Arquivos

Região do Beaujolais – França

Região próxima a Oingt

No nosso primeiro final de semana em Lyon, decidimos alugar um carro e explorar a região vinícola da Borgonha, mais especificamente na área mais ao sul, onde são produzidos os famosos vinhos Beaujolais (feitos com a uva Gamay). O plano era subir o Rio Saône até próximo à Mâcon, onde pernoitaríamos em um mini “château”, comandado por um casal, onde ela é a Chef de cozinha e ele faz o papel de anfitrião e cuida da propriedade. Foi um final de semana realmente memorável, que conto agora.

No sábado logo cedo, alugamos um carro na Sixt, dentro da Gare Part-Dieu (a estação de trem de Lyon). Pegamos inicialmente uma estrada principal, mas assim que nos aproximamos das vinícolas, escolhemos as estradas secundárias, beeeeem secundárias mesmo, rsrs, a ponto de quase nos perdermos algumas vezes. Primeira parada foi na cidade graciosíssima de Oingt (difícil foi saber como pronunciar esse nome, pois nem mesmo os franceses se entenderam, hahaha). Vilinha medieval e extremamente bem conservada. Está entre as mais belas aldeias da França. Se situa no alto de uma colina, numa região rodeada de montanhas e plantações de uva. Super fotogênica.

Oingt – a vila estava deserta

Oingt de vários ângulos

Parreiras aos pés de Oingt

Depois seguimos até Villefranche-sur-Saône, muito maior que a primeira, porém menos graciosa. Andamos toda a rua principal, abarrotada de lojas, bares e restaurantes. Quando bateu a fome, elegemos a Brasserie La Chapelle, que achei simpática. O prédio era bonitinho, o ambiente aconchegante. A comida foi bem honesta, a garçonete um amor (eficiente e simpática). Escolhemos o “menu du jour”: bife (contra-filé, tava macio) com fritas e salada e sobremesa a sua escolha. A minha foi uma espécie de “pavê” de morangos, em taça, com biscoito, creme e chantilly. Chamava-se “Frisier”. Cláudio preferiu o clássico “crème brulée”. Ambas estavam ótimas. Tomei chopp Leff (ótimo!) e vinho Beaujolais Village. Conta honesta de 42 euros.

Villefranche-sur-Saône

Brasserie la Chapelle

A partir daí passamos em várias pequenas vilas de produção de vinhos, tais como: Vaux-en-Beaujolais, Beaujeau, Lantignié, Morgon e Villié-Morgon, Chiroubles, Fleurie. Nestas duas últimas, paramos para degustar vinhos. Em Chiroubles não curtimos muito, experimentamos um espumante e dois tintos diferentes. Seguimos então até Fleurie. Fizemos uma degustação maravilhosa com 7 vinhos diferentes! Inicialmente subimos uma montanha até uma pequena igreja de onde se tinha uma linda vista da pequena vila. Na descida, entramos na vinícola chamada Domaine de La Madone, e um rapaz muito simpático nos convenceu a degustar todos esses vinhos. Terminamos comprando uma garrafa do vinho que achamos mais saboroso, por 12 euros.

Fleurie

Passamos depois pelo Château de Corcelles, mas só tiramos fotos do lado de fora, muito bonito, rodeado de parreirais. Pelo que pudemos ver, ele realiza eventos no local, tipo casamentos e festas.

Château de Corcelles

Por fim chegamos em nossa pousada, “Les Clos de Flacé“. Muito queridos os proprietários. Ficaram felizes de saber que éramos brasileiros. Eles já tinham vindo ao Brasil e haviam adorado. O quarto que nos deram era ótimo, com duas camas de casal e um banheiro com varanda (uma novidade pra mim, rsrsrs). Tudo arrumadinho e de bom gosto. Pegamos com eles uma dica de supermercado próximo (um Carrefour fantástico) e trouxemos para o hotel o nosso “jantar”, pois não havíamos avisado antes e o hotel já estava com um jantar reservado para outros hóspedes que estavam lá aquela noite. Fizemos nossa refeição no jardim da pousada, com um gatinho de olhar pidão nos fazendo companhia. Consistiu em baguete, queijo local Saint Marcellin (muito bom!!) e “bloc de foie gras”. Para nós, tudo divino. Tomamos o vinho que havíamos comprado na vinícola de Fleurie.

