A história do macarrão

Dizem que Marco Polo, um grande explorador italiano, foi um dos primeiros ocidentais a se aventurar pelo Oriente (no século XIII), e foi quem descobriu na China o macarrão e o introduziu na Itália.

Após muitas pesquisas e controvérsias, já ficou de fato comprovado de que a China foi o primeiro país a desenvolver a arte de fazer macarrões, mas eles já existiam na Itália muuuuuito antes de Marco Polo nascer! Hoje em dia, a Itália é o maior produtor de massas do mundo (seguido dos EUA e Brasil).

Spaghetti significa “cordinha” em italiano

Existem registros de fabricação de macarrões na China lá pelos idos de 200 a.C. E mais: a China foi também quem inventou as massas recheadas (tipo ravióli).

Outra curiosidade é que o macarrão antigamente era cozido demais, a ponto de ficar bem mole. Somente no final do séc. XIX, em Nápoles, as pessoas começaram a preferir o macarrão mais “firme”, e após a 1ª Guerra Mundial, surgiu o famoso termo “al dente”. Hoje em dia, praticamente todas as massas “secas” fabricadas na Itália são de grano duro, um tipo de massa que quase nunca leva ovos em sua confecção. Já as massas frescas, normalmente são feitas com ovos, e muitas vezes, SÓ com ovos, sem nenhuma outra fonte de água. A presença dos ovos garante mais cor, sabor e nutrientes (proteínas) nas massas em geral. Além disso, a gema tem gordura, que dá mais delicadeza à massa. Já a clara, deixa a massa mais firme.

Massa feita apenas com ovos

Agora, cuidado! As massas feitas com ovos crus são muito perecíveis, devido aos riscos de contaminação pela salmonella, bactéria que pode estar presente no ovo e que se prolifera muito rápido em temperatura ambiente. De forma que ela deve ser consumida o mais rápido possível. O autor do maravilhoso livro “Comida & Cozinha”, Harold McGee (de onde tirei algumas informações sobre a história da massa), afirma que “alguns macarrões da região do Piemonte, na Itália, contêm até 40 gemas para 1kg de farinha”.

No período em que fui proprietária de um restaurante italiano em Recife, eu costumava fazer massas diversas, sempre com ovos, mas eram congeladas até o momento de ir pra panela. Semana passada, tive a oportunidade e o imenso prazer de cozinhar na casa de meu enteado, a pedido de sua adorável esposa, para um total de 8 comensais. O melhor de tudo era que a cozinha era do tipo americana, que eu adoro! Assim pude (mais ou menos!) participar da conversa.

Além das bruschettas de cogumelos e canapés de cebola de entrada, resolvi fazer uma massa fresca, que eu acho que tem tudo a ver com este clima ameno do Rio, nesta época do ano. Preparei a massa apenas com ovos e azeite (mais gemas que claras). Fiz o recheio com abóbora. O molho foi de gorgonzola, com um toque de bacon picado e frito por cima, para dar um contraste. Não faltou o indispensável queijo parmesão ralado na hora.

De sobremesa, parti para um petit gateau de goiabada com sorvete de queijo e goiaba da sorveteria Brasil. Ficou muito bom, mas teria sido melhor se o sorvete fosse de queijo puro (menos doce). Soube hoje que tem pra vender na Mil Frutas.

Todos sairam felizes e satisfeitos naquela noite, principalmente eu!!!! Mais uma vez, a massa comprovou ser uma unanimidade. Não tem como errar! Quer experimentar fazer?! Segue a receita abaixo:

Ravioli de Abóbora com Molho Gorgonzola

(para 4 pessoas)

Massa:

1 ovo inteiro, 3 gemas, 1 colher de sopa de azeite, uma pitada de sal e farinha de trigo.

Misturar os ovos, azeite e sal. Colocar uma boa quantidade de farinha de trigo (uns 300g) em mesa de mármore ou granito e fazer um buraco no meio. Colocar a mistura e ir encorporando a farinha aos poucos, com os dedos, até o ponto em que a massa não esteja mais grudando nas mãos. Sovar bastante a massa, para deixá-la bem macia. Deixa descansar com um pano úmido por cima, por uns 30 min. Abrir com ajuda de rolo ou máquina para abrir massas, rechear, cortar em quadrados e colocar em superfície enfarinhada.

Recheio:

Abóbora (400g) assada, sem a casca, em pedaços, com papel alumínio em forno médio. Depois amassar com garfo e temperar com sal, noz moscada, pimenta do reino.

Molho gorgonzola:

1/2 cebola média picada, 150g de queijo gorgonzola e 250ml creme de leite fresco, manteiga, sal e pimenta do reino.

Fritar a cebola em manteiga, acrescentar o queijo gorgonzola em pequenos pedaços. Ao derreter, acrescentar o creme de leite fresco. Acertar sal e colocar um pouco de pimenta. Se achar muito espesso, pode acrescentar um pouco de leite.

Para enfeitar:

100g de bacon picadinho, frito num fio de azeite e depois seco em papel absorvente.

Montagem:

Cozinhar em bastante água fervente, com sal e óleo, todos os raviólis. Ao escorrer a massa, colocar porções no prato (eu coloquei 6 unidades por pessoa) e com ajuda de uma concha, derramar um pouco do molho, e por cima, de enfeite, uma pequena porção de bacon frito.

Não esqueça, é sempre bom um vinho para acompanhar. Nós tomamos um vinho malbec, reservado, argentino, que caiu muitíssimo bem!

Entrada: Bruschettas com mix de cogumelos

Prato principal: Ravióli de abóbora com molho gorgonzola

Sobremesa: Petit gateau de goiaba, com sorvete de queijo

Anúncios

3 pensamentos sobre “A história do macarrão

  1. Deliciosa a história do macarrão, com esse toque de abóbora e gorgonzola então… Nuuuooosssa kkk. Lindas imagens, Lú, quase 1 sofrimento kkk. Bjao

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s