Nhoque de batata

Acordei ontem com vontade de comer nhoque (ou “gnocchi” em italiano), do tradicional mesmo, caseiro, feito com batata comum. Lembrei que eu tinha anotado num caderno antigo de receitas o nhoque que minha mãe fazia em casa, pra acompanhar filé mignon, que ela fazia normalmente com molho de tomate.  A princípio eu queria fazer com queijo gorgonzola, mas quem não tem caça com gato. Fiz um bechamel com queijo minas meia cura, e ficou ótimo. Vou compartilhar aqui porque é uma receita fácil de fazer, mas só se for pra pouca gente… Para muita gente não indico não, haja paciência pra ficar fazendo tantos nhoques 😀 . A não ser que vc não tenha mesmo pressa e seja paciente, hehe. Uma ideia que considero melhor, para um número superior a 8 pessoas, é um strogonoff !

Nhoques de batata

Ingredientes (6 porções)

  • 600g de batata inglesa (4 unidades grandes)
  • 2 ovos inteiros
  • 120g de farinha de trigo (para uma textura beeem macia)
  • Mais um pouco de farinha de trigo para polvilhar
  • 1 colher de sopa de manteiga
  • sal qb

Molho bechamel com queijo

Ingredientes:

  • 200g de queijo minas meia cura ralado
  • 1 cebola grande picada
  • 2 colheres sopa cheias de manteiga
  • 2 colheres sopa de farinha de trigo
  • leite o quanto baste (em torno de 500 ou 600ml, dependendo da textura desejada)
  • Noz moscada e sal q.b.

Modo de preparo do nhoque:

Cozinhe as batatas com casca, até que fiquem macias. Retire a pele e passe no espremedor para fazer um purê. Coloque manteiga e sal, misture. Deixe esfriar. Acrescente dois ovos inteiros e a farinha de trigo. Misture bem.

Em uma tábua, polvilhe farinha de trigo. Com ajuda de uma colher, ponha um pouco da massa na tábua, polvilhe farinha de trigo na massa também. Com as mãos espalmadas, vá rolando a massa pra cima e pra baixo para formar uma “cobra” (como fazíamos quando crianças com massa de modelar). Quando estiver na espessura ideal, vá cortando em fatias com a ajuda de uma faca fina, e formando nhoques de 1,5cm mais ou menos. Há quem goste maior um pouco, há quem prefira menor. Eu não sou tão exigente e vou cortando no olho, não precisa ficar tudo milimetricamente calculado. Afinal, o nhoque é artesanal 🙂 .

Enquanto vai fazendo este trabalho, coloque água pra ferver numa panela funda. E vá fazendo as bolinhas…

Quando a água ferver, coloque sal e espere levantar fervura novamente, e continue fazendo os nhoques…

Agora que você já terminou de fazer todos os nhoques, vá jogando na água fervente, aos poucos, em porções (de uns 15 ou 20). Ao começarem a boiar, vá retirando com uma escumadeira e colocando dentro de um pirex que possa ser levado ao forno. Coloque um pouco de manteiga à medida que eles forem se avolumando no pirex, para não ficarem colados. Reserve.

Modo de preparo do molho:

Facílimo. Primeiro ligue o forno em 220°.

Numa panela, frite a cebola com um pouco de azeite. Quando estiver dourada, acrescente a manteiga e deixe derreter. Em fogo baixo, coloque a farinha de trigo e vá mexendo sem parar. Deixa dourar um tempinho, pelo menos um minuto. Acrescente o leite e misture sempre, para não embolotar.

Junte o queijo ralado, deixando um pouco para colocar por cima. Tempere com sal e noz moscada.

Depois que o queijo derreter e o molho estiver na consistência correta (se precisar coloque mais leite, ele deve ficar um líquido cremoso, não muito espesso). Derrame o molho dentro do pirex onde estão os nhoques. Dê uma balançada com delicadeza, para o molho penetrar entre os nhoques. Polvilhe com o resto do queijo e coloque no forno. Basta ficar uns 5 a 10 min, para garantir que está quentinho e o queijo derretido. Servir com o filé.

E o filé mignon

O filé mignon você pode fazer do jeito que preferir. O meu é assim: retiro cordão e pele, tempero com alho, sal, pimenta do reino e mostarda “à l’ancienne” (aquela que vem em grãos). Deixo marinar um pouco e depois frito em uma grande frigideira com um pouco de óleo. Retiro a carne ainda mal passada, e na mesma frigideira, frito uma cebola em fatias. Quando está dourada, polvilho um pouco de farinha de trigo, ponho um pouco de manteiga, douro mais um pouco e depois entro com o vinho tinto, um pouco de água e metade de um tablete de caldo de carne. Deixo apurar um pouco. Depois retorno a carne para a frigideira e só deixo ali mais uns minutinhos, virando de um lado e de outro, para ela pegar o gostinho do molho… Tá pronto 😉

Sucesso garantido!! Agora abra um vinho tinto e sirva aos convidados!!!

