Arquivos

Região do Beaujolais – França

Região próxima a Oingt

No nosso primeiro final de semana em Lyon, decidimos alugar um carro e explorar a região vinícola da Borgonha, mais especificamente na área mais ao sul, onde são produzidos os famosos vinhos Beaujolais (feitos com a uva Gamay). O plano era subir o Rio Saône até próximo à Mâcon, onde pernoitaríamos em um mini “château”, comandado por um casal, onde ela é a Chef de cozinha e ele faz o papel de anfitrião e cuida da propriedade. Foi um final de semana realmente memorável, que conto agora.

No sábado logo cedo, alugamos um carro na Sixt, dentro da Gare Part-Dieu (a estação de trem de Lyon). Pegamos inicialmente uma estrada principal, mas assim que nos aproximamos das vinícolas, escolhemos as estradas secundárias, beeeeem secundárias mesmo, rsrs, a ponto de quase nos perdermos algumas vezes. Primeira parada foi na cidade graciosíssima de Oingt (difícil foi saber como pronunciar esse nome, pois nem mesmo os franceses se entenderam, hahaha). Vilinha medieval e extremamente bem conservada. Está entre as mais belas aldeias da França. Se situa no alto de uma colina, numa região rodeada de montanhas e plantações de uva. Super fotogênica.

Oingt – a vila estava deserta

Oingt de vários ângulos

Parreiras aos pés de Oingt

Depois seguimos até Villefranche-sur-Saône, muito maior que a primeira, porém menos graciosa. Andamos toda a rua principal, abarrotada de lojas, bares e restaurantes. Quando bateu a fome, elegemos a Brasserie La Chapelle, que achei simpática. O prédio era bonitinho, o ambiente aconchegante. A comida foi bem honesta, a garçonete um amor (eficiente e simpática). Escolhemos o “menu du jour”: bife (contra-filé, tava macio) com fritas e salada e sobremesa a sua escolha. A minha foi uma espécie de “pavê” de morangos, em taça, com biscoito, creme e chantilly. Chamava-se “Frisier”. Cláudio preferiu o clássico “crème brulée”. Ambas estavam ótimas. Tomei chopp Leff (ótimo!) e vinho Beaujolais Village. Conta honesta de 42 euros.

Villefranche-sur-Saône

Brasserie la Chapelle

A partir daí passamos em várias pequenas vilas de produção de vinhos, tais como: Vaux-en-Beaujolais, Beaujeau, Lantignié, Morgon e Villié-Morgon, Chiroubles, Fleurie. Nestas duas últimas, paramos para degustar vinhos. Em Chiroubles não curtimos muito, experimentamos um espumante e dois tintos diferentes. Seguimos então até Fleurie. Fizemos uma degustação maravilhosa com 7 vinhos diferentes! Inicialmente subimos uma montanha até uma pequena igreja de onde se tinha uma linda vista da pequena vila. Na descida, entramos na vinícola chamada Domaine de La Madone, e um rapaz muito simpático nos convenceu a degustar todos esses vinhos. Terminamos comprando uma garrafa do vinho que achamos mais saboroso, por 12 euros.

Fleurie

Passamos depois pelo Château de Corcelles, mas só tiramos fotos do lado de fora, muito bonito, rodeado de parreirais. Pelo que pudemos ver, ele realiza eventos no local, tipo casamentos e festas.

Château de Corcelles

Por fim chegamos em nossa pousada, “Les Clos de Flacé“. Muito queridos os proprietários. Ficaram felizes de saber que éramos brasileiros. Eles já tinham vindo ao Brasil e haviam adorado. O quarto que nos deram era ótimo, com duas camas de casal e um banheiro com varanda (uma novidade pra mim, rsrsrs). Tudo arrumadinho e de bom gosto. Pegamos com eles uma dica de supermercado próximo (um Carrefour fantástico) e trouxemos para o hotel o nosso “jantar”, pois não havíamos avisado antes e o hotel já estava com um jantar reservado para outros hóspedes que estavam lá aquela noite. Fizemos nossa refeição no jardim da pousada, com um gatinho de olhar pidão nos fazendo companhia. Consistiu em baguete, queijo local Saint Marcellin (muito bom!!) e “bloc de foie gras”. Para nós, tudo divino. Tomamos o vinho que havíamos comprado na vinícola de Fleurie.

Les Clos de Flacé – estada deliciosa

Dia seguinte (domingo) seguimos cedo primeiramente para conhecer as ruínas de uma antiga abadia: Abbaye de Cluny. Sugestão do nosso casal anfitrião. Valeu a pena, mas o que resta da Abadia é muito pouco, ficamos um pouquinho frustrados. Ela foi praticamente toda destruída. Ainda demos uma pequena caminhada pelo centrinho da cidade e até comprei uma faca do tipo canivete da Opinel, uma marca tradicional de cutelaria francesa. Ela foi super útil pra mim em Lyon, pois as facas que tinham em nosso apartamento não eram lá muito católicas…

Abbaye de Cluny

Centrinho de Cluny

Seguimos então para Bourg-en-Bresse, que eu queria de todo jeito almoçar, por causa da sua tão falada “Poulet de Bresse“, uma galinha especialíssima, com selo AOC (Appellation d’Origine Contrôlée), do tipo caipira (ou capoeira), ou seja, criada solta, livre de hormônios e etc. Pelas informações que li, elas só comem minhoca e … leite!!!! 😀 😀 😀

