Arquivo de Tag | Rue Victor Hugo

Lyon, França – Parte 3

Em nossa segunda semana em Lyon, já nos sentíamos “em casa”. Após nossa viagem no primeiro final de semana para a Região do Beaujolais, voltamos à rotina de aulas de francês e comidinhas em casa, regadas a vinhos locais e cervejas especiais. Tudo mil maravilhas.

Cada dia a gente escolhia um lugar diferente para explorar no final do dia, já que as aulas acabavam por volta das 15h. Num desses dias fomos até o encontro dos Rios Saône e Rhône, chamado de “Confluence”. Um bairro interessante, bem moderno, com shopping e um Museu (Museu de La Confluence) ultra moderno. Não entramos, mas curtimos bastante o seu “design”.

“La Confluence”, onde os Rios Saône e Rhône se encontram (embaixo à direita, Museu de La Confluence)

De lá, voltamos caminhando pela Rue Victor Hugo toda de comércio (mais em conta que a Rue de La Republique) até a Place Bellecour, que aliás é importante saber que é a terceira maior praça da França e uma das maiores da Europa. Estava fazendo sol neste dia e ela estava deslumbrante. Perto dali, tem uma rua repleta de restaurantes, a “Rue des Marronniers” (Marronnier é o nome da árvore cujo fruto é a castanha-da-índia). Seguimos a indicação de um amigo de uma prima minha, que é lyonnais, e fomos ao “La Mère Jean“.

Rue Victor Hugo e Place Bellecour e vista da Basilique Notre Dame de Fourvière

A dica era experimentar um prato típico de Lyon, chamado “Quenelle“. Trata-se de uma massa em formato oval, tipo um nhoque gigante, feito de farinha, leite e ovos. O molho tradicional é de peixe (Lúcio, que se encontra ali no Rio Saône), mas alguns levam lagosta também. O nosso era assim, molho cremoso sabor lagosta. Gratinado. Demorou um pouco, mas avisaram antes que era feito na hora e tal, tínhamos que ter paciência… Pedi uma porção de pão pra enganar a forme e a garçonete disse que não ia trazer, acreditam??!! Disse que eu tinha que esperar pois o prato já era muito calórico, hahahaha. O vizinho da mesa ao lado ficou com pena de mim e me deu parte da porção de pão que estava em sua mesa. Rimos muito com isso.

Meu marido não gostou muito da tal da “Quenelle”. Eu que curto massa até que gostei. E gostei mais ainda do molho, bem saboroso. Um prato realmente calórico. E como se não bastasse ainda servem batatas fritas pra acompanhar, o que eu achei completamente desnecessário. Dividimos uma Quenelle para nós dois e foi mais que suficiente, rsrsrs.

Restaurante La Mère Jean e a “Quenelle”

A melhor parte foi a da sobremesa, também típica de Lyon: “Tarte aux Pralines”. Uma espécie de quiche doce. O recheio é feito com as “pralines roses” que são amêndoas cobertas de açúcar (caramelizadas), com algum corante “rosa-chock”, hahaha. Eu não estava levando fé nenhuma, mas como sou curiosa, resolvi experimentar. Gostei tanto que comi outras vezes depois, como por exemplo, na popular casa de chá e restaurante “Paul”, a mais saborosa “tarte aux pralines” que comi em Lyon. Dos deuses.

“Tarte aux Pralines” do La Mère Jean

“Tarte aux Pralines” do Paul

Noutro dia voltamos lá no “La Mère Jean” para experimentar mais uma das iguarias de Lyon: “les tripes” (tripas!). Aliás, tem muito prato típico à base de miúdos e tripas nos “Bouchons” (bistrôs típicos de Lyon). Esse prato era parecido com nossa dobradinha, porém, sem o feijão branco, ou seja, só mesmo o “bucho” cozido. Na Cidade do Porto comemos tripas muuuuuito mais saborosas que estas (vai ter post no futuro, aguardem!).

“Les tripes”

Outra especialidade lyonnaise servida nos Bouchons  é o “Tête de Veau” (cabeça de vitelo). No nosso último dia em Lyon, despedida da cidade, elegemos o “Bouchon Colette“, na popular Rue Mercière. Aliás, turistada toda vai lá porque é uma infinidade de restaurantes, um colado no outro, pra todos os gostos. Os moradores locais nem gostam muito de indicar restaurantes de lá, dizem que não são tão pitorescos, mas estávamos sem muito tempo pra pesquisar outro neste dia.

Cláudio, corajoso, enfrentou o “Tête de Veau”. Vieram uns pedaços de carne cozida da cabeça do vitelo, que deduzimos ser da bochecha, testa, língua… acompanhava batata cozida e um molho tipo tártaro. Eu pedi um outro prato também típico chamado “L’Andouillete“. Uma espécie de salsicha, recheada com carne de porco, tripas e outros miúdos,  cortada em pedaços e gratinada. Era meio esquisita… tinha um sabor bem marcante. Não estava ruim, mas também não adorei, rsrsrs. A cerveja estava excelente!

“Bouchon Colette” na Rue Mercière, 62

Penso que quando a gente viaja, tem que experimentar de tudo!! Tem coisas que você ama, outras nem tanto, mas como entender a cultura local sem conhecer o que as pessoas comem?!! E claro que não é só comida né, tem que procurar também saber um pouco da história da cidade, do país, suas raízes culturais (danças, músicas, roupas, hábitos, enfim…) senão será uma viagem incompleta.

No próximo post, contarei aqui nossa viagem à Grenoble, Annecy e outras surpresinhas mais!!! 😀

 

Anúncios