Les Clos de Flacé – estada deliciosa

Dia seguinte (domingo) seguimos cedo primeiramente para conhecer as ruínas de uma antiga abadia: Abbaye de Cluny. Sugestão do nosso casal anfitrião. Valeu a pena, mas o que resta da Abadia é muito pouco, ficamos um pouquinho frustrados. Ela foi praticamente toda destruída. Ainda demos uma pequena caminhada pelo centrinho da cidade e até comprei uma faca do tipo canivete da Opinel, uma marca tradicional de cutelaria francesa. Ela foi super útil pra mim em Lyon, pois as facas que tinham em nosso apartamento não eram lá muito católicas…

Abbaye de Cluny

Centrinho de Cluny

Seguimos então para Bourg-en-Bresse, que eu queria de todo jeito almoçar, por causa da sua tão falada “Poulet de Bresse“, uma galinha especialíssima, com selo AOC (Appellation d’Origine Contrôlée), do tipo caipira (ou capoeira), ou seja, criada solta, livre de hormônios e etc. Pelas informações que li, elas só comem minhoca e … leite!!!! 😀 😀 😀

Difícil foi conseguir uma vaga em algum restaurante, pois estavam todos lotados. Depois descobrimos que eles estavam comemorando o dia das mães naquele domingo (era o último do mês de maio). Felizmente encontramos uma mesa no Restaurante L’Abbaye, em frente a uma linda Abadia, ou Monastério. Sentamos na área externa do restaurante, um grande jardim super arborizado. Ficamos embaixo das copas das árvores, que estavam verdíssimas. Deu um clima legal. Pedimos então o afamado “Poulet de Bresse” que acompanha batatas fritas e salada básica. Eu particularmente achei muuuito bom! A carne da galinha era super macia mesmo, eu diria cremosa, se desmanchava na boca. Nunca comi igual. Ela vem até com um selo em metal, pra que o cliente tenha certeza de que é verdadeira. Existe um controle muito grande dos produtores que são autorizados a produzi-las e comercializá-las. Eles têm que seguir regras rígidas. O mesmo que acontece com os vinhos DOC (Denominação de Origem Controlada) em Portugal.

Monastério em Bourg-en-Bresse e a Poulet de Bresse

Por fim, fomos à Perouges. Uma pérola medieval que fica a apenas 40km de Lyon. O único porém é justamente o fato dela ser muito turística, visto sua proximidade com Lyon. Obviamente que é imperdível, como são tantas outras pequenas vilas altamente turísticas da Europa, a exemplo de Óbidos em Portugal, Bruges na Bélgica ou Siena na Itália. Todas são maravilhosas. Pérouges é bem pequena e preservada. Suas ruas são de pedra, carros não entram. Muito fotogênica. Existem lá famosas “galettes” que não são os crepes de trigo sarraceno, mas uma espécie de pizza. Tem doce e salgada. Pedi a “galette pralinée” pra experimentar, feita com um creme de amêndoas cor-de-rosa (depois vou falar em detalhes desse creme, que foi uma doce e incrível descoberta que fiz em Lyon, muito melhor que esta que comi aqui em Pérouges).

Pérouges – vila medieval a 40km de Lyon

Pracinha central em Pérouges

Voltamos para “nossa casa” exaustos, após largarmos o carro na Gare. Dia seguinte era dia de branco, tínhamos que dormir cedo. Dia de branco na França é très chic não?! hehehe. Em breve tem mais!!! Au revoir!!!

 

 

Anúncios

Lyon – França – Parte 2

Cada dia em Lyon era uma nova descoberta. Íamos descortinando a cidade aos poucos, já que tínhamos 3 semanas inteiras para degustar. Cada dia uma rua diferente, um restaurante novo na hora do almoço, um mercado diferente para fazer compras. Assistíamos aula pela manhã e à tarde no Inflexyon, curso ao qual nos matriculamos e que oferecia um sistema de aulas de conversação bem interessante, permitindo uma intensa troca cultural. Em nossa turma, havia alunos oriundos dos quatro cantos do mundo (Finlândia, Taiwan, China, Japão, EUA, Colômbia, Omã, Brasil, entre outros). Era extremamente rico e divertido debater alguns assuntos polêmicos com todas aquelas pessoas!!!

Vista do rio Rhône do alto da Pont Morand, em Lyon

Ao final da aula, em nosso quarto dia na cidade, resolvemos dar uma esticada até o “Parc de La Tête d’Or” (Parque da Cabeça de Ouro), o maior parque urbano da França. Constitui uma área imensa (117 hectares) muito arborizada, com lagos cheios de patinhos, um zoo, estufas com plantas exóticas, velódromo, cafés, etc. Excelente para praticar esportes, com muitas alternativas de pistas, justamente o que queríamos para nossa corrida matinal 😀

Parc de la Tête d’Or – Lyon

Próximo ao nosso apartamento, na rua de trás (Rue du Sergent Blandan), havíamos descoberto por acaso um restaurante tailandês, o Bangkok Royal e fiquei com água na boca. Lembrei da minha viagem à Tailândia e os diversos pratos deliciosos que tive oportunidade de conhecer. Fiz vários posts aqui sobre essa viagem à Ásia, vocês podem dar uma explorada aqui.

