Arquivo de Tag | polvo ao vinagrete

Polvo ao vinagrete

Final de semana passado fui convidada para almoçar na casa de uma prima e, pra não chegar de mãos vazias, lá fui eu pra feira!! Comprei um polvo (adoooooro), estava fresquinho e com um preço razoável. Como íamos pra piscina, tive a ideia de fazer um polvo ao vinagrete, tira-gosto pra se comer frio, acompanhado de torradinhas e um vinho branco geladinho ;).

Sei que muita gente não gosta de polvo, o que eu sinceramente acho lamentável, rsrsrs. Vivi toda a minha vida em cidade beira-mar, de forma que polvo sempre foi um alimento corriqueiro em minha mesa. Na praia de Porto de Galinhas e Maracaípe, em Pernambuco, comíamos sempre caldinho de polvo (ou polvo ao coco) com bastante limão e pimenta. Aaaaiiiii….. muito bom! Saudade que não tem fim…

O polvo é um molusco, tem um corpo todo mole, não possui espinhas ou ossos e tem oito tentáculos cheios de ventosas. Para quem não sabe, ele também solta tinta em situações de perigo (como as lulas) e muda de cor para se camuflar. Não é lindo??!! Muito fã, hahaha.

Polvo ao vinagrete

Rendimento: 1 porção para tira-gosto, serve umas 4 pessoas. Tempo de preparo: 30 min.

Ingredientes:

  • 1 polvo de aproximadamente 1kg (depois que cozinhar ele vai reduzir para 200g!)
  • 1 cebola comum grande
  • 1/2 cebola roxa (pode ser com a branca)
  • 1 tomate pequeno sem sementes
  • 1 pimenta dedo-de-moça bem picada
  • 2 colheres sopa cebolinha picada
  • 2 colheres sopa de salsinha picada
  • 80 ml de vinagre de maçã (ou outro de sua preferência)
  • 100 ml de azeite de boa qualidade

Modo de preparo:

1-Lave o polvo e coloque-o em uma panela de pressão com uma cebola grande cortada em quatro partes, dois copos de água e um pouco de sal.

2-Depois que pegar pressão, deixe de 7 a 9 min, dependendo do tamanho do bichinho e se você prefere ele com uma consistência mais firme (al dente) ou mais macio. Eu deixei 9 min para um polvo de 1kg, mas achei que poderia ter ficado um pouco menos (ele ficou macio). Escorra e passe na água fria apenas para que ele não continue cozinhando (ou mergulhe-o em um recipiente com água e gelo).

3-Corte em rodelinhas de 1 cm no máximo. Eu aproveitei apenas os tentáculos do polvo. Reserve.

4-Pique bem todas as verduras. Quando for cortar a pimenta, despreze as sementes (a não ser que você goste muito de pimenta ardida!).

5-Junte as verduras picadas e o polvo num recipiente. Acrescente sal, o vinagre e o azeite.

6-Coloque em um recipiente limpo, tampe e leve à geladeira, por pelo menos duas horas.

7-Quando for servir, disponha o vinagrete de polvo em um pequeno bowl, enfeite com salsinha e sirva acompanhado de torradinhas.

Aaaaah! Não esqueça de abrir um bom vinho branco gelado (ou um espumante, ou um rosé). Vai fazer sucesso!

Semana que vem, tem mais!!

 

 

Anúncios

Cidade do Porto

Famosos barcos "rabelo" que transportavam vinho do Porto, no rio Douro

Famosos barcos “rabelo” que transportavam vinho do Porto, no rio Douro

Hoje vou levar vocês até a cidade do Porto, em Portugal, uma cidade encantadora, principalmente para os amantes de vinho do Porto. Confesso que eu nem era fã deste vinho, mas não porque não gostasse dele, mas simplesmente por não ter lhe dado importância (até agora). Vinho que vim a experimentar ainda criança, nos dias em que tomava chuva ao voltar da escola… Meu pai era médico e acreditava (ele estava certíssimo!!!) que o vinho do Porto cortaria qualquer gripe que sonhasse em se instalar. Não sei de que marca era, nem há quanto tempo ele estava ali guardado no armário da sala… Agora, mais de 30 anos depois, tendo oportunidade de conhecer a fundo, e in loco, todos os detalhes da fabricação desse vinho tão especial, e tendo degustado alguns diferentes tipos, não o dispensarei jamais! Levanta qualquer sobremesa!