Difícil foi conseguir uma vaga em algum restaurante, pois estavam todos lotados. Depois descobrimos que eles estavam comemorando o dia das mães naquele domingo (era o último do mês de maio). Felizmente encontramos uma mesa no Restaurante L’Abbaye, em frente a uma linda Abadia, ou Monastério. Sentamos na área externa do restaurante, um grande jardim super arborizado. Ficamos embaixo das copas das árvores, que estavam verdíssimas. Deu um clima legal. Pedimos então o afamado “Poulet de Bresse” que acompanha batatas fritas e salada básica. Eu particularmente achei muuuito bom! A carne da galinha era super macia mesmo, eu diria cremosa, se desmanchava na boca. Nunca comi igual. Ela vem até com um selo em metal, pra que o cliente tenha certeza de que é verdadeira. Existe um controle muito grande dos produtores que são autorizados a produzi-las e comercializá-las. Eles têm que seguir regras rígidas. O mesmo que acontece com os vinhos DOC (Denominação de Origem Controlada) em Portugal.

Monastério em Bourg-en-Bresse e a Poulet de Bresse

Por fim, fomos à Perouges. Uma pérola medieval que fica a apenas 40km de Lyon. O único porém é justamente o fato dela ser muito turística, visto sua proximidade com Lyon. Obviamente que é imperdível, como são tantas outras pequenas vilas altamente turísticas da Europa, a exemplo de Óbidos em Portugal, Bruges na Bélgica ou Siena na Itália. Todas são maravilhosas. Pérouges é bem pequena e preservada. Suas ruas são de pedra, carros não entram. Muito fotogênica. Existem lá famosas “galettes” que não são os crepes de trigo sarraceno, mas uma espécie de pizza. Tem doce e salgada. Pedi a “galette pralinée” pra experimentar, feita com um creme de amêndoas cor-de-rosa (depois vou falar em detalhes desse creme, que foi uma doce e incrível descoberta que fiz em Lyon, muito melhor que esta que comi aqui em Pérouges).

Pérouges – vila medieval a 40km de Lyon

Pracinha central em Pérouges

Voltamos para “nossa casa” exaustos, após largarmos o carro na Gare. Dia seguinte era dia de branco, tínhamos que dormir cedo. Dia de branco na França é très chic não?! hehehe. Em breve tem mais!!! Au revoir!!!

 

 

Anúncios

Lyon – França – Parte 2

Cada dia em Lyon era uma nova descoberta. Íamos descortinando a cidade aos poucos, já que tínhamos 3 semanas inteiras para degustar. Cada dia uma rua diferente, um restaurante novo na hora do almoço, um mercado diferente para fazer compras. Assistíamos aula pela manhã e à tarde no Inflexyon, curso ao qual nos matriculamos e que oferecia um sistema de aulas de conversação bem interessante, permitindo uma intensa troca cultural. Em nossa turma, havia alunos oriundos dos quatro cantos do mundo (Finlândia, Taiwan, China, Japão, EUA, Colômbia, Omã, Brasil, entre outros). Era extremamente rico e divertido debater alguns assuntos polêmicos com todas aquelas pessoas!!!

Vista do rio Rhône do alto da Pont Morand, em Lyon

Ao final da aula, em nosso quarto dia na cidade, resolvemos dar uma esticada até o “Parc de La Tête d’Or” (Parque da Cabeça de Ouro), o maior parque urbano da França. Constitui uma área imensa (117 hectares) muito arborizada, com lagos cheios de patinhos, um zoo, estufas com plantas exóticas, velódromo, cafés, etc. Excelente para praticar esportes, com muitas alternativas de pistas, justamente o que queríamos para nossa corrida matinal 😀

Parc de la Tête d’Or – Lyon

Próximo ao nosso apartamento, na rua de trás (Rue du Sergent Blandan), havíamos descoberto por acaso um restaurante tailandês, o Bangkok Royal e fiquei com água na boca. Lembrei da minha viagem à Tailândia e os diversos pratos deliciosos que tive oportunidade de conhecer. Fiz vários posts aqui sobre essa viagem à Ásia, vocês podem dar uma explorada aqui.

Resolvemos jantar lá neste dia, ao sairmos do parque. Foi maravilhoso. Talvez a melhor comida que eu tenha comido em toda a minha estada em Lyon… por incrível que possa parecer. É até uma heresia. Mas enfim…

Cartão de visita do Restaurante Bangkok Royal

De entrada pedimos um camarão empanado, com massa super leve e crocante de arroz (Kung Tod). O molho que acompanhava era ótimo, com gengibre, visualmente parecido com um que aprendi a fazer em uma aula de gastronomia no Vietnã. Veja receita que postei aqui. Nosso prato principal foi um pato, cozido e grelhado, com molho apimentado (Ped Pad Nam) e folhas de manjericão. Muuuuito bom mesmo!! Pedimos uma taça de vinho tinto (servido em temperatura ambiente, achei que poderia estar mais resfriado). Pagamos felizes apenas 38 euros (mais ou menos R$ 183,00 hoje).