Resolvemos jantar lá neste dia, ao sairmos do parque. Foi maravilhoso. Talvez a melhor comida que eu tenha comido em toda a minha estada em Lyon… por incrível que possa parecer. É até uma heresia. Mas enfim…

Cartão de visita do Restaurante Bangkok Royal

De entrada pedimos um camarão empanado, com massa super leve e crocante de arroz (Kung Tod). O molho que acompanhava era ótimo, com gengibre, visualmente parecido com um que aprendi a fazer em uma aula de gastronomia no Vietnã. Veja receita que postei aqui. Nosso prato principal foi um pato, cozido e grelhado, com molho apimentado (Ped Pad Nam) e folhas de manjericão. Muuuuito bom mesmo!! Pedimos uma taça de vinho tinto (servido em temperatura ambiente, achei que poderia estar mais resfriado). Pagamos felizes apenas 38 euros (mais ou menos R$ 183,00 hoje).

Restaurante Bangkok Royal em Lyon

No dia seguinte, depois das aulas, fomos visitar o “Les Halles de Lyon – Paul Bocuse“, do outro lado do Rio Rhône, mercado incrível de produtos frescos e artesanais da região. Há embutidos, pães, frutas e legumes, peixarias, açougues, temperos, vinhos, etc. É um mercado fino, fechado e climatizado. Há restaurantes e lanchonetes também. São ao todo 48 boxes. Qualquer pessoa que tenha interesse em gastronomia não deve deixar de visitá-lo. Lá você encontra tudo o que tem de melhor na região (pena que é tudo tão caro, rsrsrs).

Les Halles de Lyon – Paul Bocuse

Se quiserem uma dica de um bom restaurante em Lyon, já escrevi uma crítica aqui, vejam no link Brasserie Le Nord.

Em breve tem mais de Lyon!!

Lyon – França – Parte 1

Place des Terreaux – Lyon (Prédio da Prefeitura)

No ano passado, eu e meu marido decidimos que neste ano de 2018 faríamos um curso de conversação na França. Estávamos no nível B2.2 de francês da Aliança Francesa no segundo semestre de 2017, mas não chegamos a terminá-lo. Preferimos contratar uma professora particular e começamos a priorizar a parte mais difícil do aprendizado de uma nova língua: falar. Claro que já tínhamos uma boa noção. Os anos na Aliança nos deram uma base bem sólida. E a partir de então alimentamos essa ideia de escolher uma cidade na França para estudarmos. Excluímos Paris de cara, pois além de já conhecermos bastante, seria uma opção muito cara. Somado a isso, tenho grande atração por cidades do interior. Então comecei a considerar a cidade de Lyon.

Place Bellecour – No coração de Lyon

Terminamos decidindo mesmo estudar em Lyon, devido também à grande ligação dessa cidade com a gastronomia. Há grandes restaurantes, grandes Chefs, mas principalmente, ótimas escolas e cursos para quem quer aprender um pouco da culinária local e clássica. Eu poderia unir o útil ao agradável 😉 Vejam minha resenha sobre a Brasserie Le Nord, fundada pelo Chef Paul Bocuse, que tivemos o prazer de conhecer, em Lyon.

Chegamos à cidade num domingo ensolarado de maio, vindos de trem de Paris, e fomos direto para “nossa casa”, um apartamento que alugamos no Airbnb, na Rue de la Martinière, centro da cidade. Muito legal por sinal. Super bem localizado, a 600m de nosso curso, com mercados próximos, além de muitas opções de restaurantes, bares, padarias e comércio variado. Uma delícia! Foi a experiência mais próxima de “morar fora” que tive em minha vida. E a mais saborosa, literalmente. Ao lado do meu apartamento tinha um mercado de orgânicos, que cogumelos eram aqueles???!!!! Sempre frescos e apetitosos. Por este motivo, muitas vezes preferimos jantar em casa mesmo, pois cozinhar com ingredientes de primeira é sucesso garantido!!! Qualquer coisa que eu inventasse dava certo, fosse pelo clima europeu, pelo vinho nacional barato e maravilhoso, por estarmos de férias, enfim, por eu também ter algum talento, hehehe, cada experiência foi memorável.

Place des Jacobins – Lyon

Difícil contar aqui tudo o que vivemos em 3 semanas, serão necessários muitos posts. Mas vou escolher um pedacinho de Lyon de cada vez, contar o que eu lembrar, para que eu mesma nunca mais esqueça.

De manhã cedo, 3 vezes por semana, saíamos muito cedo para correr na beira do Rio Saône, um dos dois rios que cortam a cidade. O outro chama-se Rhône, que nasce nos Alpes Suíços, cruza a Suíça e vem se juntar ao Saône em Lyon. De suas margens nascem os emblemáticos vinhos “Côtes-du-Rhône“, muito bons. Depois o rio prossegue até o Mediterrâneo onde deságua.

