Arquivo de Tag | eisbein

Carnaval gastronômico

Portal de entrada de Pomerode

Portal de entrada de Pomerode

Resolvi aproveitar o carnaval para visitar um irmão que mora em Joinville. A princípio, aproveitaríamos a estada lá para fazermos um pouco de turismo. E assim foi. Estivemos em  Blumenau, Pomerode, São Francisco do Sul e Bombinhas, além da própria Joinville. O que eu não poderia imaginar era que ficaria tão encantada com as delícias de lá. Brinquei carnaval degustando cervejas locais e provando iguarias catarinenses, com sotaque alemão. Mas a marca registrada daquela região, sem dúvida, são as fantásticas linguiças. Há de diversos tipos, espalhadas em todos os supermercados, hortifrutis e até em pequenas vendas, nas ruas de Pomerode, que comercializam produtos artesanais, diretamente do produtor.

Tenda de linguiças e outros produtos artesanais em Pomerode.

Tenda de linguiças e outros produtos artesanais em Pomerode.

Há as do tipo “blumenau”, feitas exclusivamente com carne de porco, defumadas por horas e temperadas normalmente com alho. A marca mais tradicional de Pomerode é a Olho, mas experimentei outras marcas e todas são igualmente deliciosas. Há também as do tipo “mista”, feitas com carnes de porco e boi, também defumadas. Achei-as mais picantes, harmonizam com as cervejas mais encorpadas.

Cerveja tipo Bock, da cervejaria em Pomerode

Cerveja tipo Bock, da cervejaria Schornstein em Pomerode

 Em falar em cervejas, visitamos a Cervejaria  Schornstein, em Pomerode, onde é produzido também o chopp, que degustamos lá mesmo. Pilsen, Weiss, Bock, Stout, todos deliciosos. E por indicação de meu irmão e cunhada, ambos apreciadores da cerveja local, tomamos a joinvilense OPA (Pilsen, Weizen, Old Ale), também muito boa.

Mas voltando ao que mais interessa, eu não poderia sair de lá sem comer uma comida típica alemã, tendo em vista que Santa Catarina recebeu muitas colônias alemãs a partir do século XIX e é considerado o estado brasileiro “mais alemão” do Brasil, enquanto que Pomerode é a cidade “mais alemã”. E foi em Joinville, no Restaurante, também Pousada Grün Wald, que resolvemos experimentar ao mesmo tempo o tradicional “marreco recheado” e o “eisbein” (joelho de porco, assado ou defumado), ambos pratos típicos alemães. Estavam espetaculares, especialmente o joelho de porco. Bem dourado por fora, bem macio por dentro, como tem que ser. E junto com o marreco (“Ente mit Rotkohl”), foi servido seu acompanhamento mais tradicional, o repolho roxo refogado com maçã, agridoce, muito bom!

Típicos: Marreco Recheado e Joelho de Porco (Eisbein)

Típicos: Marreco Recheado e Joelho de Porco (Eisbein)

No último dia da viagem, no sábado pós-carnaval, fomos presenteados com a melhor “costela” que lembro ter comido na vida. Estava incrivelmente macia, deve ter sido assada por muitas horas. Segundo meu irmão, o Ademir, que comanda a churrasqueira e é o proprietário do “Assados Vila Nova”, abriu um pequeno negócio no bairro de Vila Nova, em Joinville, e fez sucesso rapidamente. Vende costela de boi e de porco (além de outros cortes) apenas nos finais de semana, e se você não fizer reserva com antecedência (47-3433-5043, eles não têm site), corre o risco de ficar sem a costela!

Ademir preparando seus grelhados em Joinville

Ademir preparando seus grelhados em Joinville

Deliciosa costela do Ademir

Deliciosa costela do Ademir

 

Mas meu carnaval não ficou só na base da dieta de engorda!!! Fizemos uma trilha imperdível para quem for por aquelas bandas e curte a natureza. Chama-se “rota das cachoeiras” e fica em Corupá-SC. Uma trilha bem puxada, de 2,9km de subida (3h30m ida e volta), com 14 cachoeiras espalhadas ao longo do caminho. A última, chamada Salto Grande é um espetáculo a parte, com 125m de altura. E haja trilha pra gastar toda caloria adquirida!!