Restaurante Bangkok Royal em Lyon

No dia seguinte, depois das aulas, fomos visitar o “Les Halles de Lyon – Paul Bocuse“, do outro lado do Rio Rhône, mercado incrível de produtos frescos e artesanais da região. Há embutidos, pães, frutas e legumes, peixarias, açougues, temperos, vinhos, etc. É um mercado fino, fechado e climatizado. Há restaurantes e lanchonetes também. São ao todo 48 boxes. Qualquer pessoa que tenha interesse em gastronomia não deve deixar de visitá-lo. Lá você encontra tudo o que tem de melhor na região (pena que é tudo tão caro, rsrsrs).

Les Halles de Lyon – Paul Bocuse

Se quiserem uma dica de um bom restaurante em Lyon, já escrevi uma crítica aqui, vejam no link Brasserie Le Nord.

Em breve tem mais de Lyon!!

Lyon – França – Parte 1

Place des Terreaux – Lyon (Prédio da Prefeitura)

No ano passado, eu e meu marido decidimos que neste ano de 2018 faríamos um curso de conversação na França. Estávamos no nível B2.2 de francês da Aliança Francesa no segundo semestre de 2017, mas não chegamos a terminá-lo. Preferimos contratar uma professora particular e começamos a priorizar a parte mais difícil do aprendizado de uma nova língua: falar. Claro que já tínhamos uma boa noção. Os anos na Aliança nos deram uma base bem sólida. E a partir de então alimentamos essa ideia de escolher uma cidade na França para estudarmos. Excluímos Paris de cara, pois além de já conhecermos bastante, seria uma opção muito cara. Somado a isso, tenho grande atração por cidades do interior. Então comecei a considerar a cidade de Lyon.

Place Bellecour – No coração de Lyon

Terminamos decidindo mesmo estudar em Lyon, devido também à grande ligação dessa cidade com a gastronomia. Há grandes restaurantes, grandes Chefs, mas principalmente, ótimas escolas e cursos para quem quer aprender um pouco da culinária local e clássica. Eu poderia unir o útil ao agradável 😉 Vejam minha resenha sobre a Brasserie Le Nord, fundada pelo Chef Paul Bocuse, que tivemos o prazer de conhecer, em Lyon.

Chegamos à cidade num domingo ensolarado de maio, vindos de trem de Paris, e fomos direto para “nossa casa”, um apartamento que alugamos no Airbnb, na Rue de la Martinière, centro da cidade. Muito legal por sinal. Super bem localizado, a 600m de nosso curso, com mercados próximos, além de muitas opções de restaurantes, bares, padarias e comércio variado. Uma delícia! Foi a experiência mais próxima de “morar fora” que tive em minha vida. E a mais saborosa, literalmente. Ao lado do meu apartamento tinha um mercado de orgânicos, que cogumelos eram aqueles???!!!! Sempre frescos e apetitosos. Por este motivo, muitas vezes preferimos jantar em casa mesmo, pois cozinhar com ingredientes de primeira é sucesso garantido!!! Qualquer coisa que eu inventasse dava certo, fosse pelo clima europeu, pelo vinho nacional barato e maravilhoso, por estarmos de férias, enfim, por eu também ter algum talento, hehehe, cada experiência foi memorável.

Place des Jacobins – Lyon

Difícil contar aqui tudo o que vivemos em 3 semanas, serão necessários muitos posts. Mas vou escolher um pedacinho de Lyon de cada vez, contar o que eu lembrar, para que eu mesma nunca mais esqueça.

De manhã cedo, 3 vezes por semana, saíamos muito cedo para correr na beira do Rio Saône, um dos dois rios que cortam a cidade. O outro chama-se Rhône, que nasce nos Alpes Suíços, cruza a Suíça e vem se juntar ao Saône em Lyon. De suas margens nascem os emblemáticos vinhos “Côtes-du-Rhône“, muito bons. Depois o rio prossegue até o Mediterrâneo onde deságua.

Encontro dos Rios Rhône e Saône

Ciclovia e pista para corrida na margem do rio Rhône

A margem dos dois rios são fantásticas pra correr, protegidas por um muro alto, não dava pra ouvir o barulho dos carros que passavam. O rio é verde escuro e suficientemente transparente para se ver os peixes. Sempre tinha alguém pescando pela manhã. O Rhône é ainda mais transparente. Na outra margem do rio Saône, a cidade antiga, a “Vieux Lyon“, que nos dava ainda mais inspiração pra correr, com seu casario antigo e colorido que enchia nossos olhos e nosso imaginário. Terminávamos a corrida e íamos na “boulangerie” (padaria) da esquina e comprávamos uma baguete “cereales“, ainda morna, para comermos com manteiga (deliciosa, com cristais de sal), queijo brie ou camembert em nosso apartamento. Posso até sentir o sabor…

Beira do Rio Saône – Lyon – Onde corríamos de manhã cedo

Rio Saône – Vieux Lyon

No dia mesmo em que chegamos, fomos à Vieux Lyon, a parte mais antiga da cidade. Demos uma caminhada pela Rue Saint-Jean, a principal, cheia de lojas e restaurantes, com prédios antigos. Como sempre, a parte mais pitoresca e simpática de qualquer cidade europeia.