O dono do restaurante A Grade e a senhora simpática que nos atendeu

O dono do restaurante A Grade e a senhora simpática que nos atendeu

Mas vamos lá. Eu e meu marido chegamos em Porto no último dia 15 de outubro à tarde. Deixamos nossas coisas no hotel e pegamos logo uma dica para almoçarmos. Estávamos famintos. Fomos no pitoresco restaurantezinho familiar “A Grade” (Rua de São Nicolau, 9), na Ribeira. Pequenino e aconchegante, com ótimo atendimento. A senhora que nos atendeu (cuja vó era de Minas Gerais!!)  trouxe de entrada um polvo ao vinagrete que estava muito bom, super macio. De principal comemos um excelente bacalhau e camarões grelhados com arroz de grelo (uma folha!!!! muito utilizada pelos portugueses, kkkkk). E pra fechar, um “leite creme”, tipo um crème brulée.

Vinagrete de polvo d'A Grade

Vinagrete de polvo d’A Grade

Bacalhau crocante com batatas (Bacalhau à Grade)

Bacalhau crocante com batatas (Bacalhau à Grade)

Camarões grelhados

Camarões grelhados

 

"Leite creme", sobremesa muito tradicional portuguesa

“Leite creme”, sobremesa muito tradicional portuguesa

Dia seguinte, fomos então conhecer as famosas vinícolas que ficam em Vila Nova de Gaia, em frente a cidade do Porto, do outro lado do rio Douro. Decidimos ir primeiro até a Taylor’s, por indicação de amigos e reportagens que li. Uma super estrutura para receber turistas. Um tour bem organizadinho, mas infelizmente peguei em inglês e perdi alguma coisa. Além do que, o grupo era grande e terminei um pouco dispersa. Degustamos 3 vinhos do Porto: um branco, mais gelado, logo de entrada; depois um tinto do tipo clássico Ruby, que são armazenados nos “balseiros”, imensos tonéis de madeira, que guardam em torno de 30 mil litros de vinho; e um terceiro, tinto, clássico do tipo Tawny, que são armazenados em barricas de carvalho, normalmente francesas. Ficamos aí já maravilhados. Vinhos frescos, com sabores frutados e amadeirados que desconhecíamos, pois só lembrávamos daqueles vinhos guardados nos armários há tantos anos por nossos avós…

Degustação de vinhos do Porto na Taylor's

Degustação de vinhos do Porto na Taylor’s

Vinhos do Porto da Graham's

Vinhos do Porto da Graham’s

 

Segundo dia foi a vez do tour na Graham’s, que valeu cada gota de suor que derramamos, pois pra chegar lá a pé foi complicado, kkkkk. Escolhemos um tour que incluísse uma degustação mais especial: um six grapes reserve, um tawny 10 anos e um tawny 30 anos. Ai, ai, ai…. caí de amores…. Todos divinos e maravilhosos, quanto tempo perdi meu Deus!!!

Barricas de carvalho francês abarrotadas de vinho do Porto (Tawny)

Barricas de carvalho francês abarrotadas de vinho do Porto (Tawny)

Mas a glória veio depois, quando fomos ao Café Majestic, tradicionalíssimo e imperdível na cidade, e pedimos uma “rabanada” e um “toucinho do céu” acompanhados de vinho do Porto Tawny 10 anos… surreal!!!! A sobremesa se já era maravilhosa ficou muuuito melhor com aquele Porto mágico!!!

Rabanada do Cafe Majestic, em Porto

Rabanada do Cafe Majestic, em Porto

No próximo post não percam!! Um delicioso jantar num restaurante contemporâneo do Porto.

