Arquivo de Tag | receita japonesa com shitake

Shitake Batayaki

Vou surfar hoje na mesma onda da semana passada: comida oriental! Afinal, teve gente que criou coragem e comprou um monte de ingredientes orientais pra fazer o Macarrão Bifum com Camarão e agora quer outras alternativas gastronômicas para usá-los!!! Hoje vou trazer uma receita light, bem legal pra fazer à noite, quando você não está com vontade de sujar muita coisa, nem de ter muito trabalho. Shitake Batayaki (receita típica da cozinha japonesa).

O Shitake é um cogumelo oriundo da Ásia, muito consumido na Coreia, China e Japão. A China é hoje a maior produtora e consumidora desse cogumelo. No Brasil, seu cultivo é relativamente recente (desde 1990) considerando que no Oriente ele é cultivado há mais de 1.000 anos. Na China, fazem uso medicinal do Shitake há mais de 6.000 anos!

Ele é nutritivo (possui várias vitaminas), rico em proteínas, antioxidantes e sais minerais. Para quem está querendo emagrecer, ele é recomendado, já que 100g do cogumelo fresco fornece apenas 34 calorias, muitas fibras e baixo índice glicêmico. Maravilha não? Engraçado é que apesar de ser um vegetal, ele tem uma textura e um sabor que lembra carne animal. E como se não bastasse, existem estudos que o apontam como um alimento auxiliar no combate ao câncer, além de controlar a pressão arterial e melhorar o sistema imunológico. Com tantas vantagens para a saúde, vamos comer mais cogumelos!! Existem outras variedades de cogumelos frescos disponíveis no mercado, como o Paris e o Shimeji.

Eu já postei aqui no Blog outras receitas que fiz com cogumelos, como o Penne al Funghi e Cocote de ovo com patê e cogumelos Paris.

Esta receita de Shitake Batayaki aprendi num curso de Cozinha Japonesa que fiz no SENAC há muito tempo atrás, aqui mesmo no Rio de Janeiro. Eu fiz, ao longo do tempo, algumas pequenas alterações. Dá pra duas pessoas.

Ingredientes:

  • 2 pacotes de shitake fresco (cada pacote tem 200g)
  • 4 colheres sopa de manteiga
  • pimenta do reino a gosto
  • 6 colheres sopa de shoyu (melhor utilizar o light, com menos sódio)
  • 3 colheres sopa de saquê culinário seco (se você já tem o Mirin, pode ser também, ele é mais adocicado um pouco)
  • 3 colheres sopa de açúcar
  • 1 envelope de hondashi (caldo de peixe japonês, que é vendido em pó). Se você não tiver em casa, pode ser feito sem ele.
  • 1 copo de agua
  • Opcional: um maço de nirá (picado em pedaços de uns 3cm)
  • Papel alumínio (2 folhas de uns 50 cm)

Modo de preparo:

Limpe os cogumelos com uma escovinha (não é legal lavar o cogumelo fresco com água, pois ele é esponjoso e absorve muito). Se não tiver uma escova, use uma toalha de papel, só para retirar eventuais resquícios de terra.

Corte-os em fatias finas (0,5 a 1 cm) e reserve.

Ligue o forno numa temperatura média (180°).

Em uma panela pequena, junte a água, o shoyu, o saquê, o açúcar e o hondashi. Leve ao fogo, mexa um pouco para dissolver o açúcar e ao ferver desligue.

Em uma grande frigideira, derreta a manteiga, coloque o shitake fatiado, tempere com pimenta do reino e o refogue até incorporar a manteiga e amolecer um pouco. Reserve.

Una as duas folhas de papel alumínio, uma do lado da outra, fazendo uma dobra na borda, de forma que se transforme em uma folha bem mais larga e que não deixe passar o líquido. Em uma assadeira pequena e funda, forre com esse papel alumínio, já formando um buraco central e levantando as bordas (veja a figura abaixo).

Coloque o shitake refogado, o molho, o nirá (se você optou por adicioná-lo) e feche o alumínio, juntando as bordas, de forma que fique bem vedado, pois o shitake será cozido no vapor. Esta técnica se chama na Itália de Cartoccio, ou Papillote na França. Ela permite que o alimento não perca seus nutrientes e fique bem macio.

Leve o “cartoccio” ao forno por uns 30 minutos (o shitake deve ficar al dente). Ao retirar do forno tenha muito cuidado. Dentro do cartoccio fica acumulado um vapor muito quente e ao abrir este vapor pode queimar a sua mão. Abra com a ajuda de um garfo longo.

Leve à mesa de imediato, e sirva com os hashis, ou com garfos, se não for muito hábil com eles, rsrs.

Você pode acompanhar esta delícia com um leve saquê gelado. Ou a bebida que preferir.

Uma vez reaproveitei este molho, no dia seguinte, para outra leva de cogumelos, ficou muito bom. Guardei-o em um pote de vidro na geladeira depois de frio.

Semana que vem vou viajar para a Chapada dos Veadeiros, em Goiás, e trarei dicas de lá. Experimentarei as guloseimas típicas do Cerrado. Me aguardem!!!

 

Anúncios