Anúncios

Paraty – RJ

Antes de começar a escrever esse post, estava aqui me perguntando se afinal eu deveria escrever Paraty ou Parati… Então consultei nosso velho amigo Google e obtive uma verdadeira aula sobre a grafia correta , vejam toda a história aqui. Agora escrevo Paraty sem medo 😉

A cidade foi fundada em 1667, mas já existia povoação ali há muito tempo. A partir do seu porto escoavam riquezas provenientes de Minas Gerais, principalmente ouro, direto para Portugal. No século XVIII, a vila perdeu um pouco da sua importância, mas recuperou depois com o Ciclo do Café, no século XIX. Com a Abolição da Escravatura em 1888, houve um grande êxodo na região e Paraty ficou bastante “esvaziada” e muito isolada. Para se chegar lá era complicado, só mesmo de barco ou por péssimas estradas. Felizmente, isto ajudou a preservar bastante a arquitetura colonial da vila. Depois da construção da BR101, o turismo começou a crescer vertiginosamente na região, graças ao seu potencial, tanto histórico, quanto paisagístico. Sem sombra de dúvida, uma cidade muito especial, pra se guardar pra sempre na memória. Quem a conhece não a esquece, e quer voltar. Eu já fui pelo menos umas 5 vezes. A última, foi neste final de semana passado, levando minha mãe e minha sogra, 87 e 83 anos respectivamente. Nenhuma das duas conhecia aquela joia arquitetônica.

 

Ficamos hospedados na Pousada Aconchego, muito mais por sua localização estratégica que por outro motivo, pois além de ter estacionamento privativo, ficava dentro do Centro Histórico, justo no limite em que carros ainda podiam circular. Chegamos na sexta-feira à tarde, mas como estava chovendo sem parar, o que nos deixou bastante apreensivos, resolvemos ficar no hotel mesmo. Ele não possui restaurante (a cozinha só funciona para o café da manhã), mas há um restaurante “colado”, parede com parede, com acesso pelo pátio de estacionamento do hotel, super providencial rsrsrs. Jantamos ali mesmo, um vinho, linguiças artesanais, sopinha leve de baroa…

Sábado amanheceu um belo dia, para surpresa de todos. Tomamos um café reforçado e lá fomos nós, para a parte mais difícil: enfrentar as pedras das ruas do centro histórico, com nossas mães. Meu marido de mãos dadas com minha sogra, e eu com a minha mãe, a tiracolo. De pouquinho em pouquinho fomos descortinando a cidade, que ainda estava com suas ruas vazias e com a maior parte das lojas e restaurantes fechados. Era cedo ainda.

Passamos na Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios, na Casa da Cultura (que estava fechada). Entramos numa lojinha de artesanato, compramos bijuterias indígenas. Continuamos nossa peregrinação pelas lindas ruas da cidade, com suas casas coloniais bem preservadas, com janelas e portas coloridas. Cruzamos a cidade e fomos até o Largo Santa Rita, onde está a Igreja de Santa Rita de Cássia, que aparece em todas as fotos de Paraty que são tiradas a partir do mar. Igrejinha linda que abriga o Museu de Arte Sacra.

Igreja de Santa Rita de Cássia

Depois demos uma passada na Rua do Comércio, compramos cachaça (Paratiana – Gabriela, Cravo e Canela) e molhos de pimenta, não tinha como não comprar! Passamos no Largo do Rosário e por fim, para abrilhantar ainda mais nosso dia de sol inesperado, fizemos reserva no “Banana da Terra” e lá fomos, finalmente.

Falei “finalmente” porque há anos sonhava conhecer esse restaurante. Conheci a Chef Ana Bueno há muito tempo atrás, durante um festival gastronômico de Recife, no antigo e maravilhoso restaurante Chez George (que na verdade ficava em Olinda). Na época ela me marcou bastante, achei-a simpática e muito talentosa! A Chef apresenta uma cozinha com raízes “caiçaras”, ou seja, oriundas de toda aquela região próxima a Paraty, da serra ao mar.

De cara, pedi uma caipirinha feita com limão e capim-santo (ou capim-limão). Estava ótima!

Pedimos também o couvert, que estava uma delícia, com seus pãezinhos saídos do forno na hora. E ainda: caldinho de batata baroa com queijo gorgonzola, um bolinho frito de camarão e um peixe marinado empanado com coco.

Por sugestão da garçonete que nos atendeu, escolhi um “Polvo com páprica, tomate seco da casa, cebola pérola, pesto de azeitonas pretas, sobre purê de batata doce, com pedaços de alho assado“. Estava excelente! Polvo macio. O pesto em contraste com o purê adocicado, o alho assado… tudo em perfeita harmonia.

Meu marido pediu um camarão que fiquei encantada e me deu vontade de tentar fazer igual em casa: “Camarões levementes picantes com curry vermelho, flambados na Cachaça Labareda, com arroz negro e salada de manga“. Espetáculo. Além de saboroso, parecia uma obra de arte.

Minha mãe e minha sogra apostaram no “Camarão ao creme fresco e vinho do Porto com arroz de castanha de caju“, também muito bom, porém de sabor mais suave.

