Arquivo de Tag | truta

Rüdesheim am Rhein e Mainz (Vale do Reno)

Beco Drosselgasse

Beco Drosselgasse

Quando meu marido me propôs viajarmos pelo Vale do rio Reno e do rio Mosel, na Alemanha, comprei a aventura na hora. Já imaginei o roteiro completo: além dos vales dos dois rios, iríamos até a Alsácia (França) e a Suíça, vizinhas da Alemanha. Saindo de Frankfurt e voltando para o mesmo ponto de onde partimos. Seria uma viagem circular. Escolhi cuidadosamente todas as cidades por onde passaríamos. E acho que fiz um roteiro perfeito. Já postei aqui diversos trechos dessa viagem, mas não contei ainda como e onde tudo começou.

Saímos do Rio no dia 23/04, feriado de São Jorge, direto para Frankfurt. Pegamos um carro previamente alugado no aeroporto e seguimos para o nosso primeiro destino: Rüdesheim. Nem tentem pronunciar o nome dessa cidade. Eu e meu marido tentamos, mas ninguém nos entendeu. Tivemos que mostrar no papel, o nome escrito… E olhem que meu marido morou na Alemanha! kkk.

Então, chegamos na Alemanha num horário ótimo, à tarde, ainda ensolarada. Fomos direto para nosso hotel, o Gasthaus Rose Rüdesheim. A dona não falava nada em inglês, mas era tão simpática, tão simpática que conseguimos travar um bom papo, com o pouco que meu marido arranhava em alemão – mais um monte de mímicas – antes de subirmos para o quarto.

Licores em loja de Rüdesheim

Licores em loja de Rüdesheim

Saímos para explorar a graciosa cidade. Ela fica na beira do Rio Reno e é Patrimônio da Humanidade. Por isto, é uma cidade bem turística, por suas construções históricas, museus e, claro, seus vinhos. Há também uma incrível produção de licores caseiros. Uma loja linda no centro histórico oferece uma imensa variedade de licores, em que você escolhe a sua garrafinha (há dezenas de modelos e tamanhos) e o sabor, no estilo “self service”.

O famoso “Beco Drosselgasse” é uma delícia, com belas casas medievais. Muitos restaurantes, todos bem típicos. Depois de andarmos bastante, escolhemos o “Breuer’s Rüdesheim Schloss“, indicado pelo Michelin e ao mesmo tempo, hotel e restaurante.

Sentamos no terraço externo, onde um homem tocava órgão e até acordeão (ouvir Sting nesse instrumento foi inédito!).

Terraço do

Vinho no terraço do Breuer’s Rüdesheim Schloss

Fomos de truta, eu e ele. A minha era defumada, com salada e raiz forte. A dele era frita, com molho de manteiga e amêndoas. O vinho foi um branco local, o GB Sauvage, Riesling, gelado, delicioso, com acidez acentuada e muito frescor.

Truta frita do Breuer's Rüdesheim Schloss

Truta frita do Breuer’s Rüdesheim Schloss

Truta defumada do Breuer's Rüdesheim Schloss

Truta defumada do Breuer’s Rüdesheim Schloss

No dia seguinte visitamos a bela cidade de Mainz, também no Reno (um pouco mais ao sul). A melhor atração foi sua feira livre, na Praça do Mercado. Aspargos e mais aspargos, de todos os tamanhos, nunca os tinha visto assim, frescos, enormes.  Descobri que era o auge da safra e já fiquei de água na boca. Voltamos à tarde para Rüdesheim, para pegarmos o teleférico que nos levou até o Niederwald, um belo monumento no alto de uma montanha de onde se tem belíssimas vistas da cidade e do Rio Reno. Imperdível.

Feira livre no centro de Mainz

Feira livre no centro de Mainz

Aspargos frescos na feira de Mainz

Aspargos frescos na feira de Mainz

À noite, partimos para mais uma experiência gastronômica, no restaurante “Winzerkeller“, uma casa linda, do século XVII, onde degustei, adivinhem… os arpargos! E pedi na forma mais simples possível, para que seu sabor não fosse mascarado: só no “beurre blanc” (molho à base de vinho branco e manteiga)… Cláudio pediu uma linguiça do tipo chouriço, feita com o sangue do porco, um prato bem leve, rsrs. Pra rebater, uma apfelstrudel inesquecível, porque foi uma das melhores que comi na Alemanha (a outra foi em Heidelberg).

Linguiça tipo chouriço

Linguiça tipo chouriço

Aspargos frescos

Aspargos frescos

Apfelstrudel no

Apfelstrudel no Winzerkeller

 

A partir do dia seguinte, partimos para conhecer um dos lugares mais lindos da Europa, o Vale do Reno e seus castelos… E depois dele, o Vale do Mosel…

 

Anúncios

Fim de semana em Araras-RJ

Queijo de ovelha do Sítio Solidão e vinho Delicato, em frente à lareira...