Encontro dos Rios Rhône e Saône

Ciclovia e pista para corrida na margem do rio Rhône

A margem dos dois rios são fantásticas pra correr, protegidas por um muro alto, não dava pra ouvir o barulho dos carros que passavam. O rio é verde escuro e suficientemente transparente para se ver os peixes. Sempre tinha alguém pescando pela manhã. O Rhône é ainda mais transparente. Na outra margem do rio Saône, a cidade antiga, a “Vieux Lyon“, que nos dava ainda mais inspiração pra correr, com seu casario antigo e colorido que enchia nossos olhos e nosso imaginário. Terminávamos a corrida e íamos na “boulangerie” (padaria) da esquina e comprávamos uma baguete “cereales“, ainda morna, para comermos com manteiga (deliciosa, com cristais de sal), queijo brie ou camembert em nosso apartamento. Posso até sentir o sabor…

Beira do Rio Saône – Lyon – Onde corríamos de manhã cedo

Rio Saône – Vieux Lyon

No dia mesmo em que chegamos, fomos à Vieux Lyon, a parte mais antiga da cidade. Demos uma caminhada pela Rue Saint-Jean, a principal, cheia de lojas e restaurantes, com prédios antigos. Como sempre, a parte mais pitoresca e simpática de qualquer cidade europeia.

Vieux Lyon – Rue Saint-Jean

Estávamos famintos, procuramos um lugar que nos chamasse alguma atenção, mas vocês sabem, quando a gente tá com fome e com pressa, não sabemos tomar a melhor decisão. O restaurante chamava-se “Petit Glouton“, e arrisquei um carneiro grelhado. Cláudio, meu marido, preferiu um joelho de porco. Os bistrôs de Lyon (“Bouchons’) são famosos por sua comida caseira, porém nem um pouco light, 😛 . Não achamos nada de especial. As batatas vieram gratinadas, acompanhadas de tomates recheados e salada básica.

Joelho de porco e Cordeiro grelhado, no Petit Glouton

Nesse mesmo dia à noite, fizemos compras e improvisei um espaguete orgânico (feito com trigo, quinoa, alho e salsa), com um molho preparado com cogumelos frescos, brócolis, alho, cebola, azeite, manteiga (na França, é imprescindível, hoje não deixo de acrescentá-la em meus pratos), vinho branco e creme de leite fresco, que você encontra de infinitos tipos, com consistências diferentes. Uma maravilha. Cervejinha do lado pra inspirar, e depois um bom vinho francês pra acompanhar o prato!!! Chef Lu Hazin arregaçando as mangas 😆

Macarronada vegetariana improvisada

 

Tem mais de Lyon em breve!

 

Paraty – RJ

Antes de começar a escrever esse post, estava aqui me perguntando se afinal eu deveria escrever Paraty ou Parati… Então consultei nosso velho amigo Google e obtive uma verdadeira aula sobre a grafia correta , vejam toda a história aqui. Agora escrevo Paraty sem medo 😉

A cidade foi fundada em 1667, mas já existia povoação ali há muito tempo. A partir do seu porto escoavam riquezas provenientes de Minas Gerais, principalmente ouro, direto para Portugal. No século XVIII, a vila perdeu um pouco da sua importância, mas recuperou depois com o Ciclo do Café, no século XIX. Com a Abolição da Escravatura em 1888, houve um grande êxodo na região e Paraty ficou bastante “esvaziada” e muito isolada. Para se chegar lá era complicado, só mesmo de barco ou por péssimas estradas. Felizmente, isto ajudou a preservar bastante a arquitetura colonial da vila. Depois da construção da BR101, o turismo começou a crescer vertiginosamente na região, graças ao seu potencial, tanto histórico, quanto paisagístico. Sem sombra de dúvida, uma cidade muito especial, pra se guardar pra sempre na memória. Quem a conhece não a esquece, e quer voltar. Eu já fui pelo menos umas 5 vezes. A última, foi neste final de semana passado, levando minha mãe e minha sogra, 87 e 83 anos respectivamente. Nenhuma das duas conhecia aquela joia arquitetônica.

 

Ficamos hospedados na Pousada Aconchego, muito mais por sua localização estratégica que por outro motivo, pois além de ter estacionamento privativo, ficava dentro do Centro Histórico, justo no limite em que carros ainda podiam circular. Chegamos na sexta-feira à tarde, mas como estava chovendo sem parar, o que nos deixou bastante apreensivos, resolvemos ficar no hotel mesmo. Ele não possui restaurante (a cozinha só funciona para o café da manhã), mas há um restaurante “colado”, parede com parede, com acesso pelo pátio de estacionamento do hotel, super providencial rsrsrs. Jantamos ali mesmo, um vinho, linguiças artesanais, sopinha leve de baroa…

Sábado amanheceu um belo dia, para surpresa de todos. Tomamos um café reforçado e lá fomos nós, para a parte mais difícil: enfrentar as pedras das ruas do centro histórico, com nossas mães. Meu marido de mãos dadas com minha sogra, e eu com a minha mãe, a tiracolo. De pouquinho em pouquinho fomos descortinando a cidade, que ainda estava com suas ruas vazias e com a maior parte das lojas e restaurantes fechados. Era cedo ainda.