O restaurante é um belo casarão, há um jardim interno, bonita decoração. Achei ruim o fato do banheiro ser no primeiro andar, e só vi acesso por uma escadaria. Não sei se há elevador, não perguntei, mas não vi. Como eu estava com duas pessoas idosas, agradeci a Deus elas não terem precisado ir ao banheiro…

Ah! A sobremesa ficou na conta da sorveteria do outro lado da rua! 😀

Saímos felizes e satisfeitos, mas à noite, eu e Cláudio fomos matar as saudades de uma verdadeira “galette” francesa (crepe de trigo sarraceno), no “Oui Paraty“, que recomendo muuuuito!! O Chef (Patrick Louis) é um amor e a galette, bem como as crepes, estavam muito boas. Pedimos a “Galette Délice“, com presunto de parma e queijo brie. Tomamos um vinho tinto “Côtes-du-Rhône“, combinou perfeitamente. Ao final ainda degustamos uma crepe de banana com nutella. Recomendo este pequeno recanto francês em Paraty, na Rua Santa Rita, 190.

“A cozinha é a base da verdadeira felicidade” (Auguste Escoffier) – “Um bom prato, uma boa galette, um crepe legal, uma taça de vinho, a felicidade está no Oui Paraty” (Patrick Louis)

 

 

 

Jantar francês em Recife

No último sábado fui convidada para organizar (e executar) o menu do jantar de aniversário de minha irmã mais velha, Elisabeth. Uma tradição que completa agora 8 anos… Um acontecimento sempre único, pois nunca são os mesmos convidados, nem nunca repetimos o mesmo cardápio. São sempre 8 à mesa, contando com a anfitriã (e com a Chef aqui), mas em duas ocasiões tivemos 9 pessoas, incluindo este último jantar. Foi uma noite super divertida, e especialmente prazerosa pra mim, pois aconteceu em Recife, minha querida terra natal. Pude matar as saudades do sotaque de lá hehehe. E da alegria sempre contagiante dos recifenses!!

Já havíamos feito outros jantares temáticos em Brasília, onde ela morava anteriormente. Se vocês quiserem relembrar é só clicar em: jantar mexicano, noite espanhola, jantar tailandês.

Este ano o tema foi a França, mas nada a ver com o fato de ter sido a campeã da Copa!!! Havíamos combinado desde o ano passado fazermos um jantar francês por conta mesmo da fantástica gastronomia daquele país. Eu sou fã de carteirinha. Mas uma coisa é ser admiradora da cozinha francesa, outra coisa muito diferente é tentar reproduzir um prato típico francês, à altura. Muita responsabilidade genteeeee!!! Corri um risco enooooorme!!! Mas no final das contas a diversão ficou garantida e, modéstia à parte, tenho certeza que foi um jantar inesquecível 😉

Cardápio:

  1. Entrada – Coquilles Saint-Jacques
  2. Prato Principal – Côtelette d’agneau à la moutarde Dijon et romarim
  3. Sobremesa – Crêpe Suzette

Traduzindo….

As “coquilles Saint-Jacques” são vieiras servidas em sua concha (aquela que simboliza a “Shell”) com cogumelos e molho cremoso, gratinadas no forno. Dos deuses. Segui orientações de um livro de receitas que comprei na França, com 2.000 receitas. Não se preocupem que compartilharei esta entrada com vocês, logo mais!!

As “côtelettes d’agneau” nada mais são que costeletas de cordeiro na mostarda Dijon e alecrim, grelhadas. Servi com um “aligot” adaptado por mim (o verdadeiro é feito com batata comum e um queijo fresco francês, mas eu fiz com batata doce e mussarela de búfala). Trata-se de um purê meio puxa-puxa, por causa da elasticidade do queijo que é derretido dentro do purê. Uma das maravilhas gastronômicas francesas! O outro acompanhamento do cordeiro foi o que eles chamam de “piperade de poivrons doux”, uma espécie de “ratatouille” com pimentões vermelhos, cebola, tomate, alho, vinagre balsâmico, mel e azeite.

O “crêpe suzette” é mais famoso. Um crepe de massa doce com sabor laranja, com calda de laranja, com raspa de laranja, com licor de laranja, ou seja, tudo tudo tudo laranja. Outra maravilha dos deuses. Aprendi a fazer a partir de um vídeo-aula do Chef Laurent Suaudeau (da Escola de Arte Culinária Laurent Suaudeau em São Paulo) no Youtube. Procurem, façam e comprovem, pois a receita ficou perfeita e todos amaram (encontre o vídeo pesquisando por “Revista Menu – Aprenda a fazer o clássico crepe suzette”).