 

Aniversário do Claudinho, 27/11

Já se passaram 18 dias desde o meu último post. Eu estou com o tempo apertadíssimo! Final de ano, final de curso na faculdade, muitas provas, trabalho pra apresentar, treinos extras, enfim, sabem como é…. e pra completar, final de semana retrasado foi aniversário do meu marido, passei sábado e domingo onde????!!! ….. não precisa ser gênio pra adivinhar: na cozinha, claro. Foram muitas horas de preparação, incluindo as compras, organização da casa, das taças, pratos, etc. Seríamos ao todo 11 comensais.

Comecei no sábado com a preparação das entradas e sobremesa. Fiz uma pasta de grão de bico, a famosa “homus tahine” (que eu já coloquei a receita no post do dia 22/09) e um vinagrete de polvo, que modéstia à parte, ficou ótimo, principalmente nesta época mais quente (que aliás, nem está tão quente assim, felizmente!). Segue a receita do polvo:

Vinagrete de polvo

Vinagrete de polvo

Polvo ao vinagrete:

1kg de polvo bem fresco e limpo

1 cebola grande

1/2 pimentão vermelho

1/2 pimentão verde

1/2 pimentão amarelo

1 pimenta dedo de moça (sem sementes)

1 cebola pequena (pode ser da roxa)

2 tomates

salsinha a gosto

azeite, vinagre de vinho branco e sal a gosto

Modo de preparo: Colocar o polvo inteiro numa panela de pressão com pouca água, uma cebola grande cortada em rodelas grossas e um pouco de sal. Quando a panela começar a “apitar” deixar por 6min, para um polvo “al denti”, 7 min, para um polvo um pouco mais macio (foi o tempo que deixei). Retirar ele da panela e colocar em água com gelo para esfriar rapidamente (assim ele não continua cozinhando). Cortar em pequenos pedaços. Eu prefiro deixar as ventosas, fica com mais cara de polvo e um sabor mais acentuado. Há quem prefira retirar tudo. Aí é uma questão pessoal… Bom, depois é só picar bem picadinhos os ingredientes, misturar com o polvo, acrescentar o azeite, muito azeite (e de boa qualidade por favor!!), um pouco de vinagre e o sal a gosto. Normalmente para um vinagrete eu uso a proporção de 3 partes de azeite para 1 parte de vinagre. Deixar na geladeira por pelo menos 1 hora antes de servir. O ideal mesmo é servi-lo só no dia seguinte, para que tome gosto.

O prato principal, preparado no dia mesmo, foi um super cherne (também conhecido por garoupa). Quase 6kg! Bem fresco, comprado na feirinha de Botafogo, na Rua Paulo Barreto, que acontece todos os sábados. Lavei-o bem, espremi uns 3 limões e espalhei o suco nele todo. Dei uns cortes transversais e temperei com bastante azeite, alho amassado, ervas frescas (alecrim e tomilho), sal grosso moído na hora e pimenta do reino também moída na hora.

O cherne temperado

O cherne temperado

Dentro da barriga dele, botei um monte de galhos de alecrim e tomilho frescos. Esperei uma hora e botei ele pra assar com todo o líquido da marinada, mas primeiramente coberto com um papel alumínio. Depois tirei e deixei dourar. Sem segredos.

O cherne saindo do forno

O cherne saindo do forno

Acompanhou um delicioso arroz negro, uma salada de folhas variadas e tomates cerejas com molho vinagrete de geléia de fisalis (ou Physalis), couve crocante com tomatinhos assados e uma batata de forno com queijo gouda (de Gouda mesmo! lembram? eu estive lá há pouco tempo…).

Acompanhamentos

Acompanhamentos

E para finalizar, servi um torta de limão siciliano que vi no programa “Que Marravilha!” do Claude Troisgros. Se vocês quiserem ver a receita diretamente do site, cliquem aqui. Só achamos que a massa de biscoito não ficou crocante, pois o creme de limão fica muito líquido e termina “encharcando” a massa. Mas o sabor estava ótimo e todos gostaram (eu acho, rsrsrsrs). De qualquer forma, eu havia comprado sorvete para aqueles que não curtem muito uma torta de limão. Deliciem-se!!!

Torta de limão siciliano do Claude

Torta de limão siciliano do Claude