Arquivo de Tag | gastronomia francesa

Lyon – França – Parte 1

Place des Terreaux – Lyon (Prédio da Prefeitura)

No ano passado, eu e meu marido decidimos que neste ano de 2018 faríamos um curso de conversação na França. Estávamos no nível B2.2 de francês da Aliança Francesa no segundo semestre de 2017, mas não chegamos a terminá-lo. Preferimos contratar uma professora particular e começamos a priorizar a parte mais difícil do aprendizado de uma nova língua: falar. Claro que já tínhamos uma boa noção. Os anos na Aliança nos deram uma base bem sólida. E a partir de então alimentamos essa ideia de escolher uma cidade na França para estudarmos. Excluímos Paris de cara, pois além de já conhecermos bastante, seria uma opção muito cara. Somado a isso, tenho grande atração por cidades do interior. Então comecei a considerar a cidade de Lyon.

Place Bellecour – No coração de Lyon

Terminamos decidindo mesmo estudar em Lyon, devido também à grande ligação dessa cidade com a gastronomia. Há grandes restaurantes, grandes Chefs, mas principalmente, ótimas escolas e cursos para quem quer aprender um pouco da culinária local e clássica. Eu poderia unir o útil ao agradável 😉 Vejam minha resenha sobre a Brasserie Le Nord, fundada pelo Chef Paul Bocuse, que tivemos o prazer de conhecer, em Lyon.

Chegamos à cidade num domingo ensolarado de maio, vindos de trem de Paris, e fomos direto para “nossa casa”, um apartamento que alugamos no Airbnb, na Rue de la Martinière, centro da cidade. Muito legal por sinal. Super bem localizado, a 600m de nosso curso, com mercados próximos, além de muitas opções de restaurantes, bares, padarias e comércio variado. Uma delícia! Foi a experiência mais próxima de “morar fora” que tive em minha vida. E a mais saborosa, literalmente. Ao lado do meu apartamento tinha um mercado de orgânicos, que cogumelos eram aqueles???!!!! Sempre frescos e apetitosos. Por este motivo, muitas vezes preferimos jantar em casa mesmo, pois cozinhar com ingredientes de primeira é sucesso garantido!!! Qualquer coisa que eu inventasse dava certo, fosse pelo clima europeu, pelo vinho nacional barato e maravilhoso, por estarmos de férias, enfim, por eu também ter algum talento, hehehe, cada experiência foi memorável.

Place des Jacobins – Lyon

Difícil contar aqui tudo o que vivemos em 3 semanas, serão necessários muitos posts. Mas vou escolher um pedacinho de Lyon de cada vez, contar o que eu lembrar, para que eu mesma nunca mais esqueça.

De manhã cedo, 3 vezes por semana, saíamos muito cedo para correr na beira do Rio Saône, um dos dois rios que cortam a cidade. O outro chama-se Rhône, que nasce nos Alpes Suíços, cruza a Suíça e vem se juntar ao Saône em Lyon. De suas margens nascem os emblemáticos vinhos “Côtes-du-Rhône“, muito bons. Depois o rio prossegue até o Mediterrâneo onde deságua.

Encontro dos Rios Rhône e Saône

Ciclovia e pista para corrida na margem do rio Rhône

A margem dos dois rios são fantásticas pra correr, protegidas por um muro alto, não dava pra ouvir o barulho dos carros que passavam. O rio é verde escuro e suficientemente transparente para se ver os peixes. Sempre tinha alguém pescando pela manhã. O Rhône é ainda mais transparente. Na outra margem do rio Saône, a cidade antiga, a “Vieux Lyon“, que nos dava ainda mais inspiração pra correr, com seu casario antigo e colorido que enchia nossos olhos e nosso imaginário. Terminávamos a corrida e íamos na “boulangerie” (padaria) da esquina e comprávamos uma baguete “cereales“, ainda morna, para comermos com manteiga (deliciosa, com cristais de sal), queijo brie ou camembert em nosso apartamento. Posso até sentir o sabor…

Beira do Rio Saône – Lyon – Onde corríamos de manhã cedo

Rio Saône – Vieux Lyon

No dia mesmo em que chegamos, fomos à Vieux Lyon, a parte mais antiga da cidade. Demos uma caminhada pela Rue Saint-Jean, a principal, cheia de lojas e restaurantes, com prédios antigos. Como sempre, a parte mais pitoresca e simpática de qualquer cidade europeia.

Vieux Lyon – Rue Saint-Jean

Estávamos famintos, procuramos um lugar que nos chamasse alguma atenção, mas vocês sabem, quando a gente tá com fome e com pressa, não sabemos tomar a melhor decisão. O restaurante chamava-se “Petit Glouton“, e arrisquei um carneiro grelhado. Cláudio, meu marido, preferiu um joelho de porco. Os bistrôs de Lyon (“Bouchons’) são famosos por sua comida caseira, porém nem um pouco light, 😛 . Não achamos nada de especial. As batatas vieram gratinadas, acompanhadas de tomates recheados e salada básica.

Joelho de porco e Cordeiro grelhado, no Petit Glouton

Nesse mesmo dia à noite, fizemos compras e improvisei um espaguete orgânico (feito com trigo, quinoa, alho e salsa), com um molho preparado com cogumelos frescos, brócolis, alho, cebola, azeite, manteiga (na França, é imprescindível, hoje não deixo de acrescentá-la em meus pratos), vinho branco e creme de leite fresco, que você encontra de infinitos tipos, com consistências diferentes. Uma maravilha. Cervejinha do lado pra inspirar, e depois um bom vinho francês pra acompanhar o prato!!! Chef Lu Hazin arregaçando as mangas 😆

Macarronada vegetariana improvisada

 

Tem mais de Lyon em breve!