Vamos hoje então aprender a fazer a deliciosa entrada com um nome carregado de simbolismo, que na tradução literal para o português fica “Conchas São-Tiago”, em homenagem ao santo e aos peregrinos que caminham centenas de quilômetros até Santiago de Compostela. O Caminho tem como símbolo esta concha (“coquille”), pois é muito comum naquela região. E aliás, ano que vem estou me programando para fazer o “Caminho francês”, que sai da França (Pirineus) e atravessa toda a Espanha até Santiago de Compostela. Mas isto é assunto para outro momento, vamos à receita…

Coquilles Saint-Jacques

Ingredientes (4 porções):

  • 24 vieiras (se estiver muito pequena seria melhor aumentar a quantidade)
  • 125g de champignon de Paris
  • 150g de manteiga
  • 1 ovo
  • 1 copo de vinho branco seco (200ml)
  • 1 colher sopa de farinha de trigo
  • 1 bouquet garni (alho poró, tomilho, alecrim, louro, amarradas com um barbante formado um “bouquet”)
  • 1 cebola
  • 200g de creme de leite fresco
  • sal, pimenta do reino, sal grosso, farinha de rosca

Modo de preparo:

Preparar um “court-bouillon” (é um caldo feito com alguns condimentos a que se adiciona vinho ou vinagre, para depois cozinhar peixe ou mariscos) com 2 copos de água, o bouquet garni , a cebola fatiada, sal grosso e pimenta. Assim que começar a ferver, colocar o vinho. Quando levantar fervura outra vez, cozinhar as vieiras por 3min.

Retirar com uma escumadeira as vieiras e reservar, depois deixar reduzir o court-bouillon por 5 a 7min em fogo médio.

Durante esse tempo, limpar e fatiar os champignons (não é para lavá-los com água! passe uma escovinha ou papel para retirar alguma areia que esteja no cogumelo).  Saltear em 30g de manteiga. Juntar as vieiras cortadas ao meio. Refogar alguns instantes, botar sal e pimenta, desligar o fogo e reservar.

Numa panela, derreter 50g de manteiga e colocar farinha. Mexer bem com colher de pau antes de acrescentar o court-bouillon previamente peneirado. Em fogo baixo, deixar cozinhar até obter um molho untuoso, cremoso. Bater em separado uma gema com creme de leite fresco. Fora do fogo, incorporar ao molho.

Guarnecer pequenos ramequins individuais com as vieiras e champignons (eu usei coquilles mesmo, comprados por minha irmã em Santiago de Compostela, mas nunca vi pra vender aqui no Brasil). Cobrir com um pouco do molho, colocar por cima um pouco de farinha de rosca. Espalhar um pouco de manteiga derretida.

Gratinar por 10min (ou até dourar)  em forno quente, 220°.

Dica fundamental para quem for usar as coquilles como recipiente: Eu fiz um purê de batata comum, na verdade, cozinhei as batatas e depois passei no espremedor. Virou uma massa grossa, que foi a minha salvação para equilibrar as coquilles na assadeira. E depois, para servir num prato aos comensais, tive que usar o mesmo purê, para que elas não ficassem bambas. Ficou perfeito.

Servi as coquilles com um vinho rosé bem gelado. O prato principal com vinho tinto, uva Cabernet Sauvignon, e de sobremesa um vinho chileno “colheita tardia” da vinícola Tarapacá. Só esqueci de fotografar os vinhos… 😦

Olhem a felicidade estampada no nosso rosto após o jantar 😀 😀 😀

E adivinhem só!!!!!! Ganhei de presente as coquilles!!!! Minha irmã que fez aniversário e eu que fui a maior presenteada!!!! Fora as novas amizades que fiz, os momentos de alegria e confraternização. Foi o máximo!

E que venha o próximo jantar em julho do ano que vem, já combinamos, será tipicamente Pernambucano 😀 Vou começar a treinar desde já \o/ \o/ \o/.

 

Brasserie Le Nord – Lyon, França

OiêêêêÊ!!! De volta ao blog!! Desculpem a ausência, mas foi por um bom motivo. Estive na França e em Portugal, ao todo 5 semanas, sendo que 3 delas foram dedicadas ao estudo do francês. Eu e meu marido já havíamos feito alguns anos de Aliança Francesa e mais um tempo de aulas particulares, então achamos que estava na hora de fazermos um teste de sobrevivência “in loco”, ou seja, o plano seria passar um tempo na França, se possível entrar num curso de conversação e vivermos um pouco o dia-a-dia dos franceses, imergindo em sua cultura, língua, clima, etc. Foi o que fizemos 🙂 . E valeu muito a pena! Escolhi Lyon por esta cidade ter um viés gastronômico. Minha ideia era aproveitar minha estada lá e fazer algum curso de culinária e obviamente, aproveitar das infinitas opções de restaurantes maravilhosos da cidade. Foi a escolha certa, hehehe.

Este post de hoje é pra falar do restaurante “Brasserie Le Nord“, o único que conheci que pertencia ao grande Chef Paul Bocuse, considerado o “papa” da cozinha francesa, um dos criadores do movimento denominado “nouvelle cuisine“. Infelizmente, ele morreu em janeiro deste ano, aos 91, e não tive oportunidade de conhecê-lo pessoalmente 😦 . De qualquer forma, seria muito difícil conseguir ter acesso a ele. Seu restaurante mais tradicional e antigo é o “Auberge du Pont de Collonges” que ostenta 3 estrelas no Guia Michelin desde 1965. Não deu pra gente ir lá… além de muito caro era um pouco distante do centro da cidade. Por isso mesmo escolhi uma de suas Brasseries (são 4 no centro de Lyon, fora outros restaurantes) que possuem preços mais acessíveis. A Le Nord foi a primeira Brasserie aberta por Bocuse, em 1994. Seu cardápio é baseado em clássicos da gastronomia “lyonnaise”.