Vieux Lyon – Rue Saint-Jean

Estávamos famintos, procuramos um lugar que nos chamasse alguma atenção, mas vocês sabem, quando a gente tá com fome e com pressa, não sabemos tomar a melhor decisão. O restaurante chamava-se “Petit Glouton“, e arrisquei um carneiro grelhado. Cláudio, meu marido, preferiu um joelho de porco. Os bistrôs de Lyon (“Bouchons’) são famosos por sua comida caseira, porém nem um pouco light, 😛 . Não achamos nada de especial. As batatas vieram gratinadas, acompanhadas de tomates recheados e salada básica.

Joelho de porco e Cordeiro grelhado, no Petit Glouton

Nesse mesmo dia à noite, fizemos compras e improvisei um espaguete orgânico (feito com trigo, quinoa, alho e salsa), com um molho preparado com cogumelos frescos, brócolis, alho, cebola, azeite, manteiga (na França, é imprescindível, hoje não deixo de acrescentá-la em meus pratos), vinho branco e creme de leite fresco, que você encontra de infinitos tipos, com consistências diferentes. Uma maravilha. Cervejinha do lado pra inspirar, e depois um bom vinho francês pra acompanhar o prato!!! Chef Lu Hazin arregaçando as mangas 😆

Macarronada vegetariana improvisada

 

Tem mais de Lyon em breve!

 

Mont Saint-Michel

Ir ao Mont Saint-Michel sempre foi um dos meus maiores sonhos, apesar de que se eu for listar todos os lugares que sonho em conhecer… seria uma lista interminável. Mas o Mont tinha um valor especial pra mim, pois sempre achei-o mágico, não só por sua posição geográfica, mas também por sua curiosa geometria, que, de longe, parece um cone gigantesco. Isto sem falar de sua história, pois sou fascinada por construções antigas, da era medieval, tais como catedrais, abadias, muralhas, torres e castelos. Enfim, topei fazer esta viagem desde o princípio só por causa dele, do Mont…

O imponente Mont Saint-Michel

Como já falei no primeiro post sobre essa viagem, o Mont Saint-Michel é uma ilhota, e um monte também claro, onde foi construída uma abadia e santuário em homenagem ao Arcanjo São Miguel.

Essa história começa lá em 708, quando um bispo francês (de Avranches) mandou construir um santuário em honra a São Miguel, após ter sonhado com ele 3 vezes. Depois, já no século 10, monges beneditinos se instalaram por lá e foi quando, aos poucos, uma vila foi se formando na base do monte. Muitos peregrinos iam até lá, em busca de espiritualidade. No século 13 foi construída a muralha, que fortifica todo o monte. Resistiu a muitas guerras e tentativas de destruição. Depois da Revolução Francesa virou um presídio, até 1863. Hoje em dia é Patrimônio Mundial da Unesco (desde 1979). Imagine então, quanta história já se desenrolou dentro de suas muralhas…

Vistas das suas muralhas

Outra coisa interessantíssima em relação ao Mont é que ele era uma ilha conectada ao continente por um istmo, acessível apenas nas marés baixas. Com o tempo, as imensas planícies que ficavam alagadas em seu entorno, foram sendo transformadas em grandes pastagens e por isso hoje o Mont está mais próximo do continente. O rio que passa ali também foi canalizado de forma que diminuiu bastante a quantidade de água em torno da ilha. Hoje em dia há um passarela construída por sobre o seu istmo que permite que as águas passem por baixo e possibilitando acessar o Mont a qualquer hora do dia, mesmo nas marés altas. Ele recebe em torno de 3,5 milhões de visitantes por ano. Incrível não?! Há grandes estacionamentos e ônibus que levam os turistas até a porta do Mont. Quem quiser pode ir caminhando a partir do estacionamento (são 3km), ou de charrete.

Passarela que liga o Mont Saint-Michel ao continente e charrete que leva turistas

Enfim, saímos de Saint-Malo bem cedo para chegarmos cedo ao Mont Saint-Michel, queríamos aproveitar ao máximo. Levamos apenas 1 hora de carro. Adentramos suas muralhas ainda com relativamente poucos turistas, dava pra caminhar com facilidade pela vilinha que fica a seus pés. Fomos caminhando bem devagar, curtindo o momento, olhando as lojinhas e subindo, subindo, subindo…

Vila aos pés da Abadia do Mont Saint-Michel

Chegamos enfim aos pés da Abadia, onde há uma grande escadaria. Você então é levado a um grande salão de recepção, onde compramos ingressos (10 euros por pessoa). Há opção de aluguel de audio-guia. Veja todas as informações turísticas aqui.

Então continua-se subindo até o ponto mais alto, onde está a igreja, que fica no topo. Confesso que achei que a subida era mais “pesada”, achei tranquilíssima. No terraço em frente à igreja tem-se uma bela vista do entorno do Mont. Curioso observar grupos que caminhavam juntos nas areias ao redor da ilha (a maré estava vazia nesta hora, claro). Acredito que eram grupos guiados, pois pelo que soube, há trechos em que a areia é movediça…

Estava acontecendo uma missa na Igreja, assisti por alguns instantes, um coro de vozes belíssimo. Depois fomos descendo e conhecendo os salões da Abadia por dentro. O Claustro estava em reforma, infelizmente, pois pelo que vi em fotos na internet ele é bem bonito.