Passamos na Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios, na Casa da Cultura (que estava fechada). Entramos numa lojinha de artesanato, compramos bijuterias indígenas. Continuamos nossa peregrinação pelas lindas ruas da cidade, com suas casas coloniais bem preservadas, com janelas e portas coloridas. Cruzamos a cidade e fomos até o Largo Santa Rita, onde está a Igreja de Santa Rita de Cássia, que aparece em todas as fotos de Paraty que são tiradas a partir do mar. Igrejinha linda que abriga o Museu de Arte Sacra.

Igreja de Santa Rita de Cássia

Depois demos uma passada na Rua do Comércio, compramos cachaça (Paratiana – Gabriela, Cravo e Canela) e molhos de pimenta, não tinha como não comprar! Passamos no Largo do Rosário e por fim, para abrilhantar ainda mais nosso dia de sol inesperado, fizemos reserva no “Banana da Terra” e lá fomos, finalmente.

Falei “finalmente” porque há anos sonhava conhecer esse restaurante. Conheci a Chef Ana Bueno há muito tempo atrás, durante um festival gastronômico de Recife, no antigo e maravilhoso restaurante Chez George (que na verdade ficava em Olinda). Na época ela me marcou bastante, achei-a simpática e muito talentosa! A Chef apresenta uma cozinha com raízes “caiçaras”, ou seja, oriundas de toda aquela região próxima a Paraty, da serra ao mar.

De cara, pedi uma caipirinha feita com limão e capim-santo (ou capim-limão). Estava ótima!

Pedimos também o couvert, que estava uma delícia, com seus pãezinhos saídos do forno na hora. E ainda: caldinho de batata baroa com queijo gorgonzola, um bolinho frito de camarão e um peixe marinado empanado com coco.

Por sugestão da garçonete que nos atendeu, escolhi um “Polvo com páprica, tomate seco da casa, cebola pérola, pesto de azeitonas pretas, sobre purê de batata doce, com pedaços de alho assado“. Estava excelente! Polvo macio. O pesto em contraste com o purê adocicado, o alho assado… tudo em perfeita harmonia.

Meu marido pediu um camarão que fiquei encantada e me deu vontade de tentar fazer igual em casa: “Camarões levementes picantes com curry vermelho, flambados na Cachaça Labareda, com arroz negro e salada de manga“. Espetáculo. Além de saboroso, parecia uma obra de arte.

Minha mãe e minha sogra apostaram no “Camarão ao creme fresco e vinho do Porto com arroz de castanha de caju“, também muito bom, porém de sabor mais suave.

O restaurante é um belo casarão, há um jardim interno, bonita decoração. Achei ruim o fato do banheiro ser no primeiro andar, e só vi acesso por uma escadaria. Não sei se há elevador, não perguntei, mas não vi. Como eu estava com duas pessoas idosas, agradeci a Deus elas não terem precisado ir ao banheiro…

Ah! A sobremesa ficou na conta da sorveteria do outro lado da rua! 😀

Saímos felizes e satisfeitos, mas à noite, eu e Cláudio fomos matar as saudades de uma verdadeira “galette” francesa (crepe de trigo sarraceno), no “Oui Paraty“, que recomendo muuuuito!! O Chef (Patrick Louis) é um amor e a galette, bem como as crepes, estavam muito boas. Pedimos a “Galette Délice“, com presunto de parma e queijo brie. Tomamos um vinho tinto “Côtes-du-Rhône“, combinou perfeitamente. Ao final ainda degustamos uma crepe de banana com nutella. Recomendo este pequeno recanto francês em Paraty, na Rua Santa Rita, 190.

“A cozinha é a base da verdadeira felicidade” (Auguste Escoffier) – “Um bom prato, uma boa galette, um crepe legal, uma taça de vinho, a felicidade está no Oui Paraty” (Patrick Louis)

 

 

 

Chapada dos Veadeiros (GO) e a “matula”

Jardim de Maytreia – Cartão postal da Chapada dos Veadeiros

Conhecem a Chapada dos Veadeiros?!!! Fiquei absolutamente apaixonada. Um paraíso para os amantes da natureza. Mas principalmente para aqueles que têm muita disposição e preparo físico, pois normalmente você precisa acordar cedo e saber que os acessos às melhores atrações não são fáceis e vão requerer uma certa resistência física. Ou seja, é a minha cara, hahaha. Nada como caminhar o dia inteiro com apenas água na mochila e alguns lanchinhos leves, ir à exaustão subindo, descendo trilhas, pedras, riachos e tomando banho de cachoeira, depois ficar louca de sede e fome e tomar uma cerveja estupidamente gelada e devorar um prato de comida como faria um tropeiro do século XVII depois de horas de viagem em cima de uma mula. Aaaaaaahhh, gente, a sensação é indescritível… alguém se identifica?!! 😀

Uma das Cachoeiras de “Loquinhas” – Alto Paraíso de Goiás

Havíamos pensado em ir à Chapada dos Veadeiros há muitas anos atrás, mas era aquela coisa de ficar adiando, adiando, adiando. Terminamos nos decidindo agora no último feriadão da semana santa.