Fomos na hora do almoço, não estava lotado, chegamos relativamente cedo, dia de semana. Ambiente tradicionalíssimo de bistrô. Na entrada, um terraço charmoso, e dentro, um balcão belíssimo e mesas distribuídas por um salão não muito grande, mas elegante (um lindo vitral dava um colorido ao ambiente). Uma moça simpática veio nos atender, pedi uma cerveja imediatamente. Decidimos encarar o menu do dia (“menu du jour”) proposto por eles. Na verdade eles oferecem 2 ou mais opções diferentes e você escolhe entre elas a que mais lhe apetece. Pedimos um menu de 3 pratos (“formule 3 plats”): entrada (entrée), prato principal (plat du jour) e sobremesa (dessert).

Eu e meu marido optamos pela mesma entrada: “Saucisson chaud pistaché en brioche“, que é uma especialidade “lyonnaise”. Nada mais é que uma fatia grande de brioche (tipo de pão) recheado com uma espécie de salsichão que leva pistaches em sua composição. Acompanhado de uma salada verde simples. Não achamos nada demais. Meu marido até achou ruim. Eu não achei ruim, mas realmente foi um pouco frustrante, o prato é seco, diferente da ideia que temos de pratos franceses, sempre bem “molhados”, rsrs. Vinho da casa pra acompanhar…

Nossa escolha de prato principal também foi a mesma e dessa vez ambos adoramos: “Échine de cochon fermier rôtie à la broche“. Uma parte do lombo de porco (oriundo de fazenda) assado, acompanhado de purê de batatas e de “piperade de poivrons doux” uma espécie de “ratatouille” agridoce, feita com pimentões vermelhos. Achei delicioso!! O porco era inacreditavelmente macio, a consistência era bem diferente da que conhecemos dos porcos daqui, normalmente mais seca e fibrosa. A que comi lá parecia um filé mignon, mais macio ainda… incrível.

De sobremesa pedimos coisas diferentes, mas depois fiquei morrendo de inveja da dele, hahaha. Não que a minha estivesse ruim, mas a dele estava genial. A minha foi um “clafoutis aux cerises“, tipo um bolo baixinho, com cerejas (também especialidade da região). Cláudio pediu uma “délice de fromage blanc, compote e coulis de framboises“, tipo um pudim, ou flan, de queijo, com uma calda de framboesas, uma maravilha dos deuses!!!

Nossa conta total foi de 77 euros, condizente com a qualidade dos pratos, dos ingredientes, do atendimento super atencioso e do ambiente acolhedor. Uma foto do Bocuse e uma frase dele na parede me chamaram atenção na saída. Mesmo ele não estando mais ali, pude sentir através de suas palavras, o quão importante era para ele (e sei que é também para todos os franceses) o momento de sentar-se à mesa, com amigos, com família, para compartilhar uma boa refeição. Aaaahhh…. a França…. curto demais… perdoem-me os que torcem pelos croatas, mas não vou negar que estarei do lado dos “les bleus” no próximo domingo! \o/ \o/ \o/

“Na mesa com os amigos o tempo não conta” – Paul Bocuse

 

Pão de malte de cevada

Recebi na semana passada uma mensagem de whatsapp de um colega de trabalho: “Oi Luciana, fiz cerveja. Quer malte?”. Ele perguntou já prevendo a minha resposta: “Queroooooo 😀 😀 😀 “. Ter amigo cervejeiro é um privilégio, ne c’est pas?! E ele tem uma amiga “Chef” como ele costuma dizer. Mas essa história toda começou há muito tempo atrás:

Um belo dia ele me trouxe um pote de sorvete (mas sem sorvete, para minha surpresa e felicidade) cheio de bagaço de malte de cevada usada para a fabricação de sua cerveja. Ele me disse que sua mulher fazia pão com aquele bagaço, mas sobrava tanto que ele resolveu me dar um pouco para eu experimentar fazer pão também. A primeira receita que fiz foi a dele, ou melhor, da mulher dele, ou melhor, de um site de algum cervejeiro que ela havia encontrado na internet. Ficou muito legal o pão, mas achei meio pesado… Depois eu esqueci esse assunto, malte não é algo que a gente passe ali na padaria e compre né?… Mas na semana passada voltei a ser premiada com outro pote de sorvete cheio de bagaço do malte de cevada. Que mara!!!

Busquei outra receita na internet. Elegi uma que me pareceu bem legal. Fiz, pra variar, minhas pequenas alterações, mas se vocês quiserem conferir a original, acesse este link.