Depois do tour, estávamos todos famintos. Tentamos o La Mère Poulard, famoso restaurante em que são servidas omeletes do tipo “soufflée“, bem aeradas. Os ovos são batidos por muito tempo, até chegar no ponto certo. Diz-se que os comensais podem observar os cozinheiros batendo os ovos e que é interessante o barulho que eles fazem. Mas enfim, encontramos um outro restaurante, o La Vieille Auberge, que também servia omeletes (que segundo eles, era igualzinha a do La Mère), além de várias outras opções no cardápio. Ficamos num terraço externo e sofri um pouco com o frio, estava ventando. Mesmo assim pedi cerveja :).

Então, claro, que optei pela omelete soufflée, eu não ia deixar o Mont sem conhecê-la. Cláudio apostou nos “moules” (mexilhões) com fritas, já que estávamos à beira-mar. Achei minha omelete meio decepcionante… Ela era bem feitinha e tal, fofinha, por dentro o ovo não fica totalmente cozido, (sim, fica um pouco de ovo cru), mas não tem recheio nenhum, nem queijo, nem nada. Ou seja, é uma espuma macia e frita, com gosto de ovo, :|. Os mexilhões também não estavam fantásticos, já comemos melhores, mas tava melhor que minha omelete. Mas pelo menos as batatas fritas estavam saborosas!! E a cerveja super gelada!! Temos que ser justos, rsrsrs.

“Omelette soufflée” e “moules frites”

Depois voltamos a Saint-Malo e mais tarde, rodamos o centro histórico em busca de um restaurante. Encontramos uma “crêperie”, estávamos com frio e fome, resolvemos entrar logo para não perdermos tanto tempo rodando. Pedimos “galettes” (crepes feitos com trigo sarraceno) e mais uma vez, fiquei um pouco decepcionada… A de Paris estava infinitamente melhor. Esta estava engordurada demais (não sei porque tantas batatas de acompanhamento) a massa não estava tão crocante, a cebola crua e ácida… Enfim, achei-a grosseira. De qualquer forma curti o momento, tomamos vinho, relaxamos e voltamos felizes para o hotel.

Em falar em hotel, recomendo este de Saint-Malo! O La Villefromoy, a 2,5km do centro histórico, quarto muito confortável, café da manhã é pago por fora, você pode pedir no quarto, como fizemos, mas pode-se optar pelo buffet. O hotel fica a uma quadra da beira-mar (onde aproveitamos para dar uma corridinha, hehe).

Hotel Villefromoy em Saint Malo e beira-mar uma quadra adiante

No próximo post: Honfleur! Se você não está acompanhando a viagem desde o início, então acesse os posts: Férias à vista!, Paris, Château de BlavouDinan e Saint Malo.

E uma novidade!!! Estou viajando com meu marido pelo Canadá!! Ficaremos até dia 18/06, portanto até lá não farei publicações. Mas quando voltar, terei muitas dicas!! Aguardem!! Abaixo, mais uma foto do grupo com o Mont…

Dinan e Saint-Malo

Você já ouviu falar em Dinan?! Eu nunca tinha ouvido falar, até fazer esta viagem para a França. Depois do Château de Blavou, por sugestão de uma amiga francesa de meu primo, fomos conhecer Dinan, uma pequena cidade medieval, já nas proximidades de Saint-Malo, na região da Bretanha. Seria lá em Saint-malo, cidade beira-mar, que iríamos dormir duas noites.

Começamos nossa visita pelo Château de Dinan, na entrada sul da cidade, construído no final do século 16. Parte de sua muralha está bem preservada. Do terraço, no alto da torre, podemos tirar boas fotos da cidade.

Château de Dinan e vistas de sua muralha

Depois caminhamos pelo seu centrinho histórico, com casas antigas, algumas em estilo “enxaimel” (técnica de construção que utiliza hastes de madeira em posições variadas, e entre elas o espaço é preenchido por tijolos, pedras, etc). Fomos até o outro lado da cidade, onde mais uma parte da muralha que a rodeia está intacta. Fizemos lanche rápido na cidade, do tipo sanduíches de queijo, mas nem registrei…

Centro Histórico de Dinan, na Bretanha

Seguimos então para Saint-Malo, direto para nosso hotel onde deixamos nossas malas. Ele ficava a 2,5km do centro histórico, daí pegamos o carro outra vez e fomos apressados pra lá, antes que o sol desaparecesse. Subimos pela muralha e demos quase uma volta completa nela. Vistas lindas pro mar. Tem até umas prainhas convidativas, mas eu só conseguiria encarar se estivesse uns 30 graus a mais, hehehe.

Saint-Malo, centro histórico. Fotos tiradas de suas muralhas.