Antes de viajarmos, lemos muitos blogs e guias de turismo para melhor escolhermos as nossas aventuras. Todas foram maravilhosas, umas mais marcantes que outras, mas tudo foi verdadeiramente surpreendente. Primeiro decidimos qual a Pousada que ficaríamos, e não nos arrependemos de jeito nenhum. Pousada Por do Sol, localizada na Vila de São Jorge, que fica na porta de entrada do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, foi bem estratégica e confortável pra gente. A maioria das pessoas opta por se hospedar em Alto Paraíso de Goiás, que é maior e tem mais infraestrutura. Eu preferi a vila mais rústica e calma de São Jorge.

Vale da Lua – atração imperdível próxima a São Jorge

Apenas para vocês terem uma ideia, pois não quero me estender em detalhes da nossa programação, tivemos 5 dias livres e mais a metade do 6º dia, que correspondeu ao período do domingo até a sexta-feira santa, quando então pegaríamos a estrada de volta pra Brasília e depois avião de volta para o Rio. Abaixo, nosso roteiro básico:

1º dia – Trilha dos Saltos do Rio Preto – dentro do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros – 11km ida e volta, com duas cachoeiras belíssimas (120m e 80m) e uma corredeira.

2º dia – Trilha do Mirante da Janela – por fora do Parque, mas com visual das Cachoeiras do Rio Preto – (8km ida e volta, com Cachoeira do Abismo e Mirante da Janela, que oferece vista espetacular das Cachoeiras do Rio Preto).

3º dia – Cachoeira Loquinhas (uma sequência lindíssima de poços e cachoeiras cristalinas, de fácil acesso) e Fazenda São Bento (trilha não muito longa para as Cachoeiras Almécegas I, Almécegas II e São Bento)

Acima – Loquinhas; abaixo: Almécegas I e Almécegas II

4º dia – Cachoeira Santa Bárbara (considerada a cachoeira mais bonita da região (e realmente é imperdível), requer longa viagem à Cavalcante e depois 27 km de estrada de terra, horrível por sinal) e Cachoeira da Capivara.

As duas primeiras fotos – Cachoeira Santa Bárbara; e a última – Capivara

Cachoeira Santa Bárbara e suas águas convidativas

5º dia – Vale da Lua (um lugar exótico, encantador, com banho ótimo e de fácil acesso) Fazenda Raizama (dois lugares pra banho, com cachoeira, muito tranquilos) e Águas Termais do Morro Vermelho (perfeito para descansar no final do dia, em água quentinha de 28 graus).

As duas primeiras fotos – Vale da Lua; e a última – Raizama

Fazenda Morada do Sol (nosso último passeio, com direito a cânion, cachoeira e um ótimo poço para banho).

Mas eu comecei todo esse post aqui porque queria falar da “matula“. O dicionário Aurélio on line traz o significado de “alforje pra viagem; farnel”. A “matula” nasceu com os tropeiros, que adentravam terras brasileiras, lá nos idos dos séculos XVII e XVIII levando suas mulas guarnecidas de alimentos para comercializar, nas regiões do Sul e Sudeste. Ela era a alimentação principal do tropeiro, que consistia normalmente em feijão ou tutu de feijão, temperado com açafrão, e mais: arroz, abóbora, linguiça, “carne de lata” ou carne de sol, aipim (macaxeira), farinha de mandioca…

Eu havia lido num blog que quem fosse ao interior de Goiás, precisava conhecer a “matula” que até hoje é preparada em vários lugares (lares e restaurantes), preservando a história da gastronomia daquela região. Na Chapada dos Veadeiros, depois de algumas pesquisas, descobri que a matula mais famosa é do Rancho do Waldomiro. Encaixei no meu roteiro, claro. No dia em que fomos à Cachoeira Loquinhas e Fazenda São Bento, aproveitamos para visitar o Rancho, pois fica perto de lá, já no caminho para São Jorge. Chegamos ao restaurante no final da tarde e tudo que eu mais desejava era “um prato de comida” (meu chefe usa essas palavras quando a fome aperta muito e o atendente do delivery pergunta ao telefone: – o que o senhor vai querer hoje?! rsrs).

O Rancho do Waldomiro não fica longe da Fazenda São Bento. São 9,5 km sentido Vila de São Jorge. É uma espécie de  cabana, com teto de palha, com camping ao lado. Estava vazio quando chegamos, até pensei que estava fechado. Uma moça muuuito simpática nos recebeu, ofereceu uma cachaça local, rsrs. Depois vi que é especialidade deles lá, muitos sabores diferentes. Uma pena que eu e Cláudio não sejamos adeptos de uma cachacinha…

Pedimos a matula sem nem olhar o cardápio. A mocinha só nos explicou que poderia ser servida num “prato feito”, ou em porções, com cada ingrediente separadinho. Pedimos 2 pratos feitos. Afinal, tropeiro não comia tudo arrumadinho em porções, comia tudo junto num prato só, nééé?!!