Deu suuuuuper certo e fiquei orgulhosa de meu pão. Fazer pão é algo que requer paciência e dedicação, além de um pouco de técnica e de um bom forno, rsrsrs. Segue a receita abaixo:

Pão de Malte de Cevada

Ingredientes:

  • 1kg de farinha de trigo
  • 500g de bagaço do malte de cevada
  • 1 colher sopa de sal
  • 2 colheres sopa de açúcar
  • 1 colher sopa de açúcar mascavo
  • 60g de manteiga
  • 250ml de leite morno
  • 2 ovos inteiros
  • 30g de fermento biológico fresco (usei fleischmann)
  • 1 ovo (opcional) para pincelar os pães antes de assá-los

Modo de preparo:

Primeiro fiz o seguinte: pesei todos os ingredientes que precisavam ser pesados e separei cada um.

Passei o malte de cevada num processador, mas não bati por muito tempo, para não virar uma pasta. Bati rapidamente, para diminuir os grãos. Botei numa bacia. Acrescentei o sal e os açúcares, misturei.

À parte, dissolvi o fermento em metade do leite morno e uma colher de chá de açúcar. Depois acrescentei tudo (fermento e leite) à mistura, além da manteiga. Os dois ovos, quebrei num pequeno pote, bati primeiro, depois juntei à massa. Misturei tudo muito bem. Por último acrescentei a farinha e comecei incorporando com ajuda de uma colher de pau (na verdade de silicone).

Trabalhei bastante a massa, hehehehe. Dei murro, joguei várias vezes com força dentro da bacia, sovei bastante, amassei, amassei e amassei. Depois fiz uma bola meio oval, cobri com um pano seco e limpo e coloquei a bacia dentro do forno (desligado!).

Deixei descansando lá por uma hora, exatamente. Ela havia crescido bastante.

Em uma fôrma de pão e em outra assadeira, pincelei um pouco de óleo. Peguei a massa, dividi mais ou menos em 4 partes, trabalhei novamente com as mãos, de forma mais delicada. Apenas amassei um pouco e modelei. Coloquei os pães nas fôrmas.

Esperei mais uns 30 min. A massa praticamente dobrou de tamanho!

Liguei o forno e deixei esquentar bem (220°). Nesse meio tempo, aproveitei para quebrar um ovo, bater levemente e pincelar os pães.

Deixei-os por 26 min no forno, ficaram bem dourados e a massa bem fofinha. O ideal é deixá-los esfriarem um pouquinho, se possível, fora da fôrma, em local ventilado.

Depois é só partir pro abraço!!

A única dificuldade que vocês terão para fazer a receita será arrumar um amigo cervejeiro que divida o bagaço da cevada com vocês!!! Vi também na internet que tem gente que vende, vai que rola! Tem também a possibilidade de vocês substituírem o malte da cevada por algum outro cereal, como por exemplo a aveia… Se não, o jeito vai ser comprar uma cervejeira, adquirir o malte, fazer a cerveja, retirar o bagaço, para então poder fazer o pão, e depois consumi-los ao mesmo tempo, que tal?! 😉

 

 

Risoto de camarão com nirá e açafrão-da-terra

Eu e minha mania de risotos 😀 😀 😀 . E de camarão, pra variar!! Mas é que é tãããão gostoso, tão prático, tão democrático, tão bonito, que não tem como dar errado, não tem como alguém não gostar!! A não ser que seja alguém alérgico a camarões… Aí é só substituir por tirinhas de frango 😀

Recebi alguns amigos no sábado e aí foi aquela coisa meio improvisada outra vez. O que é que eu tinha no freezer dando sopa?!! Camarão. E melhor: já descascado, e com as casquinhas reservadas, pra fazer o caldo. Este é o pulo do gato em matéria de risotos: o caldo. O ideal é que você o prepare em casa.

O açafrão que utilizei na receita é o “açafrão-da-terra“, também conhecido por cúrcuma (não é o açafrão utilizado na “paella”, que é extraído dos estigmas de flores). Trata-se de um pó amarelo, proveniente da raiz de uma planta da família do gengibre. Ele confere uma linda cor amarela aos pratos. É comum na culinária indiana. Pode ser usado em caldos, maioneses, sopas, peixes cozidos, feijões e ensopados de um modo geral. Estudos indicam que ele traz benefícios à saúde, principalmente no combate ao câncer e ao mal de Alzheimer. Tem poder anti-inflamatório. Maravilha então, podemos unir o útil ao agradável!!

Açafrão-da-terra ou cúrcuma (foto da Wikipédia)

Então vamos à receita improvisada que deu bem para 5 pessoas:

Risoto de Camarão com Nirá e Açafrão

Ingredientes:

  • 1,2 kg de camarão médio
  • 4 dentes de alho
  • sal e pimenta do reino a gosto
  • azeite para fritar os camarões
  • cascas dos camarões
  • 1 cenoura pequena
  • 2 cebolas
  • 1 folha de louro
  • 1 alho poró
  • 350g arroz arbóreo (próprio para risoto do tipo “italiano”)
  • 1 xícara de vinho branco seco
  • 1 colher sopa cheia de açafrão-da-terra (cúrcuma)
  • 1 maço de nirá (também chamado de alho japonês)
  • 2 colheres sopa de queijo parmesão
  • 100g de creme de leite
  • 50g de manteiga gelada

Modo de preparo:

Descascar e limpar os camarões. Depois temperar com dois dentes de alho amassados, sal e pimenta do reino a gosto. Reservar.