O centro histórico é bem legal, seus prédios são na maior parte lojas e restaurantes. No hotel haviam nos dado algumas sugestões de onde comer. Escolhemos um dos recomendados (o L’Absinthe) e fomos até lá. Já gostei da plaquinha em cima da porta com uma frase (que eu concordo plenamente!) do Alexandre Dumas:”Le vin est la partie intellectuelle d’un repas. Les viandes et les légumes n’en sont que la partie matérielle“. Tradução: “O vinho é a parte intelectual de uma refeição. As carnes e legumes são apenas a parte material”. 😉

Fachada do restaurante L’Absinthe

Entramos e curti, logo na entrada, o bar e a cozinha aberta. Descemos para o subsolo, para um salão não muito grande, mas bem aconchegante. A atendente era muito simpática (Lena, parisiense) e até conversamos um pouco. Ela nutre sonhos de vir ao Brasil qualquer dia, disse que me escreveria para obter dicas.

Alguns escolheram o menu completo que termina saindo mais em conta. Você escolhe a entrada, prato principal e sobremesa dentre algumas opções do cardápio, mas eu preferi pedir por fora, apenas uma entrada e um prato principal. Sobremesa nunca foi o meu forte… mas claro que dou uma bicadinha na do meu marido que ninguém é de ferro né?!!!

De cortesia nos serviram primeiramente, como “amuse-bouche” (diversão para as bocas, rsrs), um creme de tomate com mexilhões, bem gostoso.

Depois chegaram as entradas. A que Claudio havia pedido era uma salada fria com “crab” (tipo de caranguejo). Experimentei também, gostamos. Minha entrada de camarão eu nem toquei, rsrsrs. Troquei com meu primo, pois ele não gostou da “cara” do dele, com ostras frescas, camarões cozidos (com casca) e alguns “búzios”, rsrs. Era algum tipo de molusco do mar, ou caramujo, sei lá, preparados com nada, apenas cozidos, e você que se virasse para tirar a “lesma” lá de dentro com o garfo, rsrsrs. Vinha com um molhinho pra vc passar no bicho. No fim até que curti! As ostras estavam ótimas. Não gostei tanto dos moluscos… achei meio sem graça. Nem se comparam com os escargots que comi em Colmar!

Entradas do L’Absinthe

Vai uma lesminha aí?! rsrs

A partir desse ponto a coisa começou a complicar, rsrsrs. O peixe (que a princípio era linguado) que era o prato principal de meu marido, veio completamente cheio de espinhas, de forma que ele nem conseguiu degustá-lo direito (dá até pra perceber na foto abaixo). Estava horrível. Isto porque este prato, sozinho, não era nem um pouco barato (32 euros!).

O meu peixe estava muito bom, pois era uma parte do lombo (sem espinhas), grelhado, com linguiça defumada (isso mesmo!) e repolho. A combinação inusitada deu certo!

A sobremesa estava muito bonita e super saborosa, chamada “passion chocolatée“, uma mousse de chocolate branco, com creme de chocolate ao leite, calda de chocolate amargo e pimenta madagascar. Acompanhada de sorvete de maracujá. Show demais não?!

Passion chocolatée, de se apaixonar mesmo

No dia seguinte visitamos o Mont Saint-Michel, mas detalhes ficarão para o próximo post!! Se você ainda não leu os posts anteriores, acesse: Paris (o início da viagem) e o Château de Blavou.

Château de Blavou

Como você imagina que seria se hospedar em um castelo “de verdade”?! Nós mulheres temos um pouco desse sonho glamouroso de vivermos um dia como “rainhas”, rsrsrs. Quando topei fazer esta viagem para conhecer o Mont Saint-Michel eu não sabia que já estava definido no roteiro, duas noites no Château de Blavou, um pequeno castelo no interiorzão da França, num Parque Natural (Parc Naturel Régional du Perche). Dentro do parque há algumas vilas bem pequenas e algumas pequenas fazendas de criação de gado e caprinos. Ou seja, o castelo ficava no meio do “nada”. Fiquei empolgadíssima com essa ideia quando soube.

Jardins do Château de Blavou e arredores


Nós seis, companheiros de viagem, próximo ao Château de Blavou

O castelinho fica a 160km de Paris. Sábado de manhã partimos para o aeroporto Charles de Gaule, para recebermos o terceiro casal que viajaria conosco, e aproveitamos para pegar o carro (imenso! para até 8 pessoas) alugado na Europcar. Pegamos então a estrada e nos mandamos para o Château. Só demos uma paradinha no caminho para comermos algo, estávamos famintos. Num posto de gasolina comum, com loja de conveniência. Algumas comidinhas prontas pra vender resolveram nossa situação. Comi um sanduíche misto simples. Morri de rir com uma plaquinha em cima da porta da lanchonete (que não estava em funcionamento neste dia): “Les boissons alcoolisées ne seront servies qu’avec un plat chaud et garni…” Tradução: “Bebidas alcoólicas só serão servidas com um prato quente e guarnecido”. Achei isso original, hahahaha.

Chegamos ao Château e fomos imediatamente recebidos por Pascal, figuraça, dono e Chef de cozinha do castelo (trabalhou em restaurantes renomados em Paris e ele mesmo antigo proprietário de 2 restaurantes parisienses, além de ser professor de gastronomia). Antes mesmo de se apresentar, já foi logo contando a história do Château, sua construção (que começou no séc XV), acréscimos feitos (séc. XIX), reformas realizadas e em seguida, foi nos levando pra conhecer os cômodos todos. Dois lindos cães labradores, um branco e um preto, também nos receberam alegres. Sua esposa, Isabela, o ajuda em todos os afazeres. Eles criam ainda 3 lindos cavalos, de raça típica da região chamada “percheron”, normalmente usados para tração.

