Arquivo de Tag | Chalet du Mont Royal

Viagem ao Canadá – Montreal – 3º dia

Peço desculpas a quem está me seguindo por aqui! Estive bastante atarefada neste final de ano, dedicada a uma ação solidária à qual me dedico todos os anos, em Recife. Além disso, desde que voltei para o Rio no reveillon, o trabalho ficou muito intenso no Tribunal. Com chefe de férias, sabe como é… Mas hoje decidi voltar ao blog, deu saudade! Pretendo terminar a minha viagem ao Canadá, porque o melhor ainda está por vir!! Vamos ao 3º e último dia em Montreal…

Oratório Saint-Joseph

Este foi um dia cheio de “altos e baixos”, literalmente, rsrsrs. Depois do maravilhoso café do Dominic em nosso Aubergell, tomamos o metrô, depois o ônibus, até o Oratório Saint-Joseph (L’Oratoire Saint-Joseph du Mont Royal), que fica um pouco distante do centro da cidade, mas vale a pena uma visita. Até porque é a maior igreja de todo o país. Começou como uma capela, lá nos idos de 1904, e hoje é uma Basílica, com um domo impressionante. O Irmão André, fundador da capela inicial, foi canonizado pelo Papa João Paulo II em 1982, pelos milagres de cura que ele realizou. São muitos os peregrinos que visitam a igreja, e cumprem promessas, e sobem intermináveis escadas de joelhos…

Oratório Saint-Joseph

Voltamos para o centro da cidade e procuramos um restaurante francês considerado um dos melhores de Montreal (Restaurant Europea), infelizmente, ele só abriria à noite. Nas redondezas, encontramos um argentino autêntico: “l’Atelier d’Argentine“. Gostei do cardápio executivo, que estava saindo a 16$ (uns 40 reais). Entramos, restaurante vazio, acho que era meio cedo. Com um conceito moderno e interessante, decidimos ficar.

L’Atelier d’Argentine

De entrada tomamos uma “gazpacho“, sopa fria de tomates grelhados, temperada com bastante alho e pimenta. Servida com uma torrada. Achei deliciosa, exótica. Sei que é uma sopa muito popular na Espanha.

De principal, pedimos um hambúrguer de cordeiro, com queijo de cabra, tomate, rúcula. Batatas fritas de acompanhamento. Bem gostoso. Precisávamos mesmo de algo bem energético, pois depois do almoço começaria nosso calvário, haha.

A nossa subida pareceu interminável até o “Chalet du Mont Royal“, construído em 1932. Foram “apenas” 260 degraus… só de lembrar me canso! E eu estava com uma tendinite no pé! Mas é o mirante mais famoso de Montreal, simplesmente imperdível. Lá de cima temos uma visão praticamente completa da cidade. Ele fica dentro de um Parque (Parc du Mont Royal) inaugurado em 1876. O paisagista foi o mesmo do Central Park, em New York.

Depois que descemos do mirante, meu pé estava incomodando muuuuito. De tal forma que nem pudemos continuar nossa peregrinação pela cidade. Passamos apenas num mercado para comprarmos vinho, pães e queijos e lá fomos nós para nossa varandinha na pousada. O Mario até me trouxe uma compressa quente (elétrica) para pôr no meu pé. E depois nos deu um pouco do “ragu” que o Dominic havia feito naquele dia para o almoço. Demais!

Dia seguinte saímos muito cedo para o aeroporto. Iria começar a parte mais emocionante de nossa viagem e que eu estou empolgadíssima para começar a contar aqui… Não percam os próximos capítulos!!

 

Anúncios