Em uma panela, colocar as cascas dos camarões, a cenoura fatiada, 1 cebola fatiada, o louro e folhas do alho poró picadas (parte mais verde). Se você quiser, pode acrescentar alguma erva aromática, como alecrim fresco, tomilho… Acrescentar bastante água (em torno de 1 litro) e deixa fervendo em fogo baixo por uns 30 min, para apurar o caldo. Coar e reservar.

Numa frigideira grande com azeite, grelhe rapidamente os camarões, deixe-os levemente dourados. Reserve.

Picar 1 cebola e 2 dentes de alho (finamente) para o arroz. Picar também o nirá, em pedaços de uns 2 ou 3 cm.

Numa panela funda (melhor que seja de fundo triplo) colocar azeite. Fritar primeiro o alho, deixando-o dourado e depois acrescentar a cebola. Refogar um pouco e depois incluir o arroz. Refogar mais um pouco e acrescentar o vinho branco.

Mexer até secar o vinho, depois juntar o nirá e o restante do alho poró em pequenas rodelas (parte mais branca, do caule). Misturar um pouco e começar a acrescentar aos poucos, com ajuda de uma concha, o caldo de camarão, que deve estar bem quente (deixar em fogo bem baixinho para manter a temperatura até o fim do cozimento do arroz). Neste momento, acrescentar também o açafrão.

Na metade do cozimento do arroz, juntar os camarões, raspando a frigideira, para entrar o caldo (e alho) que restou de sua fritura. Mexer com delicadeza e continuar acrescentando o caldo. De vez em quando experimente, para não deixar o arroz cozinhar demais, ele deve ficar al dente (levemente durinho).

Acrescentar o creme de leite e o queijo parmesão ralado quando estiver praticamente pronto. Misturar bem, colocar mais um pouquinho de caldo, deixar o arroz úmido e cremoso.

Ao desligar o fogo, acrescentar a manteiga e mexer delicadamente. Ele ficará num tom dourado e brilhoso.

Sirva imediatamente. Disponibilize na mesa um bom azeite, parmesão ralado e pimenta do reino.

Para harmonizar, seria excelente um vinho branco gelado, encorpado, de repente um bom Chardonnay. Eu adoro vinho verde também, neste dia estava tomando um Casal Garcia. Mas vinho é pessoal, cada um tem um gosto, portanto, combine com o que você preferir!

Ah! E se você é como eu e também adora nirá, segue outra receita que fiz recentemente com este ingrediente: Macarrão bifum com camarão e nirá.

 

 

 

 

 

 

Chapada dos Veadeiros (GO) e a “matula”

Jardim de Maytreia – Cartão postal da Chapada dos Veadeiros

Conhecem a Chapada dos Veadeiros?!!! Fiquei absolutamente apaixonada. Um paraíso para os amantes da natureza. Mas principalmente para aqueles que têm muita disposição e preparo físico, pois normalmente você precisa acordar cedo e saber que os acessos às melhores atrações não são fáceis e vão requerer uma certa resistência física. Ou seja, é a minha cara, hahaha. Nada como caminhar o dia inteiro com apenas água na mochila e alguns lanchinhos leves, ir à exaustão subindo, descendo trilhas, pedras, riachos e tomando banho de cachoeira, depois ficar louca de sede e fome e tomar uma cerveja estupidamente gelada e devorar um prato de comida como faria um tropeiro do século XVII depois de horas de viagem em cima de uma mula. Aaaaaaahhh, gente, a sensação é indescritível… alguém se identifica?!! 😀

Uma das Cachoeiras de “Loquinhas” – Alto Paraíso de Goiás

Havíamos pensado em ir à Chapada dos Veadeiros há muitas anos atrás, mas era aquela coisa de ficar adiando, adiando, adiando. Terminamos nos decidindo agora no último feriadão da semana santa.

Antes de viajarmos, lemos muitos blogs e guias de turismo para melhor escolhermos as nossas aventuras. Todas foram maravilhosas, umas mais marcantes que outras, mas tudo foi verdadeiramente surpreendente. Primeiro decidimos qual a Pousada que ficaríamos, e não nos arrependemos de jeito nenhum. Pousada Por do Sol, localizada na Vila de São Jorge, que fica na porta de entrada do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, foi bem estratégica e confortável pra gente. A maioria das pessoas opta por se hospedar em Alto Paraíso de Goiás, que é maior e tem mais infraestrutura. Eu preferi a vila mais rústica e calma de São Jorge.