14ª cachoeira da "Rota das Cachoeiras" em Corupá- SC

14ª cachoeira da “Rota das Cachoeiras” em Corupá- SC

Anúncios

Gastronomia da serra fluminense

Matei saudade de comer cabrito!

Tinha um restaurante em Olinda/PE no qual eu costumava comer há muitos anos atrás, que servia um pernil de cabrito inteiro, com fava, arroz, farofa e molho vinagrete. Dessas coisas que a gente não esquece nunca. Daí que no final de semana passado,  eu e meu marido estivemos em Araras, região serrana do Rio de Janeiro, e escolhemos um restaurante português (Oliveiras da Serra) para almoçarmos. Não, não comi bacalhau (eram pelo menos 15 opções). Comi, sim, de entrada uns ótimos bolinhos de bacalhau, bem crocantes e sequinhos. E depois, o danado do cabrito!!

Bolinho de bacalhau

Bolinho de bacalhau

Nosso pernil de cabrito foi servido assado com batatas de forno e arroz de brócolis. Estava muito saboroso (certamente foi bem marinado antes), mas a carne não estava tão suculenta quanto eu gostaria. Para dar um “plus”, havia um ótimo molho de hortelã para temperar o cabrito. O vinho que pedi para acompanhar combinou perfeitamente e até me surpreendeu em termos de qualidade. Era um português Monsaraz, alentejano, 2009, meia garrafa.

Pernil de Cabrito do Oliveiras da Serra

Pernil de Cabrito do Oliveiras da Serra

 

Por último, como sempre, meu marido escolheu a sobremesa: pastel de Belém. Estava muito bem feito. Veio quentinho, com canela à parte, para quem gosta. Fechamos com chave de ouro.

Pastel de Belém da D. Vera

Pastel de Belém da D. Vera

Curiosamente, uma das donas do restaurante, D. Vera, já esteve no programa “Mais Você”, preparando uma espécie de pão-de-ló, segundo nos informou a garçonete. Havia um quadro na parede, próximo a nossa mesa, com fotos da D. Vera preparando o doce ao lado de Ana Maria Braga.

Dia seguinte, recuperados da comilança toda, resolvemos encarar algo mais “leve”. Fomos no restaurante do Sítio Solidão (por indicação de um amigo), famoso já por seus ótimos queijos de cabra, ovelha e diversos outros queijos e embutidos (inclusive experimentamos a copa deles, que é defumada, maravilhosa). Daí que quando vi “eisbein” no cardápio, não me controlei: “Joelho-de-porco-defumado-com-salada-de-batata-e-chucrute!!! Eu quero! Ah, e me traga uma cerveja “Antuérpia”, mineira, bem gelada! E de entrada umas linguiças de carneiro fritas!”. Afinal, perdido por um, perdido por mil…

Linguiça de carneiro do Sítio Solidão

Linguiça de carneiro do Sítio Solidão

Estava divino. Nós dois aprovamos totalmente. Tanto as linguiças, que vieram acompanhadas de dois molhos. Um deles era tão bom e original que terminei comprando pra levar pra casa (juntamente com um pacote de linguiças). Era uma mistura de mostarda, mel e raiz forte. Uma coisa!

Desta vez, fizemos questão de não pedir uma sobremesa. Já havia passado demais do limite razoável. Mas qual não foi a minha surpresa quando chegamos no carro?! Meu marido já estava com uma barra de chocolate a postos. Juro que só comi um quadradinho, Deus me perdoe…

Joelho de porco defumado (Eisbein) do Sítio Solidão

Joelho de porco defumado (Eisbein) do Sítio Solidão