Não sei se foi a fome que estávamos, mas o prato estava delicioso!! O tutu com açafrão era tudo de bom. A “carne de lata” estava divina. Fiquei perguntando como faziam aquilo. Ela me falou que era uma forma antiga de preservar a carne: primeiro ela é cozida, depois frita e acondicionada em latas, em sua própria gordura, para conservação. Uma iguaria. Pode até engordar, mas que é boa é viu… Vieram ainda no prato: macaxeira frita, abóbora, farofa com carne seca (paçoca), arroz, tomate…

“Matula” – prato típico dos antigos tropeiros

Depois ela me ofereceu um docinho caseiro de abacaxi em calda, delicioso. Disse que “não custava nada não”. Fofa ela… Mas fiz questão de pagar 5 reais pelo doce.

Abaixo, algumas flores que encontrei ao longo das trilhas. São muito variadas e exóticas. E no próximo post, tem mais sobre a Chapada dos Veadeiros!

Flores do Cerrado – Chapada dos Veadeiros

 

 

 

 

Viagem ao Canadá – Banff – 2º dia

Pense num dia fantástico!! Perfeito!! O melhor de Banff está aqui. Atenção vocês que ainda vão conhecê-la: as dicas que darei neste post são obrigatóóóóórias para quem visita a cidade, ok?!! Vamos lá…

Marido saiu pra correr sozinho de manhã cedo (para quem não estava acompanhando minha viagem desde o início, informo que não fui com ele por causa de uma tendinite braba!!! não foi preguiça não, juro…). Voltou esbaforido, contando que havia sido “atacado” por um “elk” (espécie de veado típico do Canadá, bem grandinho por sinal). Custei a acreditar, hahaha. Mas ele estava tão ofegante e contando com tantos detalhes que terminei por me considerar uma mulher de sorte por não ter perdido o marido “morto pisoteado por um veado em Banff, ao fazer o cooper matinal…”. Brincadeiras à parte, tive mesmo medo disto, imaginem?! O que vocês fariam numa situação dessas?! Quero nem pensar…

“Elk” que flagramos na beira da estrada, próximo a Banff

Depois do café da manhã no hotel, fomos de carro até o ponto onde você toma a Gondola para subir a Sulphur Mountain, com 2.451m de altura, de onde se avista a cidade de Banff e todas as montanhas em volta. É simplesmente estonteante!!! Ao chegar lá, vc compra o bilhete para a gondola ($65=R$166,00, por pessoa), que lhe dá direito a subir, permanecer um tempinho lá, tipo 1 hora ou 1:30h, e depois descer. Vale cada centavo!! Uau, sem palavras. E o dia estava magnífico. As fotos abaixo falam por si sós.

Esta é a estação das gondolas, no alto da Sulphur Mountain

Este paraíso a perder de vista está dentro do que eles chamam de Banff National Park, que foi criado em 1885, sendo o mais antigo do Canadá e abrange mais de 6 mil m². É um terreno muito montanhoso, repleto de rios, lagos, florestas, cachoeiras, picos nevados e muitas trilhas a serem exploradas pelos visitantes. O Parque é considerado Patrimônio Mundial da Unesco. E faz parte das Montanhas Rochosas Canadenses.

Descemos então a Sulphur Mountain e seguimos de carro até a “Bow Falls”, uma grande corredeira do Bow River, aos pés da montanha onde estávamos, e bem pertinho do local onde meu marido havia sido “atacado” pelo elk, rsrsrs. Daí pude ouvir uma nova versão, dessa vez dentro do cenário real e com uma interpretação ainda mais convincente e assustadora, hahaha. As corredeiras terminaram ficando em segundo plano com a emoção da história toda, mas é um local muito bonito e agradável!! Vale a visita. Tem estacionamento no local.

Depois disso estávamos famintos. Ali perto eu havia visto um grande restaurante chinês. Gosto de restaurantes chineses fora do Brasil, pois a comida é bem mais autêntica, normalmente os proprietários são chineses “de verdade”, hehehehe. O nome dele era “Silver Dragon – Superb Chinese Cuisine” (ô povo pra gostar de dragão né?!…).

Pra beber, pedi uma cerveja típica, sabor framboesa, bem diferente! Para comer, fui de sopa de Wonton (eu tomava quando criança num restaurante em Recife, adorava). Trata-se de uma massa muito muito fina, recheada de carne, que pode ser feita frita, no vapor ou cozida em caldos de carne ou legumes. A sopa estava muito boa. Depois pedi uma carne com brócolis e arroz branco. Cláudio preferiu rolinho primavera e depois camarão empanado com arroz e brócolis de prato principal. A nota final que demos à comida: 7,0. Mas justiça seja feita, ela poderia não ser tão maravilhosa, mas o atendimento foi excelente e o ambiente era muito bonito. Além do mais, foi barato, pois com gorjeta e tudo pagamos $42,60 (R$ 108,00).