Vale da Lua – atração imperdível próxima a São Jorge

Apenas para vocês terem uma ideia, pois não quero me estender em detalhes da nossa programação, tivemos 5 dias livres e mais a metade do 6º dia, que correspondeu ao período do domingo até a sexta-feira santa, quando então pegaríamos a estrada de volta pra Brasília e depois avião de volta para o Rio. Abaixo, nosso roteiro básico:

1º dia – Trilha dos Saltos do Rio Preto – dentro do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros – 11km ida e volta, com duas cachoeiras belíssimas (120m e 80m) e uma corredeira.

2º dia – Trilha do Mirante da Janela – por fora do Parque, mas com visual das Cachoeiras do Rio Preto – (8km ida e volta, com Cachoeira do Abismo e Mirante da Janela, que oferece vista espetacular das Cachoeiras do Rio Preto).

3º dia – Cachoeira Loquinhas (uma sequência lindíssima de poços e cachoeiras cristalinas, de fácil acesso) e Fazenda São Bento (trilha não muito longa para as Cachoeiras Almécegas I, Almécegas II e São Bento)

Acima – Loquinhas; abaixo: Almécegas I e Almécegas II

4º dia – Cachoeira Santa Bárbara (considerada a cachoeira mais bonita da região (e realmente é imperdível), requer longa viagem à Cavalcante e depois 27 km de estrada de terra, horrível por sinal) e Cachoeira da Capivara.

As duas primeiras fotos – Cachoeira Santa Bárbara; e a última – Capivara

Cachoeira Santa Bárbara e suas águas convidativas

5º dia – Vale da Lua (um lugar exótico, encantador, com banho ótimo e de fácil acesso) Fazenda Raizama (dois lugares pra banho, com cachoeira, muito tranquilos) e Águas Termais do Morro Vermelho (perfeito para descansar no final do dia, em água quentinha de 28 graus).

As duas primeiras fotos – Vale da Lua; e a última – Raizama

Fazenda Morada do Sol (nosso último passeio, com direito a cânion, cachoeira e um ótimo poço para banho).

Mas eu comecei todo esse post aqui porque queria falar da “matula“. O dicionário Aurélio on line traz o significado de “alforje pra viagem; farnel”. A “matula” nasceu com os tropeiros, que adentravam terras brasileiras, lá nos idos dos séculos XVII e XVIII levando suas mulas guarnecidas de alimentos para comercializar, nas regiões do Sul e Sudeste. Ela era a alimentação principal do tropeiro, que consistia normalmente em feijão ou tutu de feijão, temperado com açafrão, e mais: arroz, abóbora, linguiça, “carne de lata” ou carne de sol, aipim (macaxeira), farinha de mandioca…

Eu havia lido num blog que quem fosse ao interior de Goiás, precisava conhecer a “matula” que até hoje é preparada em vários lugares (lares e restaurantes), preservando a história da gastronomia daquela região. Na Chapada dos Veadeiros, depois de algumas pesquisas, descobri que a matula mais famosa é do Rancho do Waldomiro. Encaixei no meu roteiro, claro. No dia em que fomos à Cachoeira Loquinhas e Fazenda São Bento, aproveitamos para visitar o Rancho, pois fica perto de lá, já no caminho para São Jorge. Chegamos ao restaurante no final da tarde e tudo que eu mais desejava era “um prato de comida” (meu chefe usa essas palavras quando a fome aperta muito e o atendente do delivery pergunta ao telefone: – o que o senhor vai querer hoje?! rsrs).

O Rancho do Waldomiro não fica longe da Fazenda São Bento. São 9,5 km sentido Vila de São Jorge. É uma espécie de  cabana, com teto de palha, com camping ao lado. Estava vazio quando chegamos, até pensei que estava fechado. Uma moça muuuito simpática nos recebeu, ofereceu uma cachaça local, rsrs. Depois vi que é especialidade deles lá, muitos sabores diferentes. Uma pena que eu e Cláudio não sejamos adeptos de uma cachacinha…

Pedimos a matula sem nem olhar o cardápio. A mocinha só nos explicou que poderia ser servida num “prato feito”, ou em porções, com cada ingrediente separadinho. Pedimos 2 pratos feitos. Afinal, tropeiro não comia tudo arrumadinho em porções, comia tudo junto num prato só, nééé?!!

Não sei se foi a fome que estávamos, mas o prato estava delicioso!! O tutu com açafrão era tudo de bom. A “carne de lata” estava divina. Fiquei perguntando como faziam aquilo. Ela me falou que era uma forma antiga de preservar a carne: primeiro ela é cozida, depois frita e acondicionada em latas, em sua própria gordura, para conservação. Uma iguaria. Pode até engordar, mas que é boa é viu… Vieram ainda no prato: macaxeira frita, abóbora, farofa com carne seca (paçoca), arroz, tomate…

“Matula” – prato típico dos antigos tropeiros

Depois ela me ofereceu um docinho caseiro de abacaxi em calda, delicioso. Disse que “não custava nada não”. Fofa ela… Mas fiz questão de pagar 5 reais pelo doce.

Abaixo, algumas flores que encontrei ao longo das trilhas. São muito variadas e exóticas. E no próximo post, tem mais sobre a Chapada dos Veadeiros!

Flores do Cerrado – Chapada dos Veadeiros