Queijo de ovelha do Sítio Solidão e vinho Delicato, em frente à lareira…

Conforme eu havia dito, fui passar o final de semana em Araras. É para onde eu e Claudinho vamos quando queremos dar uma relaxada. Ano passado descobrimos uma pousada muito legal, aconchegante, boa para casais, quartos confortáveis, chamada La Belle Bruna  mas desta vez fomos em outra pousada, a Pousada das Araras onde comemoramos, recentemente, os 80 anos do meu sogro. Ela fica numa propriedade enorme e possui diversos chalés, com 1 ou 2 quartos, com hidro ou sem hidro. Todos muito bons, com lareira, estilo rústico, mas confortável. O que nós ficamos tinha frigobar, tv, salinha com sofá e lareira, cama king size, wc espaçoso. Chegamos na sexta feira à noite, e aproveitamos a nossa aconchegante salinha, acendemos a lareira e tomamos um vinho (Delicato, californiano, uva Zinfandel, safra 2008) muito gostoso, com um leve sabor de cereja, acompanhado de uns queijos do Sítio Solidão, presunto cru, patê e torradas antes de irmos dormir.

No dia seguinte, após o ótimo e farto café da manhã (destaque para a coalhada), fomos para a piscina. Quer dizer, fomos para a área da piscina, aproveitar o sol, o silêncio, o canto dos pássaros, … ah! e uma massagem relaxante. Tem também sauna e uma piscina natural que estava seca, devido a falta de chuvas naquela região neste período.

Café da manhã da Pousada das Araras

Café da manhã da Pousada das Araras

Resolvemos almoçar no Afrânio, restaurante que fica na estrada principal de Araras, num condomínio, junto com mais dois restaurantes. Escolhemos o terraço externo e fomos atendidos pelo Gilson, cearense, simpático demais. Pedimos logo um vinho que já conhecíamos, o Rosé D’Anjou, francês, safra 2009, sabor de caramelo e mineral. Não estava gelado ainda, mas o Gilson logo providenciou um balde de gelo.

Vinho Rosé D’Anjou

Para o almoço pedi um ravioli de ossobuco (a massa é preparada na casa) com molho de açafrão. A massa estava bem delicada, mas o molho estava neutro demais. Poderia também ter chegado mais quente na mesa. Claudinho pediu uma Truta a Araras, que vinha com amêndoas, cebolas caramelizadas e arroz de passas. Gostei mais do prato dele. No final, demos nota 6 aos nossos pratos.

 

Ravioli de ossobuco com molho de açafrão

Ravioli de ossobuco com molho de açafrão

Truta a Araras, com amêndoas, cebolas caramelizadas e arroz de passas

Truta a Araras, com amêndoas, cebolas caramelizadas e arroz de passas

 

Agora, quanto a sobremesa, esta eu só tenho que elogiar. Pedi uma sopa de morangos com sorvete de abacaxi e hortelã. Claudinho foi no clássico petit gateau que, como um diferencial, vinha com uma calda de chocolate e outra de frutas vermelhas.

Sopa de morangos com sorvete de abacaxi e hortelã

Sopa de morangos com sorvete de abacaxi e hortelã

Terminamos o almoço pra lá das 4 horas da tarde. Obviamente que não tivemos estômago pra jantar! Me limitei a uma coca-cola zero (acreditem!!) e umas torradinhas com o queijo de ovelha (divino) que havia sobrado da noite anterior….
Mas no domingo, eu já estava nova em folha outra vez. Zerada. Exagerei um pouco no café da manhã, que estava ainda mais interessante. Comi umas rabanadas deliciosas. e fomos novamente para a “piscina”. Resolvemos almoçar no próprio restaurante da Pousada, pois da outra vez que eu havia ido lá, tinha comido muito bem. O chef era o Manuel, da Paraíba! Depois que almoçamos, descobri que o Manuel estava de folga, e que quem estava no seu lugar era sua esposa, Sandra, também da Paraíba. O mais engraçado de tudo é que eles não se conheceram lá na Paraíba e sim dentro da cozinha daquela pousada, rsrsrsrs. Quando ele chegou pra trabalhar lá, ela era a “chef” e ele ficou como seu assistente. Hoje é o contrário. Enfim, ela nos preparou um filé mignon com molho de mostarda e batata rosti. Já comi melhores (o molho estava forte demais), mas o filé estava bem feitinho, embora não estivesse mal passado (como pedi), e sim ao ponto pra mal. A batata rosti estava razoável
Filé mignon ao molho de mostarda com batata rosti

Filé mignon ao molho de mostarda com batata rosti

Empadinha de cogumelos

Empadinha de cogumelos