Ao sairmos do restaurante, fomos direto ao Lago Minnewanka, nas proximidades de Banff (uns 10 km). Nossa…. adoramos… muito bonito!!! Cheio de locais deliciosos para piquenique. Ficamos um bom tempo lá, dando uma explorada. Deixei meu pé na água gelada por uns minutos, pra ver se aliviava a dor… rsrsrs.

Num dado momento surgiram uns carneiros selvagens, que eles chamam de “bighorn sheeps“, próximos ao lago. Ficamos observando-os. Depois eles começaram a se movimentar, na cara-de-pau mesmo, perto de onde estávamos, andavam todos juntos, foram pela beira do lago e terminaram invadindo a estrada, onde passavam os carros. Todos paravam para tirar foto, inclusive nós, obviamente. Muito lindos! Muito legal ver animais assim soltos, selvagens.

Passamos depois num outro lago bem próximo, o “Two Jack“, bonito também, mas o Minnewanka dá de 10 a 0.Tiramos umas fotos do mirante, não descemos até o lago. Havia um “bighorn sheep” na floresta próxima, do outro lado da estrada, o maior e mais imponente que vimos na viagem.

Voltamos para a cidade, compramos um rosé e fomos para nossa varanda ver o dia “morrer” aos poucos, lindo, inesquecível…

 

Viagem ao Canadá – Banff – 1º dia

 

Banff Ave

Um dos nossos maiores sonhos era conhecer as Montanhas Rochosas. Mas não pensamos que iríamos nos surpreender tanto!! Foi muito mais e melhor do que imaginamos. Deixamos Calgary às 9:30h depois de um reforçado café da manhã no hotel. Chegamos em Banff rapidinho, em 1h30m. Passamos no Centro de Informações Turísticas e pegamos toda sorte de mapas. Comprei um enorme, de toda a região das Rochosas. Se tem uma coisa que eu adoro é mapa.

Chegamos no hotel (A Good Nite’s Rest Bad & Breakfast) ansiosos para largarmos as malas, mas para nossa decepção, uma senhorinha chinesa que nos atendeu disse (num sofrível inglês) que o quarto não estava pronto… Deixamos o carro estacionado com as malas e fomos dar uma volta pela avenida principal.  O hotel era super bem localizado, dava pra andar a cidade toda a pé. Na Banff Ave muitas lojas (caras, rsrs) e restaurantes (caros também!), mas as belas vistas do Mont Girouard nos rendeu dúzias de fotos!!

Foto tirada da ponte que cruza o rio Bow, na Banff Ave

Entramos em algumas lojinhas, compramos um ímã para nossa coleção e quando bateu a fome escolhemos, dentre as opções mais acessíveis, um restaurante grego, com decoração bem simpática, chamado Balkan – The Greek Restaurant. Comi pão pita (aquele pão árabe, ou sírio, redondo, lembram?) com carneiro e salada, estava bom. Claudio preferiu um “gyros” de porco (aquele famoso e imenso espeto de carne que fica assando durante horas, que tem em todo restaurante grego que se preze) com fritas, mas disse que os que ele comia na Alemanha (há séculos atrás, diga-se de passagem, rsrs) eram muito melhores. Com cerveja e refri, conta total ficou em $53,50 (uns R$ 140,00).

Saímos de lá e voltamos até a ponte que cruzava o Bow River, lugar muito bonito, estávamos começando a nos apaixonar… Tiramos diversas fotos.

Voltamos para o hotel e ficamos impressionados com o nosso quarto. Era enooooorme!! Com duas camas de casal, muito espaçoso (frigobar, microondas, cafeteira, ar condicionado), banheiro imenso, varanda imensa. Era o melhor quarto de hotel até o momento, sem dúvida. Mas não perdemos muito tempo, tínhamos uma programação a cumprir!

Pegamos o carro e fomos até a entrada da “Tunnel Mountain Trail“, uma trilha que fica no centro mesmo de Banff, tem pouco mais de 2km de extensão e sobe até 1.690m de altitude (Banff está a 1.383m). A subida oferece vistas espetaculares. Recomendo muito!! Ficamos encantados. Dá pra ver toda a cidade, o vale em volta e as montanhas no entorno. Tivemos sorte com o tempo que estava ideal para uma trilha (sem calor, sem chuva).

Nosso primeiro dia nas Rochosas foi assim, inesquecível. Voltamos felizes para o hotel, depois de passarmos no supermercado. Fomos dormir cedo para aproveitarmos melhor o dia seguinte. Que foi ainda mais incrível..