanto este primeiro.

Pegamos um trânsito terrível para entrar na cidade de Ottawa. E era um sábado!! Havia diversas obras nas ruas e a cidade estava lotada de turistas, não sabíamos bem a razão, até que depois entendemos… Era véspera da Maratona de Ottawa, os kits estavam sendo entregues, já havia acontecido mais cedo as corridas de 10K e 5K, e como estávamos entrando pelo centro da cidade, tivemos que enfrentar estes probleminhas…

Alugamos um quarto, em uma casa, via Airbnb. O nosso anfitrião era bem simpático, apesar de nem estar lá para nos receber. Um vizinho nos ajudou. Depois ele apareceu e veio conversar conosco, chamava-se Mathieu Dupont, mas não era francês, nem ao menos falava francês. Nos deu indicações de restaurantes e mercados próximos. Nos deu toda liberdade de ir e vir. Para entrar na casa dele era só digitar uma senha na porta. Casa hiper bem localizada, no centro mesmo, próximo a tudo que precisávamos e queríamos ver. Isto foi uma mão na roda. Mas em casa com banheiro compartilhado eu não fico nunca mais…

Em frente à casa onde nos hospedamos, na Sussex Dr

Acordamos cedo no dia seguinte, domingo, dia de maratona, dia de corrida pra gente também. Fomos até o Rideau Canal (Patrimônio Mundial da Unesco) e corremos 10K. Em determinado momento, os corredores de elite passaram ao nosso lado numa velocidade absurda!! Nos sentimos umas tartarugas, kkkk. Mas este sentimento foi motivante!!

Maratona de Ottawa e o Rideau Canal

Depois do café saímos para visitar o centro da cidade: Parliament Hill, arredores do Rideau Canal, Catedral Notre-Dame, National Galery e o ByWard Market, que são as principais atrações. A cidade é bonita e acolhedora. Cercada por rios, com parques bem arborizados, convida o turista a passear de bicicleta, correr, caminhar… O Rideau Canal, quando congela no inverno, vira a maior pista de patinação do mundo. A região do ByWard Market é ótima, cheia de bares e restaurantes, além de uma feirinha pela manhã, com frutas e verduras frescas.

E ao invés de sairmos pra jantar, terminamos optando por almoçar em um dos restaurantes indicados pelo nosso anfitrião: o Chez Lucien, que com nome francês me fez fazer altas expectativas, achando que era um bistrô com comidinhas francesas… Não sei se foi porque era horário de almoço, mas nos deram um menu que só tinha sanduíches e omeletes… Terminei morrendo num sanduíche de salmão grelhado, que pelo menos estava surpreendentemente saboroso 😉  Claudinho pediu um hambúrguer de carne com bacon e cogumelos (achou que veio muito passado). Cerveja Molson Canadian pra acompanhar, que acho que é a Brahma/Skol/Antártica canadense, rsrs, mas valeu!

No fim do dia, entramos na Catedral Notre-Dame, achei bem bonita até. Quis visitar também a National Galery, mas os principais pintores canadenses não estavam com exposição lá, de forma que desistimos. Uma pena…

Dia seguinte viajamos para a Cidade de Quebec, onde passamos deliciosos 3 dias. Em breve!!!

Veja os posts anteriores sobre Toronto e Niagara Falls.