Chef Pascal com seus “Pecherons” e seus labradores

O castelo não é muuuito grande e a meu ver não está completamente “pronto” para receber hóspedes… Falando de maneira franca, a impressão que deu é que ele – o proprietário Pascal – fez uma “reforma básica” que permitisse tocar o negócio. Deve estar neste primeiro momento juntando uma grana para terminar todas as obras necessárias. O porão está vazio, há planos de se construir uma adega… as salas de estar e jantar, no andar térreo até que estão bem arrumadas (tem até piano!). A cozinha, no mesmo piso, está bem simpática também. É onde ele passa a maior parte do tempo. Aliás, nessa hora dava pra sentir o aroma maravilhoso que vinha de lá, pois ele já estava preparando o nosso jantar…

Em sentido horário: salão estar principal, porão, sala de jantar/café e cozinha

No segundo piso, ficam 5 quartos e um outro grande salão de estar com piano e poucos móveis. Os quartos são bem grandes, mas acho que deixaram um pouco a desejar em relação ao conforto. Achei minha cama pequena para tanto espaço. O edredom era curto, tive que disputar por um pedacinho dele, durante a noite, com meu marido… humpf… Ao menos nosso banheiro era legal, o banho bom. Mas no quarto de um dos casais que estava conosco, apesar do banheiro enorme, não havia cortinas nem vidro de proteção na banheira, e nem mesmo um lugar para prender a ducha. Ou seja, a pessoa tinha que necessariamente tomar banho deitado. E com relação à calefação do ambiente, aí foi mais complicado… O quarto estava sempre gelado. Enquanto lá fora fazia 5 graus, dentro deveria estar uns 10 graus! O aquecedor era daqueles antigos, tubulares, por onde passa água quente, mas nunca passava… 😐

Minha cama, minha janela, salão de estar 2º piso

Mas ele, o Chef, aaaahhhh, iria nos recompensar…  Depois de conhecermos as redondezas (passamos em Le Pin-La-Garenne, vilinha próxima com menos de 1.000 habitantes, rsrs), comprarmos uns queijos locais, um embutido tipo salame feito com nozes, vinhos rosés e baguetes. Um doce tipo “mil folhas” recheado de creme, maravilhoso. Lanchamos no salão do 1º andar do Château, no final da tarde. E mais tarde, Pascal nos serviu um jantar de primeiríssima.

E foi assim. Pontualmente, às 20h, conforme combinado, estávamos todos sentados à linda mesa. Ele nos trouxe uma cidra (bebida fermentada de suco de maçã) de aperitivo. Depois nos serviu um pão feito na casa (ele é especialista em pães) e um vinho tinto (Bordeaux) que nos acompanharia todo o jantar.

De entrada, um prato delicioso. Para mim, o melhor de todos. Uma espécie de pastel folhado, de forno, recheado com queijo (pont l’éveque, local), bacon e maçãs. Saladinha pra acompanhar, de rúcula fresca. De-li-ci-o-so.

Nosso prato principal também estava muito bom, mas não tinha a genialidade do primeiro. Um filé mignon, com um molho reduzido muito saboroso com um tempero especial: alecrim fresquinho da horta. Eles chamam alecrim de “romarin”. Acompanhado de risoto de açafrão.

Sobremesa: um “crème pâtissière” (creme de confeiteiro) com morangos, base de biscoito. Muito saborosa também! E delicadíssima.

Durante a noite passei frio, não consegui dormir muito bem. E acordamos (eu e Cláudio) cedinho, para correr 12 km (nossa mais nova mania, hehe). Fazia 3 graus! O sol estava nascendo e havia uma bruma branca por cima do gramado, onde estavam os cavalos brincando. Uma imagem linda, parecia um sonho. Pena não termos tirado fotos. Reunimos coragem, saímos e cumprimos a nossa meta. Nos divertimos com as vaquinhas que, ao longo do caminho, nos olhavam espantadas. Acho que nunca tinham visto “bicho homem” aquela hora da manhã, muito menos correndo pela estrada deserta, hahahaha.

E para coroar nossa vitória, um maravilhoso café da manhã, com pãezinhos especiais feitos pelo Chef Pascal, geleias de frutas caseiras, queijos da região, suco de maçã, chocolate quente…. ai…. este sim foi um sonho realizado…

No próximo post, você vai conhecer uma linda cidade medieval, chamada Dinan, na região da Bretanha. E em seguida, Saint-Malo, na beira-mar, cujo centro histórico é rodeado por uma linda muralha medieval bem preservada.

 

Paris – O início da viagem

Já havia ido à Paris 3 vezes, em ocasiões bem diversas. A primeira vez foi em 1993, com apenas 23 anos. Meu coração foi arrebatado por aquela cidade. Impossível não se apaixonar por ela. Não sei a realidade de quem vive lá, principalmente nos dias atuais, onde uma grande onda de imigrantes invade o país e a Europa. A situação dessas pessoas é de cortar o coração…

Mas afora os problemas que toda grande cidade tem, eu diria que Paris é uma cidade “unânime” no que diz respeito aos turistas, pois não há quem não goste dela e não há quem não se sinta absolutamente feliz ao andar por suas ruas, ou à beira do Rio Sena. Ela é um museu a céu aberto. Seus prédios históricos, grandiosos, seu rio imponente, caudaloso, transeuntes bem vestidos, charmosos, seus bistrôs em cada esquina, cadeirinhas nas calçadas… todas essas imagens marcam sua alma pra sempre.