 

Anúncios

Brasserie Le Nord – Lyon, França

OiêêêêÊ!!! De volta ao blog!! Desculpem a ausência, mas foi por um bom motivo. Estive na França e em Portugal, ao todo 5 semanas, sendo que 3 delas foram dedicadas ao estudo do francês. Eu e meu marido já havíamos feito alguns anos de Aliança Francesa e mais um tempo de aulas particulares, então achamos que estava na hora de fazermos um teste de sobrevivência “in loco”, ou seja, o plano seria passar um tempo na França, se possível entrar num curso de conversação e vivermos um pouco o dia-a-dia dos franceses, imergindo em sua cultura, língua, clima, etc. Foi o que fizemos 🙂 . E valeu muito a pena! Escolhi Lyon por esta cidade ter um viés gastronômico. Minha ideia era aproveitar minha estada lá e fazer algum curso de culinária e obviamente, aproveitar das infinitas opções de restaurantes maravilhosos da cidade. Foi a escolha certa, hehehe.

Este post de hoje é pra falar do restaurante “Brasserie Le Nord“, o único que conheci que pertencia ao grande Chef Paul Bocuse, considerado o “papa” da cozinha francesa, um dos criadores do movimento denominado “nouvelle cuisine“. Infelizmente, ele morreu em janeiro deste ano, aos 91, e não tive oportunidade de conhecê-lo pessoalmente 😦 . De qualquer forma, seria muito difícil conseguir ter acesso a ele. Seu restaurante mais tradicional e antigo é o “Auberge du Pont de Collonges” que ostenta 3 estrelas no Guia Michelin desde 1965. Não deu pra gente ir lá… além de muito caro era um pouco distante do centro da cidade. Por isso mesmo escolhi uma de suas Brasseries (são 4 no centro de Lyon, fora outros restaurantes) que possuem preços mais acessíveis. A Le Nord foi a primeira Brasserie aberta por Bocuse, em 1994. Seu cardápio é baseado em clássicos da gastronomia “lyonnaise”.

Fomos na hora do almoço, não estava lotado, chegamos relativamente cedo, dia de semana. Ambiente tradicionalíssimo de bistrô. Na entrada, um terraço charmoso, e dentro, um balcão belíssimo e mesas distribuídas por um salão não muito grande, mas elegante (um lindo vitral dava um colorido ao ambiente). Uma moça simpática veio nos atender, pedi uma cerveja imediatamente. Decidimos encarar o menu do dia (“menu du jour”) proposto por eles. Na verdade eles oferecem 2 ou mais opções diferentes e você escolhe entre elas a que mais lhe apetece. Pedimos um menu de 3 pratos (“formule 3 plats”): entrada (entrée), prato principal (plat du jour) e sobremesa (dessert).

Eu e meu marido optamos pela mesma entrada: “Saucisson chaud pistaché en brioche“, que é uma especialidade “lyonnaise”. Nada mais é que uma fatia grande de brioche (tipo de pão) recheado com uma espécie de salsichão que leva pistaches em sua composição. Acompanhado de uma salada verde simples. Não achamos nada demais. Meu marido até achou ruim. Eu não achei ruim, mas realmente foi um pouco frustrante, o prato é seco, diferente da ideia que temos de pratos franceses, sempre bem “molhados”, rsrs. Vinho da casa pra acompanhar…

Nossa escolha de prato principal também foi a mesma e dessa vez ambos adoramos: “Échine de cochon fermier rôtie à la broche“. Uma parte do lombo de porco (oriundo de fazenda) assado, acompanhado de purê de batatas e de “piperade de poivrons doux” uma espécie de “ratatouille” agridoce, feita com pimentões vermelhos. Achei delicioso!! O porco era inacreditavelmente macio, a consistência era bem diferente da que conhecemos dos porcos daqui, normalmente mais seca e fibrosa. A que comi lá parecia um filé mignon, mais macio ainda… incrível.

De sobremesa pedimos coisas diferentes, mas depois fiquei morrendo de inveja da dele, hahaha. Não que a minha estivesse ruim, mas a dele estava genial. A minha foi um “clafoutis aux cerises“, tipo um bolo baixinho, com cerejas (também especialidade da região). Cláudio pediu uma “délice de fromage blanc, compote e coulis de framboises“, tipo um pudim, ou flan, de queijo, com uma calda de framboesas, uma maravilha dos deuses!!!

Nossa conta total foi de 77 euros, condizente com a qualidade dos pratos, dos ingredientes, do atendimento super atencioso e do ambiente acolhedor. Uma foto do Bocuse e uma frase dele na parede me chamaram atenção na saída. Mesmo ele não estando mais ali, pude sentir através de suas palavras, o quão importante era para ele (e sei que é também para todos os franceses) o momento de sentar-se à mesa, com amigos, com família, para compartilhar uma boa refeição. Aaaahhh…. a França…. curto demais… perdoem-me os que torcem pelos croatas, mas não vou negar que estarei do lado dos “les bleus” no próximo domingo! \o/ \o/ \o/

“Na mesa com os amigos o tempo não conta” – Paul Bocuse