Cancún e Cozumel – México

De Cancún, não há muito o que se falar em termos gastronômicos. Nada do que eu já não tenha visto em Orlando quando fui à Disney com meus filhos em 2007. Um Outback aqui, uma Mac Donald’s ali, uma Subway, uma Starbucks… Ah, sim, e algumas poucas casas de comida mexicana. Mas daquelas feitas pra turista, com os pratos mais óbvios e preparados à moda fast-food. Ficamos hospedados no Hyatt, que aliás, tem uma ótima localização, perto de shoppings, bares, boates, mercados de artesanato, farmácia e loja de conveniência. A inconveniência são os preços praticados dentro do hotel, tipo, café da manhã a 280 pesos por pessoa! Isto dá uns R$ 45,00, não é muito se pensarmos em reais num hotel cinco estrelas no Rio, mas na Cidade do México o café do nosso hotel era excelente, por apenas 120 pesos por pessoa.

Em frente ao hotel que ficamos em Cancún

Em frente ao hotel que ficamos em Cancún

Leitão do restaurante argentino Cambalache

Leitão do restaurante argentino Cambalache

Gostaria de registrar apenas um restaurante argentino (Cambalache), num shopping próximo ao hotel,  onde pedimos de entrada um queijo fundido com chouriço. Bem gostoso. E de prato principal, um leitão, especialidade da casa. Era um argentino tão mexicanizado que veio acompanhado de guacamole e nachos. Pedimos também uma batata assada, parecida com a do Outback. O leitão estava mais pra porco, tendo em vista que sua carne não estava tão macia, mas estava saborosa.

O que eu poderia recomendar de melhor em Cancun, e aí dou total ênfase, é seu mar azul, cristalino e quente. Eu pensava que era efeito de photoshop, mas não é!!! Garanto!!!

Anteontem fizemos um passeio até Isla Mujeres, onde praticamos snorkel próximo ao farol da ilha (eu estou sem poder mergulhar, por causa da forte sinusite) e visitamos, superficialmente, o MUSA (museu subaquático). A água estava tão cristalina que sua visibilidade deveria estar em uns 30m. Além disso, havia uma grande variedade de peixes. Vi barracudas, meros, budiões de todas as cores, peixes azuis, amarelos, listrados, e belas plantas e algas marinhas. E tivemos também a oportunidade de segurar em nossos braços um tubarão de 2 metros (tudo bem, era um mansinho, do tipo lixa), adestrado por um ilhéu, chamado Romero. Eles “prendem” o tubarão por um ano, depois o devolvem à natureza. E aí pegam outro. Meio cruel isto… fiquei com pena. Ele fica limitado a um quadrado, com cerca de madeira, de uns 25m² de espaço interno, com apenas 1 m de profundidade mais ou menos.

Em Isla Mujeres, incluído no pacote do passeio, estava um almoço “especial”. Um peixe preparado à moda da ilha, na churrasqueira (parrilla), com um tempero vermelho (“achote”), parecendo chili (mas não ardia), que o cozinheiro espalha em todo o peixe com um pincel. Estava bem saboroso, o peixe estava fresco (um mero, peixe da família das garoupas e dos chernes).

Mero na “parrilla”

 

Quanto a Cozumel, optamos por um hotel do tipo “all inclusive” (Sabor Cozumel). Achei que seria uma grande vantagem. Em termos gastronômicos, definitivamente, não é!!!!! Só tem a vantagem de não estarmos preocupados com o preço, nem termos que pegar o carro pra irmos até um restaurante. Afora isto, o almoço é do tipo self-service, feita para um batalhão de americanos que não entendem nada de boa comida (isto não é preconceito, é fato!!!). No jantar, para quem não quer self-service, há uma opção de um restaurante “internacional”, com pouquíssimas opções, comida chegando fria, garçom estabanado, essas coisas…

O único fato registrável e que achei interessante ontem, foi que um dos chefs de cozinha do hotel se predispôs a vir até o bar da piscina, ensinar a uns poucos interessados, como se fazer um verdadeiro ceviche à moda mexicana. O “segredo” do chef foi temperar com muito limão, sal, pimenta do reino, e as verduras clássicas que são as cores da bandeira do México: coentro, cebola e tomate. Acompanhado de nachos e uma boa cerveja gelada!!

Chef ensina a preparar um "guacamole"

Chef ensina a preparar um “guacamole”

 

Muito limão, coentro-cebola-tomate (bandeira do México) e 20 min marinando antes de servir

Muito limão, coentro-cebola-tomate (bandeira do México) e 20 min marinando antes de servir

Nossa próxima parada será em Playa del Carmen, segundo maior balneário da Península de Yucatán. Espero que seja menos americanizada…

 

Anúncios

Um pensamento sobre “Cancún e Cozumel – México

  1. Pingback: Na Cidade do México – Parte 1 | Na mesa com Lu Hazin

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s