Nossa viagem se iniciou aqui, onde encontramos nossos companheiros de aventura, dois casais queridíssimos. Mas antes de partirmos de carro até nosso destino principal (Mont Saint-Michel), tivemos um dia inteiro para curtir a cidade. Como já havíamos feito turismo a relativamente pouco tempo por lá (há uns 5 anos atrás), resolvemos tirar o dia para fazer umas compras básicas, já pensando em nossa próxima viagem para o Canadá, que já será dia 21 desse mês!!!

Mas antes das compras, havia algo mais importante a fazer: correr!!! É a nossa mania atual, :). Foi de leve: 4 km. Difícil foi aturar o frio nos pulmões: 4 graus. :|. Lado bom: ver o prédio do Louvre livre dos turistas, tirar fotos ao lado da pirâmide sem ninguém pra atrapalhar, assistir ao sol iluminando a cidade aos poucos…

Depois da corridinha, tomamos um café maravilhoso, com “coisinhas” francesas, no apartamento de meus primos, regado a croissants e queijinhos locais. Só então saímos para bater perna. Compramos umas roupas especiais, tipo 2ª pele (de lã, pra suportarmos o frio), luvas, mochilas, meias e casaco (Uniqlo). Passamos “por acaso” na frente da Prefeitura da cidade, da Notre-Dame, do Centro Georges Pompidou.

E andando tanto assim, claro que tínhamos que dar uma paradinha para repor as energias. Um almocinho leve…

Escolhi uma “crêperie”, pois na França se faz crepe como em nenhum outro lugar! Adoro as “galettes” que nada mais são do que crepes salgados (“crêpes salées”) feitos com trigo sarraceno (ou trigo-mourisco). Essas “galettes de sarrasin” têm uma textura diferenciada, mais crocante. É típica da cozinha bretã, mas você encontra em toda a França. Até no Rio tem, e boa! A “Le Blé Noir”, em Copacabana. Não tirei fotos do ambiente do restaurante, peguei na internet, vejam só as referências ao filme Star Wars… Você parece estar em uma nave espacial, rsrsrs. Nada a ver com galettes, mas enfim…

No “formule midi” (cardápio de almoço) do dia, ao preço de 12,90 euros, tinham duas opções de galettes à escolha do freguês, além de uma bebida e duas opções de crepes doces (crêpes sucrées). Minha bebida foi a tradicional para acompanhar a galette: uma deliciosa cidra (você escolhe entre a “sec” e a “demi-sec”). Optei pela galette “Polyphème” com os queijos Emmental, Chèvre (cabra) e Coulommiers (primo do Brie), acrescido de nozes e salada à parte. Estava muito boa, super bem feita e de um tamanho ótimo para uma pessoa. Minha sobremesa foi um crepe com geleia de morango (neste caso, do crepe doce, a massa é com trigo tradicional). Pensei que seriam com morangos frescos, daí fiquei um pouco frustrada… mas valeu :). A de Cláudio foi com nutella. As outras disponíveis não estavam no “formule midi”, eram de muitos sabores diferentes, algumas bem apetitosas, com chocolate derretido, biscoitos, frutas, sorvetes… Vejam o cardápio completo no site do Odyssey.

No final do dia, voltamos para nosso hotel, que por sinal era muito bem localizado, próximo ao Louvre. Indico, pois apesar de ter um quarto pequeno, ele é bem moderno, equipado, organizado e como já falei, super bem localizado. Vocês não vão acreditar, mas chamava-se Odyssey hahahaha. Juro que foi coincidência!!! Não sei se são do mesmo proprietário, mas com certeza, ambos são apaixonados pelo filme Star Wars. No quarto, você também se sente em uma nave espacial, kkkk, confiram as fotos no site do hotel.

À noite saímos pra “balada”. Mentira, rsrs… Na verdade saímos para um “botequim” muito legal, com piano, música ao vivo, sem palco, do tipo bem informal, com uma pessoa ao piano e outra cantando por entre as mesas do pequeno salão. É um bar já bem conhecido dos meus primos, ele mesmo (meu primo) dá uma canjinha ao piano de vez em quando. Chama-se “Aux Trois Mailletz“. Adorei a noite, pois havia uma cantora ucraniana (Alexsandra), cantando óperas, em italiano e francês, inclusive “Carmem”, de Bizet, que amo de paixão. A voz dela era maravilhosa. Tomamos vinho branco e pedimos uma tábua de queijos, além de uma porção de “moules” (mexilhões), que estava, pro meu paladar, um pouquinho salgada…

Ah, no caminho pra lá passando pela “Pont Neuf” próxima a Notre-Dame, flagramos o sol se pondo, imenso e vermelho, no horizonte em cima do Rio Sena, um verdadeiro espetáculo…

No próximo post, vocês vão conhecer o Château de Blavou, lugar onde passamos duas noites, situado dentro de um parque natural, na região da Normandia, a 165 km de Paris. “Très intérresant”!!